Elaboração do processo de luto após uma perda fetal: relato de experiência

Tamires Santos Rios, Cláudia Simone Silveira dos Santos, Débora Dalbosco Dell'Aglio

Resumo


Este trabalho apresenta o relato de atendimento clínico de um caso de luto materno por perda fetal. O atendimento aconteceu em hospital público geral de referência e incluiu intervenção psicológica no pós-parto e psicoterapia breve focal subsequente. A situação de óbito fetal é compreendida como uma experiência de mudanças físicas, sociais e psicológicas para a gestante, com uma interrupção abrupta da relação mãe-bebê. A partir disso, a família passa por um processo de luto específico, que tende a ser subestimado culturalmente e socialmente, mas que necessita intervenção não apenas com a mãe, mas também com o pai do bebê e familiares. Destaca-se a importância da interação com a equipe médica, garantindo que o plano de tratamento hospitalar contemple as demandas específicas dessas pacientes. No caso estudado, conclui-se que a intervenção psicológica funcionou como suporte emocional e social, reconhecendo o sofrimento diante da perda e oferecendo um espaço para a paciente falar sobre essa experiência, o que favoreceu o processo de elaboração. Dessa forma, considera-se que a instrumentalização de psicólogos para atender a esses casos e avaliar o melhor tipo de intervenção é importante no trabalho no contexto hospitalar.

Texto completo:

PDF

Referências


Amthauer, C., Sand, I., Hildebrandt, L., Linck, C., & Girardon-Perlini, N. (2012). Práticas assistenciais na perda gestacional: vozes de profissionais de saúde da família. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(1), 81-88.

Basso, L., & Wainer, R. (2011). Lutos e perdas repentinas: terapia cognitivo-comportamental. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 7(1), 35-43.

Binotto, A. (2005). Natimorto, aborto e perda perinatal: a morte no lugar do nascimento. In G. Casellato (Ed.), Dor silenciosa ou dor silenciada: perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade (35-50). São Paulo: Livro Pleno.

Bowlby, J. (1973/1980). Apego e perda: Tristeza e depressão. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1973).

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. (2013). Resolução n° 466, 2012. Diretrizes e Normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União.

BRASIL, Ministério da Saúde. (2009). Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

BRASIL, Ministério da Saúde. (2011). Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

BRASIL, Ministério da Saúde. (2012). Gestação de alto risco: manual técnico. Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Brazelton, T. (1988). O desenvolvimento do apego: uma família em formação. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bruscato, W., Kitayama, M., Fregonese, A., & David, J. (2004). O trabalho em equipe multiprofissional na saúde. In Bruscato, W., Benedetti, C. & Lopes, S. (Eds.), A prática da psicologia hospitalar na Santa Casa de São Paulo: novas páginas de uma antiga história (33-41). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Carvalho, F. & Meyer, L. (2007). Perda gestacional tardia: aspectos a serem enfrentados por mulheres e conduta profissional frente a essas situações. Boletim de Psicologia, 57(126), 33-48.

Casellato, G. (2005). Luto não-reconhecido: um conceito a ser explorado. In G. Casellato (Ed.), Dor silenciosa ou dor silenciada: perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade (19-33) São Paulo: Livro Pleno.

Defey, D., Diaz, J. R. L., Niñez, M., & Terra, C. (1992). Duelo por un niño que muere antes de nacer: vivencias de los padres del equipo de salud. 2 ed. Montevideo: Centro Latinoamericano de Perinatologia e Desenvolvimento Humano (CLAP).

Duarte, C. & Turato, E. (2009). Sentimentos presentes nas mulheres diante da perda fetal: uma revisão. Psicologia em Estudo, Maringá, 14(3), 485-490.

Freitas, N. (2000). Luto materno e psicoterapia breve. São Paulo: Summus.

Gesteira, S., Barbosa, V. & Endo, P. (2006). O luto no processo de aborto provocado. Acta Paulista de Enfermagem, 19(4), 462-467.

Gonzáles, C., Bello, N., Calva, E., López, M. & Pichardo, M. (2011). Escala de duelo perinatal: validación em mujeres mexicanas com pérdida gestacional. Revista Latinoamericana de Psicologia, 43(3), 419-428.

Iaconelli, V. (2007). Luto insólito, desmentido e trauma: clínica psicanalítica com mães de bebês. Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, 10(4), 614-623.

Lopes, R., Donelli, T., Lima, C. & Piccinini, C. (2005). O antes e o depois: expectativas e experiências de mães sobre o parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(2), 247-254.

Montero, S., Sánches, J., Montoro, C., Crespo, M., Jaén, A., & Tirado, M. (2011). A experiência da perda perinatal a partir da perspectiva dos profissionais de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(6), 1405-1412.

Nazaré, B., Fonseca, A., & Canavarro, M. (2011). Gravidez subseqüente a uma interrupção médica: especificidades de gênero na relação entre luto perinatal, psicossintomatologia e qualidade de vida. Tese de doutorado, Universidade do Porto, Portugal.

Penna, T. (2010). Psicoterapia em instituições médicas. In Mello, J. & Burd, M. (Eds.), Psicossomática hoje (pp. 491-496). Porto Alegre: Artmed.

Piccinini, C., Lopes, R., Gomes, A., & Nardi, T. (2008). Gestação e a constituição da maternidade. Psicologia em Estudo, Maringá, 13(1), 63-72.

Silva, A. & Nardi, A. (2011). Terapia cognitivista-comportamental para perda gestacional: resultados da utilização de um protocolo terapêutico para luto. Revista de Psiquiatria Clínica, 38(3), 122-124.

Vidal, M. (2010). Gravidez após morte perinatal: sobre a relação da mãe com o bebê sobrevivente. Ciência e Saúde Coletiva, 15(3), 3185-3190.

Worden, J. (1998). Terapia do luto: um manual para o profissional de saúde mental. 2.ed. Porto Alegre: Artes Médicas.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p98-107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png