Autolesão não Suicida na Adolescência e a Atuação do Psicólogo Escolar: Uma Revisão Narrativa

Izabella Mendes Sant'Ana

Resumo


A autolesão não suicida na adolescência tem recebido atenção de pesquisadores em virtude do aumento de casos relatados nas escolas e mídias sociais, porém, o tema ainda é pouco focalizado na produção científica em Psicologia Escolar. Este artigo configura-se como uma revisão narrativa que visa abordar as possibilidades da atuação do psicólogo escolar frente à temática, buscando também contribuir para o conhecimento nessa área a partir da perspectiva crítica. Inicialmente, abordamos alguns aspectos acerca da autolesão não suicida na adolescência presentes na literatura e sua relação com o campo da Psicologia Escolar. Em seguida, apresentamos uma breve contextualização da referida área e a perspectiva crítica de atuação do psicólogo escolar. Os estudos apontam várias possibilidades de ação do psicólogo relativas ao comportamento autolesivo não suicida no contexto educativo, abrangendo ações dirigidas a alunos, famílias e educadores. Discute-se que a autolesão em adolescentes precisa ser compreendida como sendo configurada a partir dos condicionantes histórico-sociais que permeiam a experiência do que é ser adolescente na sociedade atual e torna-se importante que o psicólogo escolar atue considerando as conjunturas presentes na atualidade e que sua ação se volte para finalidades transformadoras.


Palavras-chave


autolesão; adolescência; atuação; psicologia; educação

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Almeida, R., Crispim, M. S., & Peixoto, S. (2018). A prática da automutilação na adolescência: o olhar da psicologia escolar/educacional. Ciências Humanas e Sociais, 4(3), 147-160.

American Psychiatric Association (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais -DSM-5 (5a. ed.; M. I. Nascimento et al. Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Bisinoto, C., & Marinho-Araujo, C. M. (2014). Serviços de psicologia escolar na educação superior: uma proposta de intervenção. In R. S. L. Guzzo (Ed.). Psicologia escolar: desafios e bastidores na educação pública (pp. 277-296). Campinas, SP: Alínea.

Bisinoto, C. (2016). Psicologia escolar e medidas socioeducativas: interlocuções iniciais. In M. V. Dazzani, M. V. & V. L. T. Souza (Eds.). Psicologia escolar crítica: teoria e prática nos contextos educacionais (pp. 221-241). Campinas, SP: Alínea.

Brasil. (1990). Lei 8.069: Dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente e dá outras providências. Retrieved from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm

Braz-Aquino, F., & Gomes, A. (2016). Estágio em Psicologia escolar: apontamentos sobre a formação e atuação profissional. In M. V. Dazzani, M. V. & V. L. T. Souza (Eds.). Psicologia escolar crítica: teoria e prática nos contextos educacionais (pp. 141-157). Campinas, SP: Alínea.

Brown, R. C., Fischer, T., Goldwich, A. D., & Keller, F. (2017). Cutting: Non-suicidal self-injury (NSSI) on Instagram. Psychological Medicine, 48(2), 337-346. doi: https://doi.org/10.1017/S0033291717001751

Campos, H. (2007). Psicologia escolar: realidades e perspectivas. Campinas: Alínea.

Chagas-Ferreira, J. F. (2014). Cybercultura e nativos digitais: desafios para a atuação do psicólogo escolar. In R. S. L. Guzzo, R. S. L. (Ed.). Psicologia escolar: desafios e bastidores na escola pública (pp.241-259). Campinas, SP: Alínea.

Checchia, A. K. (2010). Adolescência e escolarização numa perspectiva crítica em psicologia escolar. Campinas, SP: Alínea.

Cipriano, A. Cella, S. & Cotrufo, P. (2017). Nonsuicidal self-injury: a systematic review. Frontiers in Psychology, 8, 1946-1958. doi: https://doi.org/10.3389/fpsyg.2017.01946

Conselho Federal de Psicologia (2005). Resolução CFP Nº 010/05. Aprova o Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília.

Dazzani, M. V & Souza, V. L. T. (2016). Psicologia escolar crítica: teoria e prática nos contextos educacionais. Campinas, SP: Alínea.

DeAngelis, T. (2015a). A new look at self-injury. American Psychological Association, 46(7), 58. Retrieved from: https://www.apa.org/monitor/2015/07-08/self-injury.aspx

DeAngelis, T. (2015b). Who self-injures? American Psychological Association, 46(7), 60. Retrieved from: https://www.apa.org/monitor/2015/07-08/who-self-injures.aspx

Del Prette, Z. A. (1999). Psicologia, educação e LDB: novos desafios para velhas questões? In R. Guzzo (Ed.). Psicologia escolar: LDB e educação hoje (pp.11-34). Campinas: Alínea.

Fleith, D. S. (2011). A política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva: desafios para o psicólogo escolar. In R. S. L. Guzzo & C. M. Marinho-Araujo (Eds.). Psicologia escolar: identificando e superando barreiras (pp. 33-46). Campinas, SP: Alínea.

Freitas, E. Q., & Souza, R. (2017). Automutilação na adolescência: prevenção e intervenção em psicologia escolar. Revista Ciência (In)Cena, 1(5), 158-174. Retrieved from: http://periodicos.estacio.br/index.php/cienciaincenabahia/article/view/4356

Guzzo, R. S. L. (1999). Novo paradigma para a formação e atuação do psicólogo escolar no cenário educacional brasileiro. In R.S. L. Guzzo (Ed.). Psicologia escolar: LDB e educação hoje (pp.131-144). Campinas, SP: Alínea.

Guzzo, R. S. (2005). Escola amordaçada: compromisso do psicólogo com esse contexto. In A. Martinez (Ed.) Psicologia escolar e compromisso social. (pp. 17-29). Campinas, SP: Alínea.

Guzzo, R. S. L., Martínez, A. M., & Campos, H. R. (2007). School psychology in Brazil. In S. Jimerson, T. Oakland & P. Farrell (Eds.). The handbook of international school psychology (pp. 29-37). London: Sage.

Guzzo, R. S. L., & Marinho-Araujo, C. M. (2011). Psicologia escolar: identificando e superando barreiras. Campinas, SP: Alínea.

Guzzo, R. S. L., Moreira, A. P., & Mezzalira, A. C. (2011). Avaliação psicossocial: desafios para a prática profissional nos contextos educativos. Avaliação Psicológica, 10(2), 163-171. Retrieved from: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712011000200007

Guzzo, R. S. L., & Mezzalira, A. C. (2011). 2008- Ano da educação para os psicólogos: encaminhamentos e próximos passos. In R. S. L. Guzzo & C. M. Marinho-Araujo (Eds.). Psicologia escolar: identificando e superando barreiras (pp. 11-31). Campinas, SP: Alínea.

Guzzo, R. S. L (2014). Psicologia escolar: desafios e bastidores na educação pública. Campinas, SP: Alínea.

Harrington, R. (2001). Depression, suicide and deliberate self-harm in adolescence. British Medical Bulletin, 57(1), 47-60, doi: https://doi.org/10.1093/bmb/57.1.47

Kanan, L. M., Finger J., & Plog, A. E. (2008). Self-Injury and Youth: Best Practices for School Intervention. 2(2), 67-79. School Psychology Forum: research in practice. Retrieved from: http://www.drjilljenkins.com/wp-content/uploads/2011/11/Self-Injury-and-Youth-Best-Practices-for-School-Intervention.pdf

Lieberman, R. (2004). Understanding and responding to students who self-mutilate. Principal Leadership Magazine, 4(7). Retrieved from: http://www.nasponline.org/resources/principals/nassp_cutting.aspx

Lopes, L. (2017). A escola como cenário de narrativas da adolescência: escuta analítica de adolescentes que praticam automutilação (Dissertação de Mestrado, Universidade de Fortaleza, Fortaleza, Brasil). Retrieved from: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5312839

Lloyd-Richardson, E., Lewis, S., Whitlock, J., Rodham, K., & Schatten, H. (2015). Research with adolescents who engage in non-suicidal self-injury: ethical considerations and challenges. Child and Adolescent Psychiatry and Mental Health, 9(37), 1-14. doi: https://doi.org/10.1186/s13034-015-0071-6

Lukomski, J., & Folmer, T. (2004). Self-mutilation: information and guidance for school personnel. Principal Leadership Magazine, 4(7). Retrieved from: www.nasponline.org/assets/documents/Resources

Lukomski, J., & Folmer, T. (2007). Self-mutilation: Information and guidance for schools. Guidance Channel Ezine. Retrieved from: http://www.guidancechannel.com/default.aspx?index=1328&cat=13

Maluf, M. R. (1994). Formação e atuação do psicólogo na educação: dinâmica de transformação. In R. Achcar (Ed.). Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios para a formação (pp. 245-272). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Marinho-Araujo, C. M., & Almeida, S. (2005). Psicologia escolar institucional: construção e consolidação da identidade profissional. Campinas, SP: Alínea.

Marinho-Araujo, C. M. (2009). Psicologia escolar: novos cenários e contextos de pesquisa, formação e prática. Campinas, SP: Alínea

Marinho-Araujo, C. M. (2010). Psicologia escolar: pesquisa e intervenção. Em aberto, 23(83), 17-35. doi: https://doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.23i83525p

Martínez, A. M. (2003). O psicólogo na construção pedagógica da escola: áreas de atuação e desafios para a formação. In S. Almeida (Org.) Psicologia escolar: ética e competências na formação e atuação profissional (pp. 105-124). Campinas: Alínea.

Martínez, A. M. (2005). Psicologia escolar e compromisso social. Campinas, SP: Alínea

Martínez, A. M. (2007). O psicólogo escolar e os processos de implantação de políticas públicas: atuação e formação. In H. Campos (Ed.). Psicologia escolar: realidades e perspectivas (pp. 109-133). Campinas, SP: Alínea.

Matos, A. S., Santos, J. V., & Dazzani, M. V. (2016). O psicólogo na educação superior: promovendo um olhar ampliado sobre assistência estudantil. In M. V. Dazzani & V. L T Souza (Eds.). Psicologia escolar crítica: teoria e prática nos contextos educacionais (pp.115-125). Campinas, SP: Alínea.

Meira, M. E. (2000). Psicologia escolar: pensamento crítico e práticas profissionais. In E. Tanamachi; M. Proença & M. Rocha (Eds.). Psicologia e Educação: desafios teórico-práticos (pp. 35-71). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Meira, M., & Antunes, M. (2003). Psicologia escolar: práticas críticas. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Muehlenkamp, J., Claes, L., Havertape, L., & Plener, P. L. (2012). International prevalence of adolescent non-suicidal self-injury and deliberate self-harm. Child and Adolescent Psychiatry and Mental Health, 6(10), 2-9. doi: https://doi.org/10.1186/1753-2000-6-10

Nock, M. K., & Prinstein, M. J. (2004). A functional approach to the assessment of self-mutilative behavior. Journal of Counseling and Clinical Psychology, 72, 885-890. doi: https://doi.org/10.1037/0022-006X.72.5.885

Ozella, S. (2002). Adolescência: uma perspectiva crítica. In M. L. Contini; S. Koller & M. Barros (Eds). Adolescência e Psicologia: Concepções, práticas e reflexões críticas. Brasília, DF: CFP & Ministério da Saúde.

Organização Mundial da Saúde. (2008). CID-10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10ed. Retrieved from: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/cid10.htm.

Patto, M. H. (1990). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo, SP: T. A. Queiroz

Sant’Ana, I. M., Costa. A. S., & Guzzo, R. S. L. (2008). Escola e vida: compreendendo uma realidade de conflitos e contradições. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2(2), 302-311. Retrieved from: http://seer.ufsj.edu.br/index.php/revista_ppp/article/view/508/472

Sant’Ana, I. M., Euzebios Filho, A., & Guzzo, R. S. L. (2010). O psicólogo escolar no ensino fundamental: referência para uma intervenção preventiva. Extensão em foco, 5, 111-120, doi: https://doi.org/10.5380/ef.v0i5.24964

Schermack, L. V., & Sant’Ana, I. M. (2016). A política de recuperação no estado de São Paulo: ações e desafios para o psicólogo escolar. In M. V. Dazzani, M. V. & V. L. T. Souza (Eds.). Psicologia escolar crítica: teoria e prática nos contextos educacionais (pp. 243-257). Campinas, SP: Alínea.

Schmidt, J. P. (2001). Juventude e política no Brasil: a socialização política dos jovens na virada do milênio. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC.

Silva, E. L. (2017). Você é muito nova pra brincar de morrer... ou uma etnografia com jovens e adolescentes que praticam a automutilação (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil). Retrieved from: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5138051

Souza, V. L. T. (2016). Arte, imaginação e desenvolvimento humano: aportes à atuação do psicólogo na escola. In M. V. Dazzani, M. V. & V. L. T. Souza (Eds.). Psicologia escolar crítica: teoria e prática nos contextos educacionais (pp. 77-93). Campinas, SP: Alínea.

Sousa, V, L. T., Aquino, B.F., Guzzo, R. S. L., & Marinho-Araujo, C. (2018). Psicologia escolar crítica: atuações emancipatórias nas escolas públicas. Campinas, SP: Alínea.

Tanamachi, E., Proença, M., & Rocha, M. (2000). Psicologia e Educação: desafios teórico-práticos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Vigostki, L. S. (2005). Pensamento e linguagem (3a. ed.; J.L. Camargo Trad.). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Weber, M. A., & Guzzo, R. S. L. (2011). Violação dos direitos das crianças na educação infantil. In R. S. L. Guzzo & C. M. Marinho-Araujo (Eds.). Psicologia escolar: identificando e superando barreiras (pp. 231-244). Campinas, SP: Alínea.

Wester, K. L., & Trepal, H. C. (2005). Working with clients who self-injure: Providing alternatives. Journal of College Counseling, 8, 180-198. doi: https://doi.org/10.1002/j.2161-1882.2005.tb00085.x

Yates, T. M. (2004). The developmental psychopathology of self-injurious behavior: Compensatory regulation in posttraumatic adaptation. Clinical Psychology Review, 24, 35–74. doi: https://doi.org/10.1016/j.cpr.2003.10.001




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i1.3066

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Izabella Mendes SantAna

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png