Life quality of institutionalized elderly people

Jonatan Binelo, Mariane Luiza Mattjie, Vanessa Domingues Ilha

Resumo


The present study analyzes the life quality of the elderly people living in long-term care institutions for the elderly (LTCIE) public and private, in the interior of the state of Rio Grande do Sul. This is a quantitative research, performed among 15 participants that used the data collecting application method whoqol-bref, an instrument of the World Health Organization (WHO) that asses the quality of life. The results are analyzed as of four domains: the environment, social relations, psychological and physical conditions. The average of the pointed scores in the four domains refers to the indicator of quality of life. It is possible to conclude that the elderly people living in public institutions are 64,10% satisfied regarding the quality of life, being the psychological factor the one that obtained the best grade and physical condition, the worst grade. As to the elderly living in private institutions the satisfaction rate is of 65,38%, being the environment the factor that received the best grade in satisfaction and social relations, the worst.


Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária (2005). Resolução da Diretoria Colegiada, 283. Disponível em: .

Braga, M. C. P.; Casella, M A; Campos, M L N & Paiva, S P (2011). Qualidade de Vida medida pelo WHOQOL-BREF: Estudo com idosos residentes em Juiz de Fora/MG. Rev. APS; 14(1); 93-100.

Camarano, A. A & Kanso, S. (2010). As Instituições de Longa Permanência para Idosos no Brasil. Rev. Bras. Estud. Popul., 27(1).

Carneiro, R. S; Falcone, E. & Clark, C. (2007). Qualidade de Vida, Apoio Social e Depressão em Idosos: Relação com Habilidades Sociais. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 20(2), 229-237.

Cattelan, A. V; Pandolfo, B. P & Longhi. E.G.(2011). Análise ergonômica de uma instituição de longa permanência para idosos em Passo Fundo – RS. RBCEH, 4(2), 75-82.

Estatuto do Idoso (Brasil). Lei no 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 3 out. 2003.

Fortes, V L F, et al. (2007). Dor no idoso: breves reflexões. In: Santin, Rigo Janaína; Bettinelle, Luiz Antonio; Benica, Ciomara Ribeiro (org.). Envelhecimento humano: cuidado e cidadania. (p. 21-35) Passo Fundo: Ed. UPF.

Fleck, M. P. A; Louzada, S; X, M. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref. Rev. Saúde Pública, 34(2) São Paulo.

Freitas, E. V. (2006). Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Grupo WHOQOL (1998). Versão em português dos instrumentos de avaliação da qualidade de vida (WHOQOL). Faculdade de Medicina da UFRGS. Departamento de Psiquiatria. Disponível em: /http://www.ufrgs.br/psiquiatria/psiq/whoqol3.html>

Jacob, L & Fernandes, H. (2011). Ideias para um Envelhecimento Activo. Almeirim – Portugal. Ed. Rutis.

Joia, L. C; Ruiz, T & Donalisio, R. M. (2007) Condições associadas ao grau de satisfação com a vida entre a população de idosos. Rev. Saúde Pulica, 2007; 41 (1): 131-138.

Melo, O. V. (1994). O Idoso Cidadão. Passo Fundo: Ed. Pe. Berthier.

Neri, A. L. (2004). O que a psicologia pode oferecer ao estudo e à intervenção no campo do envelhecimento no Brasil, hoje. In: Neri, A. L; Yassuda, M. S. (Orgs.) Velhice bem sucedida: aspectos cognitivos e afetivos. Campinas: Papirus.

Neri, A. L. (2007). Qualidade de vida e idade madura. São Paulo: Papirus.

Nunes, V.M.A.; Menezes, R. M. P. & Alchieri, J. C. (2010). Avaliação da Qualidade de Vida em Idosos Institucionalizados no município de Natal, Estado do Rio Grande do Norte. Acta Scientiarum. Health Science. Maringá, v. 32, n. 2.

Paschoal, S. M. P. (2006). Qualidade de Vida na velhice. In: Freitas, E.V.; Py, L.; Cançado, F.A.X.; Doll, J.; Gozoni, M.L. Tratado de Geriatria e Gerontologia (p. 47-153) Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Pedroso, B. et al. (2010). Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-bref através do Microsoft Excel. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, 2 (1), p. 31-36.

Pereira, R. J.; Cotta, R. M. M. & Franceschini, S. C. C. (2006) Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, 28(1).

Pires, Z. R. S; Silva, M. J. (2001). Autonomia e capacidade decisória dos idosos de baixa renda: uma problemática a ser considerada na saúde do idoso. Revista eletrônica de enfermagem, 3 (2).

Portela, M. R. & Dalbosco, J. (2006) Atenção ao idoso em ambiente asilar: o fazer da enfermagem enfrentando desafios e rompendo barreiras. In: Portela, Marilena Rodrigues; Pasqualotti, Adriano; Gaglietti, Mauro (org.). Envelhecimento humano: saberes e fazeres. (p. 52 – 62)Passo Fundo: Ed. UPF.

Ribeiro, P. A; Souza, R. E & Atie, S; (2008). A influência das quedas na qualidade de vida de idosos. Ciência & Saúde Coletiva, 13 (4).

Rorty, Richard (1999). Ensaios sobre Heidegger e outros. Rio de Janeiro: Relume-Dumará

Rosa, P. V; Glock, L & Berlezi, E. M. (2011). Perfil dos Idosos residentes em instituições de Longa Permanência da Região Sul do Pais. RBCEH, Passo Fundo, 8 (1). p. 38-47

Silva Junior & Jarbas Barbosa. (2005) Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. 60p.: il.

Silva, C. A; De Marco, C & Pasqualotti, A (2010). Saúde e Qualidade de Vida: Um direito do idoso. In: Santin, Janaína Rigo; Bettinelli, Luiz Antonio (org.) p. 37-48. Bioética e Envelhecimento Humano: inquietudes e reflexões. Passo Fundo: Ed. Berthier.

THE WHOQOL GROUP (1998a). Development of the World Health Organization WHOQOL-BREF Quality of Life Assessment. Psychological Medicine, Cambridge, UK, 28(3). p. 551-558.

THE WHOQOL GROUP (1998b). WHOQOL user manual. Geneva: World Health Organization.

THE WHOQOL GROUP (1996). WHOQOL-bref: introduction, administration, scoring and generic version of assessment. Geneva: World Health Organization.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v7n1p35-41

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista de Psicologia da IMED

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png