Pain and loss: process analysis of mourning

Edilene Joceli de Almeida, Clarissa Santos Leitune, Ângela Cristina Barrios Pratini Seger, Miriam Lerrer Terner, Daila Alena Raenck da Silva

Resumo


This article aims to provide theoretical basis in order to understand the process of mourning and how to contribute to the understanding of subjectivity observed in the pain of love. As a starting point for the development of this text, we seek to understand the formation of the first emotional bonds and the establishment of early attachment patterns developed in the human’s beings lives. These two assumptions are raised for consideration as standards, are responsible for the devices used by each individual to face the mourning process throughout life. The theoretical framework used to discuss this theme authors were enshrined as Bowlby (1990), Nasio (2007) and Worden (1998; 2013).From this study, we believe will be able to offer contributions to psychotherapists who work with this theme, helping them in the management of patients with this condition. This discussion points the need of working with the individual to adapt to a new life, developed without the physical presence of the beloved, establishing an emotional repositioning and find a new sense of life.


Texto completo:

PDF

Referências


Brazelton, T. B., & Greenspan, S. I. (2002). As necessidades essenciais das crianças. Porto Alegre: Artmed.

Bowlby, J. (1990). Apego e perda (Vol. 1) (A. Cabral, Trad). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1969).

Castro, E. D., & Piccinini, C. A. (2002). Implicações da doença orgânica crônica na infância para as relações familiares: algumas questões teóricas. Psicologia: reflexão e crítica, 15(3), 625-635.

Dalbem, J. X., & Dell’Aglio, D. D. (2006). Teoria do apego: bases conceituais e desenvolvimento dos modelos internos de funcionamento. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 57(1).

Domingos, B., & Maluf, M. R. (2003). Experiências de perda e de luto em escolares de 13 a 18 anos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), 577-589.

Ferreira, L. C, Leão, N. C., & Andrade, C. C. (2008). Viuvez e luto sob a luz da Gestalt-terapia: experiências de perdas e ganhos. Revista da Abordagem Gestáltica, 14(2), 153-160.

Gonçalves, T. G. (2014). O fenômeno da negação não psicótica da gravidez na perspectiva winnicottiana. Revista de Psicologia da IMED [on line] 6(2), 63-68.

Melo, R. Processo de Luto (2004). O Inevitável Percurso Face a Inevitabilidade da morte.

Nascimento, C. C., Coelho, M. R. M., Jesus, M. R. P. D., & Martins, W. V. (2006). Apego e perda ambígua: apontamentos para uma discussão. Revista Mal Estar e Subjetividade, 6(2), 426-449.

Nasio, J. D. (2007). A dor de amar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Parkes, C. M. (2009). Amor e perda: as raízes do luto e suas complicações. São Paulo: Summus.

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca.

Winnicott, D.W. (1998). Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes.

Worden, J. W. (1998). Terapia do luto: um manual para o profissional de saúde mental. Porto Alegre: Artes Médicas.

Worden, J. W. (2013). Aconselhamento do luto e terapia do luto: um manual para profissionais da saúde mental (4ª ed.). (A. Zilberman, L. Bertuzzi, & S. Smidt, Trad.). São Paulo: Roca.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v7n1p15-22

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista de Psicologia da IMED

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png