O prazer como alívio do sofrimento: a via da droga ou a saída pela razão?

Carlos Eduardo Firmino, Isabela Saraiva de Queiroz

Resumo


O uso da maconha é frequentemente visto como um recurso que proporciona ao indivíduo um modo de obtenção de prazer. Prazer este que também pode ser compreendido como algo que propicia ao sujeito certo alívio no lidar com as mazelas da existência e dos conflitos que a constituem. Nesta perspectiva, a maconha seria a partir de uma leitura freudiana, um veículo que produz certo refúgio, tornando-se um paliativo, prestador de um bom serviço no que diz respeito à procura da felicidade. A proposta deste ensaio é discutir tal serviço prestado, refletindo sobre a sua validade e eficácia. Ao final, o uso da razão, do exercício da reflexão, será apontado como uma alternativa à via da intoxicação na difícil busca de um viver melhor.

Palavras-chave


Maconha; prazer; sofrimento; razão; felicidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n2p253-259

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png