Breaking off the Cycle of Violence in the Family: Conceptions of Mothers who do not Reproduce the Abuse Suffered in Childhood with Their Children

Larissa Wolf da Rosa, Karla Rafaela Haack, Denise Falcke

Resumo


According to national and international studies, experiences of child abuse contribute for adult psychological disturbs and tend to be transmitted from generation to generation. The aim of this study is identify the conceptions of mothers who suffered abuse in childhood about what help them do not reproduce abusive acts with their children. It has been performed an exploratory design qualitative study, from account of the life history of four women, identified in a preliminary study. Semi-structured interviews and the construction of family genogram were made to expand the analysis of the history of participants. The material was understood from the content analysis, in which the categories and subcategories were defined a posteriori. The results indicate that the existence of healthy identification patterns in the social support net, the mothering, the therapy process and the individual characteristics seem to be related to the resilience, being factors that can contribute for the breaking off of the violence pattern.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, F. P., Santos Barros, C. R., & Schraiber, L. B. (2013). Violencia e sofrimento mental em homens na atencao primaria a saude.Revista de Saúde Pública, 47(3), 531-539.

Apostólico, M. R., Nóbrega, C. R., Guedes, R. N., Fonseca, R. M. G. S., & Egry, E. Y. (2012). Características da violência contra a criança em uma capital brasileira. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(2), 266-273.

Bardin, L. (1977). A análise de conteúdo. São Paulo: Martins Fontes.

Durand, J.G; Schraiber, L.B.; França-Junior, I.; Barros, C.. (2011). Repercussão da exposição à violência por parceiro íntimo no comportamento dos filhos. Rev Saúde Pública, 45(2), 355-64.

Carter, B.; McGoldrick, M.; e cols. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Cecconello, A..; De Antoni, C. & Koller, S. H. (2003). Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, 8, 45-54.

Cyrulnik, B. (2005). O murmúrio dos fantasmas. São Paulo: Martins Fontes.

De Antoni, C.; Barone, L. R., & Koller, S. H. (2007). Indicadores de risco e de proteção em famílias fisicamente abusivas. Psicologia: teoria e pesquisa, 23(2), 125-132.

De Antoni, C., & Batista, F. A. (2014). Violência familiar: Análise de fatores de risco e proteção. Diaphora, 14(2), 26-35.

Delsol, C. & Margolin, G. (2004). The role of family-of-origin violence in men’s marital violence perpetration. Clinical Psychology Review, 24(1), 99-122.

Edelson, J. L.; Mbilinyi, L. F.; Beeman, S. K. & Hagemeister, A. K. (2003). How children are involved in adult domestic violence: results from a four city telephone survey. Journal of Interpersonal Violence, 18(1), 18-32.

Falcke, D. (2006). Filho de peixe, peixinho é: a importância das experiências na família de origem. Colóquio, 3(2), 83-97.

Hermel, J. S., & Drehmer, L. B. R. (2013). Repercussões da violência intrafamiliar: Um estudo com mulheres em acompanhamento psicológico. Psicol. argum, 31(74), 437-446.

Lai, K. W. & Mcbride Chang, C. (2001). Suicidal ideation, parenting style, and family climate among Hong Kong adolescents. International Journal of Psychology, 36(2), 81-87.

Lettiere, A., Nakano, A. M. S., & Bittar, D. B. (2012). Violência contra a mulher e suas implicações na saúde materno-infantil. Acta Paul Enferm,25(4), 524-9.

Marasca, A. R., Colossi, P. M., & Falcke, D. (2013). Violência conjugal e família de origem: uma revisão sistemática da literatura de 2006 a 2011.Temas em Psicologia, 21(1), 221-243.

Mendlowicz, M.; Figueira, I. (2007). Transmissão intergeracional da violência familiar: o papel do estresse pós-traumático. Revista Brasileira de Psiquiatria, 29, 88-89.

Morais, N.A., Koller, S., & Raffaelli, M. (2012). Rede de apoio, eventos estressores e mau ajustamento na vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Universitas Psychologica, 11(3), 792.

Moreira, T. D. N. F., Martins, C. L., Feuerwerker, L. C. M., & Schraiber, L. B. (2014). A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de Saúde da Família. Saúde e Sociedade, 23(3), 814-827.

Nyamathi, A. M. & Longshore, D.; Keenan, C.; Lesser, J. & Leake, B. D. (2001). Childhood predictors of daily substance use among homeless women of different ethnicities. American Behavioral Scientist, 45(1), 35-50.

Pastoirelli, C.; Steca, P.; Gerbino, M. & Vecchio, G. (2001). Il ruolo delle convinzioni di efficacia personale e genitoriale rispetto alle condotte delinquenziali e all’uso di sostanze nel corso dell’adolescenza. Eta evolutiva, 69,80-87.

Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dias, A. C. G. (2012). Bater não educa ninguém! Práticas educativas parentais coercitivas e suas repercussões no contexto escolar. Educação e Pesquisa, 38(4), 981-986.

Poletto, M.; Wagner, T. M. C. & Koller, S.H. (2004). Resiliência e desenvolvimento infantil de crianças que cuidam de crianças: uma visão em perspectiva. Psicologia: teoria e pesquisa, 20(3), 241-250.

Pournaghash-Tehrani, S. & Feizabadi, Z.(2009). Predictability of physical and psychological violence by early adverse childhood experiences. Journal of Family Violence, 24(6), 417-422.

Santos, A. C. W. D., & Moré, C. L. O. O. (2011). Repercussão da violência na mulher e suas formas de enfrentamento. Paidéia (Ribeirão Preto), 21(49), 227-235.

Santos, A. R. D., Marin, A. H., & Castoldi, L. (2013). Percepção de mães e adolescentes sobre a violência intrafamiliar por meio da construção do genograma. Contextos Clínicos, 6(2), 174-184.

Sapienza, G.; Pedromonico, M. R. M. (2005). Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicologia em Estudo, 10(2),209-216.

Silva, M. R. S.; Lacharité, C.; Silva, P. A.; Lunardi, V. L. & Lunardi Filho, W. D. (2009). Processos que sustentam a resiliência familiar: um estudo de caso. Texto Contexto - Enfermagem, 18(1), 92-99.

Silva Dahmer, T., Gabatz, R. I. B., Vieira, L. B., & de Mello Padoin, S. M. (2013). Violência no contexto das relações familiares: implicações na saúde e vida das mulheres. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(3), 497-505.

Tondowski, C. S., Feijó, M. R., Silva, E. A., de Paula Gebara, C. F., Sanchez, Z. M., & Noto, A. R. (2014). Padrões Intergeracionais de Violência Familiar Associada ao Abuso de Bebidas Alcoólicas: Um Estudo Baseado em Genogramas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(4), 806-814.

Vieira, L. B., Cortes, L. F., Padoin, S. M. D. M., Souza, I. E. D. O., Paula, C. C. D., & Terra, M. G. (2014). Abuso de álcool e drogas e violência contra as mulheres: denúncias de vividos. Rev Bras Enferm, 67(3), 366-72.

Wagner, A. e cols. (2002). Família em cena: tramas, dramas e transformações. Petrópolis: Vozes.

Wareham, J.; Boots, D. P. & Chavez, J. M. (2009). A test of social learning and intergenerational transmission among batterers. Journal of Criminal Justice, 37, 163-173.

Weber, L.N. D.; Selig, G. A.; Bernardi, M. G. & Salvador, A. P. V.(2006). Continuidade dos estilos parentais através das gerações: transmissão intergeracional de estilos parentais. Paidéia, 16(35), 407-414.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v7n2p26-36

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png