Psychology and cinema assisting women in the treatment of psychoactive substance dependence

Alexandre Carbonera, Daiane Gonçalves Silva, Maria Isabel do Nascimento-André, Eduardo José Legal

Resumo


The objective of this study was to investigate the effects of a psychological intervention, structured in the projection of cinematographic films and reflection that emerged from them, shown and discussed among women under treatment for Psychoactive Substances dependence, residents at a Therapeutical Community located in Vale do Itajaí, in the state of Santa Catarina. The method of intervention was based in a focal group, which consisted on the exhibition and discussion of cinematographic films that were guided by pre-established themes. For the evaluation of data, content analysis was used. The results indicate that this strategy had the ability to motivate participants to continue treatment, as well as it enabled the rescue of past events and reframing of these at the present. It also demonstrated that the strategy goes beyond it, and reverberates in the TC's day by day.


Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2000). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bonadio, A. N., & Duailibi, L. B. (2012). Reabilitação vocacional. In: M. Ribeiro & R. Laranjeira (orgs.). O tratamento do usuário de crack. (pp. 447-458). 2ed. Porto Alegre: Artmed.

Bordin, S., Figlie, N. B., & Laranjeira, R. (2010). Como organizar uma história clínica. In: N. B. Figlie, S. Bordin & R. Laranjeira (orgs.). Aconselhamento em dependência química. (pp. 185-198). 2ed. São Paulo: Roca.

Bordin, S., Zilberman, M. L., Figlie, N. B., & Laranjeira, R. (2010). Dependência química na mulher. In: N. B. Figlie, S. Bordin & R. Laranjeira (orgs.). Aconselhamento em dependência química. (pp. 395-404). 2ed. São Paulo: Roca.

Brandão, M. S. (2009). Leve seu gerente ao cinema: filmes que ensinam. 2ed. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Brasil. Resolução RDC n° 29, de 30 de junho de 2011. Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes do uso, abuso ou dependência de substâncias psicoativas. Diário Oficial da União, 2011; 30 jun.

Brasiliano, S. (1997). Grupos com drogadictos. In: D. Zimerman & L. C. Osório (org.). Como trabalhamos com grupos. (pp. 229-239). Porto Alegre: Artes Médicas.

Cabrera, J. (2006). O cinema pensa: uma introdução à filosofia através dos filmes. Rio de Janeiro: Rocco.

Carbonera, A., Gonçalves-Silva, D., Nascimento-André, M. I. do, Silva, A, F., Maia, A. C. N., Severino, F. R. et al. (2010a). Relatório semestral de estágio básico em Psicologia. Centro de Ciências da Saúde. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí.

Carbonera, A., Gonçalves-Silva, D., Nascimento-André, M. I. do, & Legal, E. J. (2013). Dando voz a mulheres em tratamento da dependência de substâncias psicoativas. Revista de Psicologia da IMED, 5(2), 109-114. Recuperado em 10 de março de 2014: http://www.uniad.org.br/desenvolvimento/images/399-1481-1-PB.pdf.

Carlini, E. A., Galduróz, J. C. F., Noto, A. R., & Nappo, A. S. (2002). I levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país: 2001. São Paulo: SENAD.

Carlini, E. A., Galduróz, J. C. F., Silva, A. A. B., Noto, A. R.; Fonseca, A. M., Carlini, C. M. et al. (2006). II levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país: 2005. São Paulo: SENAD.

De Boni, R., & Kessler, F. (2008). Tratamento. Prevenção ao uso indevido de drogas: curso de capacitação para conselheiros municipais. (pp.150-163). Brasília: Presidência da República, Secretaria Nacional. Brasília.

Deleuze, G. A. (1990). A imagem-tempo: Cinema 2. São Paulo: Brasiliense.

Diehl, A., Cordeiro, D. C., & Laranjeira, R. (2011). Organização de serviços de tratamentos em dependência química. In: A. Diehl, D. C. Cordeiro & R. Laranjeira (orgs.). Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. (pp.507-517). Porto Alegre: Artmed.

Elbreder, M. F., Laranjeira, R., Siqueira, M. M. et al. (2008). Perfil de mulheres usuárias de álcool em ambulatório especializado em dependência química. Unidade de pesquisa em álcool e drogas (UNIAD), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). São Paulo.

Fracasso, L., & Landre, M. Comunidade Terapêutica. (2012). In: M. Ribeiro & R. Laranjeira (orgs.). O tratamento do usuário de crack. (pp. 503-513). 2ed. Porto Alegre: Artmed.

Gomes, K. V. A dependência química em mulheres: figurações de um sintoma partilhado. (2010). Dissertação de doutorado. Programa de Psicologia social, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo.

Gonçalves-Silva, D., Carbonera, A., Nascimento-André, M. I., Silva, A. F, Lançoni Jr, A. C., Lopes, P. H. et al. (2010b). Relatório semestral de estágio básico em Psicologia. Centro de Ciências da Saúde. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí.

Gonçalves-Silva, D., & Nascimento-André, M. I. (2012). Relatório semestral de estágio específico em Psicologia. Centro de Ciências da Saúde. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí.

Hochgraf, P. B., & Andrade, A. G. de. (2006). A questão do gênero nas farmacodependências. In: T. A. Cordás & F. T. Salzano (orgs.). Saúde mental da mulher. São Paulo: Atheneu.

Modro, N. R. (2006). Cineducação 2: usando o cinema na sala de aula. Joinville: UNIVILLE.

Modro, N. R. (2009). O mundo jurídico no cinema. Joinville: Nova Letra.

Mostafá, S. P., & Nova Cruz, D. V. Imagem-tempo: o livro-cristal de Gilles Deleuze. (2010). In: S. P. Mostafá & D. V. Nova Cruz. (orgs.). Deleuze vai ao cinema. (pp. 19-27). Campinas: Alínea.

Oliva, V. H. S., Filho, D. Z., & Neto, F. L. (2010). O retrato da psiquiatria pelos cinemas norte-americano e brasileiro. Revista Psiquiatria Clínica, 37(2), 89-95.

Oliveira, M. L. C., Oliveira, S. R. N. & Iguma, L. T. (2007). O processo de viver nos filmes: velhice, sexualidade e memória em Copacabana. Texto & Contexto Enfermagem, 16(1) 157-162.

Ribeiro, M., & Laranjeira, R. O plano de tratamento. (2012) In: M. Ribeiro & R. Laranjeira (orgs.). O tratamento do usuário de crack. (pp.183-210). 2ed. Porto Alegre: Artmed.

Romero, S. M. A utilização da metodologia dos grupos focais na pesquisa em Psicologia (2000). In: H. Scarparo (org.). Psicologia e pesquisa: perspectivas metodológicas. (pp.55-78). 2ed. Porto Alegre: Sulina.

Santa Catarina (2001). Secretaria de Estado da Saúde, Diretoria de Vigilância Sanitária. Manual de orientações sobre as normas sanitárias para comunidades terapêuticas. Santa Catarina. 43 p. (Manual GEFES).

Sawaia, B. B. (2003) Fome de felicidade e liberdade. In: B. B. Sawaia, F. Betto, F. L. H. Nilson, I. M. F. R. Guará, M. S. Rocha, M. S. Cortella et al. Muitos lugares para aprender. (54-63). São Paulo: CENPEC.

Scaduto, A. A., & Barbieri, (2009). V. O discurso sobre a adesão de adolescentes ao tratamento da dependência química em uma instituição de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, 14(2), 605-614.

Silva, D. P. G., Pacheco, S. L. & Padin, M. F. R. (2012). Entrevista motivacional. In: M. Ribeiro, R. Laranjeira (orgs.). O tratamento do usuário de crack. (pp. 351-365). 2ed. Porto Alegre: Artmed.

Trad, L. A. B.(2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis [periódico na internet]. 2009. Recuperado em 24 maio de 2012, 19(3): 777-796. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312009000300013

Wolle, C. C., & Zilberman, M. L. (2011). Mulheres. In: A. Diehl, D. C. Cordeiro & R. Laranjeira (orgs.). Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. (pp. 375-382). Porto Alegre: Artmed.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v6n2p89-97

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png