Deprivation of Affection and its Consequences: Psychodynamic Analysis from the Movie “We Need to Talk About Kevin”

Melânia Paula Pavoni, Kélin Aparecida da Silva, Cleuza Elizabete de Chaves, Thayla Dalbosco, Denice Bortolin Baseggio

Resumo


 e way parents interact with their children in uence in the psychic constitution of these and con- sequently focus on how the individual relates with themselves and others. To be a relevant issue for professionals, who work with psychoanalysis, needs to be deepened. e aim of this study is to deepen the movie “We need to talk about Kevin”, focusing on the character Kevin and his childhood, from a psychodynamic understanding. It`s a qualitative research with a case study design. It tells the story of Eva and Franklin that are waiting for a son, Kevin, but he was unplanned. He was a rejected child since the pregnancy, deprived of a ection for the mother and received no limits of his father. In this way, during his childhood he grows into a troubled, hostile and confrontational atmosphere that intensi es since the birth of his sister, Celia. It was observed that Eva was not able to be a ‘good-enough mother’ and Franklin denied the di culty that had to relate to the child, not by imposing limits. us, it`s nec- essary an early psychoanalytic intervention parent-infant at the beginning of his life, where the couple can learn to deal with their di culties and develop a healthy relationship. 


Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo, E. C., & Moreira, M. C. (2012). Psiquismo fetal: um olhar psicanalítico. Diaphora, 12(2), 64 - 69. Disponível em: http://www.sprgs.org.br/diaphora/ojs/index.php/diaphora/article/view/73. Acesso em: 06 julho 2015.

Azevedo, K. R., & Arrais, A. R. (2006). O mito da mãe exclusiva e seu impacto na depressão pós-parto. Psicologia Reflexão e Crítica, 19(2), 269-276.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira.

Bandeira, T. T. A., & Moura, L. S. de. (2012). Crenças de Pais e Mães sobre Investimento Parental. Paidéia, 22(53), 355-363. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272253201307.

Bardin, L. (2011). A codificação. In L. Bardin (Ed.), Análise de conteúdo (pp. 133-146). São Paulo, SP: Edições 70.

Borsa, J. B., & Dias, A. G. C. (2004). Relação Mãe e Bebê: as expectativas e vivências do puerpério. Revista Perspectiva, 28(102), 39-53.

Bowlby, J. (2002). Apego e perda: a natureza do vínculo. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Brazelton, T. B., & Cramer, B. G. (1992). As primeiras relações. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Carlesso, J. P. P., & Souza, A. P. R. de. (2011). Dialogia mãe-filho em contextos de depressão materna: revisão de literatura. Revista CEFAC, 13(6), 1119-1126.

Cerqueira-Santos, E., Paludo, S. dos S., dei Schirò, E. D. B., & Koller, S. H. (2010). Gravidez na adolescência: Análise Contextual de risco e proteção. Psicologia em Estudo, 15(1), 73 - 85. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v15n1/a09v15n1.pdf. Acesso em: 02 junho 2015.

Cole, M., & Cole, R. (2004). Desenvolvimento pré-natal e Nascimento. In M. Cole & R. Cole (Orgs.), O Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (pp. 26-57). Porto Alegre, RS: Artmed.

Cox, M. J., & Paley, B. (2003). Understanding families as systems. Current Directions in Psychological Science, 12, 193–196. Recuperado de http://dx.doi:10.1111/1467-8721.01259.

Crestani, A. H., Rosa, F. F. de M., Souza, A. P. R. de, Pretto, J. P., Moro, M. P., & Dias, L. (2010). A experiência da maternidade e a dialogia mãe-filho com distúrbio da linguagem. Rev. CEFAC, 14(2), 350-360. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v14n2/07-10.pdf. Acesso em 06 julho 2015.

Escarce, A. G., Camargos, T. V. de, Souza, V. C., Mourão, M. P., & Lemos, S. M. A. (2012). Escolaridade Materna e Desenvolvimento da Linguagem em crianças de 2 meses à 2 anos. Revista CEFAC, 14(6), 1139-1145.

Fernandes, R. T., Lamy, Z. C., Morsch, D., Filho, F. L., & Coelho, L. F. (2011). Tecendo as teias do abandono: Além das Percepções das mães de bebês prematuros. Ciência & Saúde Coletiva: 16(10), 4033 - 4042. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/630/63019858008.pdf. Acesso em 25 março 2015.

Ferrari, A. G., Piccinini, C. A., & Lopes, R. S. (2007). O Bebê Imaginado na Gestação: Aspectos Teóricos e Empíricos. Psicologia em Estudo, 12(2), 305 – 313.

Flick, U. (2009). A utilização da literatura na pesquisa qualitativa. In U. Flick (Ed.) Introdução à pesquisa qualitativa (pp. 61-68). Porto Alegre, RS: Artmed.

Flores, M. R., Souza, A. P. R. de, Moraes, A. B. de, & Beltrami, L. (2013). Associação entre indicadores de risco ao desenvolvimento infantil e estado emocional materno. Revista CEFAC, 15(2), 348-360.

Freud, S. (1976). Três Ensaios sobre as teorias da sexualidade. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Guimarães, D. M. C. (2013). A igreja como mãe suficientemente boa à luz dos conceitos de Winnicott. Interações: Cultura e Comunidade, 8(13), 187-203. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/3130/313028475011.pdf. Acesso em 03 abril 2015.

Laplanche, J., & Pontalis, J.-B. (2001). Vocabulário da Psicanálise. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Lebovici, S. (1987). O Bebê, a Mãe e o Psicanalista. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Mendes, D. M. L. F., & Pessôa, L. F. (2013). Comunicação Afetiva nos cuidados Parentais. Psicologia em Estudo, 18(1), 15-25.

Matos, M. B. de, Cruz, A. C. N., Dumith, S. de C., Dias, N. da C., Carret, R. B. P., & Quevedo, L. de A. (2015). Eventos estressores na família e indicativos de problemas de saúde mental em crianças com idade escolar. Ciência & Saúde Coletiva, 20(7), 2157-2163. Recuperado de http://dx.doi: 10.1590/1413-81232015207.17452014.

Mondin, E. M. C. (2008). Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26(54), 233 - 244. Disponível em: file:///C:/Users/Hp/Downloads/pa-2498.pdf. Acesso em 25 março 2015.

Nasio, J. -D. (1995). Introdução às obras de Freud, Goddeck, Klein, Winnicott, Dolto e Lacan. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Nogueira, J. R. D. F., & Ferreira, M. (2012). O envolvimento do pai na gravidez/parto e a ligação emocional com o bebê. Revista de Enfermagem Referência, 3(8), 57-66.

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento Humano. Porto Alegre, RS: AMGH.

Passos-Ferreira, C. (2014). O self como centro de ação em James e Winnicott. Ágora, 16(1), 27 - 42. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/agora/v17n1/a02v17n1.pdf. Acesso em 06 julho 2015.

Pereira, C. R. R., & Piccinini, C. A. (2011). Relacionamento Mãe-Primogênito durante a Gestação do Segundo Filho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(2), 179-188.

Piccinini, C., Ferrari, A., Levandowski, D., Lopes, R., & Nardi, T. (2003). O bebê imaginário e as expectativas quanto ao futuro do filho em gestantes adolescentes e adultas. Interações, 8(16), 81-108.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., & Lopes, R. de C. S. (2012). Envolvimento Paterno aos Três Meses de Vida do Bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v28n3/a06v28n3.pdf. Acesso em 31 março 2015.

Santos, P. R. da S., & Maranhão, D. G. (2009). Assistência de enfermagem à criança no desenvolvimento de controles esfincterianos. Revista Enferm, 10(1), 60-3.

Scopel, R. R., Souza, V. C., & Lemos, S. M. A. (2012). A influência do ambiente familiar e escolar na aquisição e no desenvolvimento da linguagem: Revisão da literatura. Revista CEFAC, 14(4), 732-741.

Spitz, R. A. (2013). Distúrbios psicotóxicos. In R. A. Spitz, O primeiro ano de vida (pp. 213-216). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Shaffer, D. R. (2005). Desenvolvimento pré-natal, Nascimento e Preparo dos Recém-nascidos para a vida. In D. R. Shaffer (Org.), Psicologia do Desenvolvimento (pp. 104-142). São Paulo, SP: Thomson.

Susin, L. R. O. (2004). Influência do pai e das avós no aleitamento materno (Tese de Doutorado). Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5448/000426489.pdf?sequence=1. Acesso em 06 julho 2015.

Veludo, C. M. B., & Viana, T. de C. (2012). Parentalidade e o desenvolvimento psíquico na criança. Paidéia (Ribeirão Preto), 22(51), 111-118. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v22n51/13.pdf. Acesso em 06 julho 2015.

Winnicott, D. W. (2000). Da Pediatria à Psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Winnicott, D. W. (2006). A contribuição da psicanálise à obstetrícia. In D. W. Winnicott (Org.), Os bebês e suas mães (pp. 61 – 72). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Winnicott, D. W. (2012). Por que choram os bebês? In D. W. Winnicott (Org.), A criança e o seu mundo (pp. 64 – 75). Rio de Janeiro, RJ: LTC.

Winnicott, D. W. (2012). Roubar e dizer mentiras. In D. W. Winnicott (Org.), A criança e o seu mundo (pp. 183 – 188). Rio de Janeiro, RJ: LTC.

Yin, R. K. (2014). Quando usar os estudos de caso como método de pesquisa. In R. K. Yin (Ed.) Estudos de Caso: Planejamento e Métodos (pp. 3-25). Porto Alegre, RS: Bookman.

Zimerman, D. E. (2001). Vocabulário Contemporâneo de Psicanálise. Porto Alegre, RS: Artmed.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v7n2p80-88

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista de Psicologia da IMED

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png