Social Psychology and Human Rights: the intervention of psychology in the face of military dictatorship and current manifestations in Brazil

Daniele Andrade Ferrazza, Juliana Camargo Costa, Patrícia Alves Oliveira

Resumo


This work aims to analyze the acting and positioning of psychology professionals in respect to social movements both during periods of repression of the military dictatorship as in the recent Brazilian manifestations that accompanied the movement of "Free Pass". For this study the area of Social Psychology, was used as a methodological procedure bibliographic research literature and current news reports on the subject. We conclude that although there are opportunities to participate in psychology spaces, complaint against the violation of human rights and debates for materialisation of rights and citizenship conquest, as in current manifestations, and also there is difficulty filling those spaces marked by many professionals for corporate trend would be accommodated in their own professional status only standying up to confrontation exercising to ensure the stability and consolidation of the social image of profession.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Bruschi, M. E.; Guareschi, N. M. F. (2013). Psicologia social nos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.

Camino, L. (2000). Psicologia e Direitos Humanos: subjetividade e exclusão. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Carvalho, J. M. (2005). Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: civilização brasileira.

Coimbra, C; Nascimento, M.L. (2012). Movimentos sociais e sociedade de controle. In: Tedesco, S.; Nascimento, M.L. Ética e subjetividade: novos impasses no contemporâneo. Sulina.

Coimbra, C. M. B. (2011). Práticas psi no Brasil do “milagre”: algumas de suas produções. In: Jacó-Vilela, A. M.; Jabour, F.; Rodrigues, H. B. C. Clio-psyché: história da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ.

Dimenstein, M. (2000). A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de Psicologia, 5(1), 95-121.

Fernandes, M. V. T. (2012). O compromisso da Psicologia com os Direitos Humanos. Curso de Psicologia do UniCEUB - Centro Universitário de Brasília.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo-SP: Atlas.

Gomes, M.A. & Maheiriei, K. (2011). Passe livre já: participação política e constituição do sujeito. Revista Psicologia Política, 11(22), 359-375, jul./dez., São Paulo.

Gonçalves, M.G. (2010). Psicologia, subjetividade e políticas públicas. São Paulo: Cortez.

Grupo tortura nunca mais. Quem somos. Disponível em: http://www.torturanuncamaisrj.org.br/Conteudos.asp?REfresh=2009120604212629581429&Pagina=QuemSomos&Titulo=Quem%20Somos. Acesso em: 11 de Jul. de 2013.

Hur, D. U. (2013). Esquizoanálise e política: proposições para a Psicologia Crítica no Brasil. Teoría y crítica de la psicología 3, 264-280. [citado em 19 de maio de 2014]. Disponível em: http://teocripsi.com/documents/3HUR.pdf.

Jesus, J. G. (2013). Psicologia das massas: contexto e desafios brasileiros. Psicologia & Sociedade, 25(3), 493-503.

Lacerda Jr., F. (2013). Capitalismo dependente e a psicologia no Brasil: das alternativas à psicologia crítica. Revista Teoria y crítica de la psicologia (Online), 3, 216-263.

Machado, P. F. & Scarparo, H. B. K. (2008). Golpe militar: A psicologia e o movimento estudantil do Rio Grande do Sul. In: X Salão de Iniciação Científica, PUCRS, pp. 1919- 1923.

Mayer, B. S., & Lion, V. (2010). O tecido e o tear: a psicologia e sua interface com os direitos humanos. In: Pompeu, F. Cartilha CFP- SP. São Paulo: IBEAC.

Mayorga, C., Rasera, E.& Kind, L. (2013). Editorial. Revista Psicologia & Sociedade. 25 (2), 254-255, Belo Horizonte.

Monteiro, A. Coimbra, C. & Mendonça Filho, M. (2006). Estado democrático de direito e políticas públicas: estatal é necessariamente público? Revista Psicologia & Sociedade, 18(2), 7-12, mai./ago, Belo Horizonte.

Olivieri, A. C. (2006). Presos políticos: golpe e repressão no Brasil, na Argentina e no Chile. (17 ago.). Pedagogia & Comunicação. Disponível em: http://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/presos-politicos-golpe-e-repressao-no-brasil-na-argentina-e-no-chile.htm.

Pelbart, P. P. (2013). “Anota aí: eu sou ninguém”. Jornal Folha de São Paulo, 19 de jun., [citado em 15 de agosto de 2013] Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/119566-quotanota-ai-eu-sou-ninguemquot.shtml.

Pelegrini, T. (2014). Relíquias da casa velha: literatura e ditadura militar, 50 anos depois. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. 43, jan./jun., 151-178. [citado em 19 de maio de 2014]. Disponível em: http://periodicos.bce.unb.br/index.php/estudos/article/view/10766/7775.

Peruzzo, C.K. (2013). Movimentos sociais, redes virtuais e mídia alternativa no junho em que “o gigante acordou”(?). Revista Matrizes, 7(2), jul/dez., 73-93. [citado em 04 de fevereiro de 2014]. Disponível em: http://www.matrizes.usp.br/index.php/matrizes/article/view/487.

Rosato, C.M. (2011). Psicologia e Direitos Humanos: cursos e percursos comuns. Psicologia em Revista, 20(1), 11-27.

Sader, E. (1995). Quando novos personagens entraram em cena: experiências falas e lutas dos trabalhadores na Grande São Paulo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Sobrosa, G. M. R.; Zappe, J. G.; Patias, N. D.; Fiorin, P. C.; Dias, A. C. G. (2014). O Desenvolvimento da Psicologia da Saúde a partir da construção da Saúde Pública no Brasil. Revista de Psicologia da IMED, 6(1), 4-9. [citado em 01 de abril de 2014]. Disponível em: http://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/article/view/326/399.

Viola S. E. , & Pires, T. V. (2012). A memória de um período e a verdade da história. Revista Ciências Sociais Unisinos, 48(2), mai./ago., 93-102. [citado em 15 de outubro de 2013]. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/csu.2012.48.2.03.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v6n2p70-80

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png