The Links Between Fathers and Daughters after Marital Separation

Luiz Ronaldo Freitas Oliveira, Eduarda Cristina Schmitt, Claudia Mara Bosetto Cenci

Resumo


The present work describes the family history between fathers and daughters in relation to the bonds after marital separation. The separation process is difficult for all parties involved step, and not always the parents maintain a healthy and fit living in the education of their daughters. Leaving addition, the research aims to identify, through family history, relationships that contribute to maintaining healthy emotional bonds between fathers and daughters. This is a qualitative exploratory research strategy that uses the case study to analyze the vincularidade between fathers and daughters after the process of marital separation. The literature indicates a paucity of studies that deal with the theme and point intervention alternatives with regard to maintaining healthy ties after divorce.


Texto completo:

PDF

Referências


Ainsworth, M., Bowlby, J. (1991). An ethological approach on personality disorder. American Psychologist. The American Psychological Association, 46(4), 333-341.

Barstad, M. G. (2013). Do berço ao túmulo: a teoria do apego de John Bowlby e os estudos de apego em adulto. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Benczik, E. B. P. (2011). A importância da figura paterna para o desenvolvimento infantil. Revista de Psicopedagogia, 28(85), 67-75.

Borges, M. L. S. F. (2005). Função Materna e Função Paterna, suas vivências na atualidade. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Bowlby, J. (1977). The making and breaking of affectional bonds: Aetiology and psychopathology on the light of attachment theory. British Journal of Psychiatry, 130, 201-210.

Cano, D., Gabarra, L. M. et al. (2009). As transições familiares do divórcio ao recasamento no contexto brasileiro. Psicologia: reflexão e crítica, 22(2), 214-222.

Castro, I. P. (1998). A Relação dos filhos menores com os pais após a ruptura da tradicional da convivência familiar: uma ótica sociojurídica. In P. Silveira. Exercício da paternidade. Porto Alegre: Artes Médicas (pp. 217-223).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1977. (1977). Brasília. Recuperado em 17 de agosto, 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6515.htm.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília. Recuperado em 17 de agosto, 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Dalbem, J. X.; Dell’Aglio, D. D. (2005). Teoria do Apego: bases conceituais e desenvolvimento dos modelos internos de funcionamento. Arquivos brasileiros de psicologia, 57(1).

Dantas, C., Jablonski, B.; Féres-Carneiro, T. (2004). Paternidade: considerações sobre a relação pais-filhos após separação conjugal. Paidéia, (14)29, 347-357.

Gomes, V. F., Bosa, C. A. (2010). Representação Mentais de apego e percepção de práticas parentais por jovens adultas. Universidade Federal do Rio grande do Sul.

Grossmann, K., Grossamann K.E. (211). Enciclopédia sobre o desenvolvimento na primeira infância: O impacto do apego à mãe e ao pai e do apoio sensível à exploração nos primeiros anos de vida sobre o desenvolvimento psicossocial das crianças até o início da vida adulta. University of Regensburg, Alemanha.

Hetherington, A.M. (1991). The role of individual diferences and family relationships in children’s coping with divorce and remarriage. In P.A. Cowan & Hetherington (Eds.) Family transitions, 165-194.

Ramires, V. R. R. & Schneider, M. S. (2010). Revisitando alguns Conceitos da Teoria do Apego: Comportamento versus Representação? Psicologia: Teoria e Pesquisa, (26)1, 25-33.

Ramires, V. R. R. (2004). As transições familiares: perspectiva de crianças e pré-adolescentes. Psicologia em estudo (9)2, 183-193.

Ramires, V. R. R., & Falcke, D. (2013). Vínculos Familiares e Comunitários: apontamentos para a proteção dos direitos de crianças e adolescentes. São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil.

Ribas, A. F. P., Moura, M. L. S. (2004). Responsividade materna e teoria do apego: uma discussão crítica do papel de estudos transculturais. Psicologia: reflexão e crítica (17)3, 315-322.

Sales, L. M. M. (2003). A família e os conflitos familiares – a mediação como alternativa. Pensar Revista de Ciências Jurídicas de Curso de Direito de Fortaleza, (8)1.

Santos, J. B., Santos, M. S. C. (2008/2009). Família monoparental brasileira. Revista Jurídica, (10)92.

Souza, K. S. M., Smeha, L. N., Arend, J. C. (2012). A relação entre pais e filho(s) após a separação conjugal. Revista do Departamento de Ciências Humanas e do Departamento de Psicologia (UNISC), (38), 7-29.

Witzel, A. C. P. (2013). Análise da Família Monoparental como entidade famílias após o advento da Constituição Federal de 1988. Recuperado em 19 de agosto, 2013, de http://jus.com.br/artigos/23739/analise-da-familia-monoparental-como-entidade-familiar-apos-o-advento-da-constituicao-federal-de-1988.

Yin, R.K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed). Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v6n2p113-123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png