Atuação do Psicólogo Escolar Crítico Frente às Queixas Escolares: As Assembleias Escolares

Patricia Carla Silva do Vale Zucoloto, Laís Nunes Souto, Dionis Soares de Souza, Kalena Ellen dos Santos Ferraz, Gilberto Santos Lima, Maria Virgínia Machado Dazzani

Resumo


O presente artigo relata uma experiência de atuação em psicologia escolar. Desde 1980, a psicologia escolar critica a psicologia tradicional, através de pesquisas que contestam a explicação patologizante do fracasso escolar, gerando modificações na atuação de muitos psicólogos. Práticas psicológicas como a psicoterapia clínica em ambiente escolar são substituídas por práticas discursivas promotoras de diálogo. Com o objetivo de estabelecer a democracia escolar e o protagonismo das crianças na transformação das relações interpessoais, as assembleias escolares se revelam como potencial instrumento socioeducativo. Realizamos uma intervenção numa escola pública de ensino fundamental, em Salvador - BA, com uma turma do 5º ano, a partir de queixas de indisciplina. Foram realizados cinco encontros semanais com a turma: um de preparação, dois de assembleia, um de fechamento e outro de festa de encerramento. Reuniões com membros da equipe escolar precederam o primeiro encontro e sucederam o último. Pudemos perceber o quanto é importante para os alunos serem escutados e reconhecidos como sujeitos, acolhidos em suas opiniões nem sempre “politicamente corretas”. Este trabalho está em processo. Nas próximas etapas, os psicólogos problematizarão com a equipe escolar o que se entende por indisciplina, quando esta acontece e quais são as práticas que a produzem.



Palavras-chave


Psicologia educacional; queixas escolares; assembleias escolares

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Araújo, U. (2004). Assembleia escolar: um caminho para a resolução de conflitos. São Paulo/SP: Moderna.

Castro, L. R. de, Moura, C. B., Vieira, I. K., & Lara, J. S. de. (2018). Falas, afetos, sons e ruídos: as crianças e suas formas de habitar e participar do espaço escolar. Revista Eletrônica de Educação, 12(11), 151-168. doi: https://doi.org/10.14244/198271992019

Eidt, N. M. (2009). A educação escolar e a relação entre o desenvolvimento do pensamento e a apropriação da cultura: a psicologia de A. N. Leontiev como referência nuclear de análise. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista, Araraquara. Recuperado em: http://hdl.handle.net/11449/101573

Freitas, M. do C. S. de, Minayo, M. C. de S., Ramos, L. B., Fontes, G. V., Santos, L. A., Souza, E. C. de, Menezes, I. (2013). Escola: lugar de estudar e de comer. Ciência & Saúde Coletiva, 18(4), 979-985. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000400010

Gaitas, S., & Morgado, J. (2010). Educação, diferença e psicologia. Lisboa: Editora Análise Psicológica.

Goldenstein, M. S. (1986). A exclusão da escola de 1º grau: a perspectiva dos excluídos. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, Projeto Educação e Desenvolvimento.

Lima, J. dos S., & Santos, G. L. dos. (2018). Valores, educação infantil e desenvolvimento moral: concepções dos professores. Educação & Formação, 3(8), 153-170. doi: https://doi.org/10.25053/redufor.v3i8.275

Machado, A. M. (1996). Reinventando a avaliação psicológica (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/101573

Mesquita, A. M. (2010). Os conceitos de atividade e necessidade para a Escola Nova e suas implicações para a formação de professores. São Paulo: Editora UNESP.

Moysés, M. A. A. (2001). A institucionalização invisível: crianças que não-aprendem-na-escola. São Paulo: Editora FAPESB.

Müller, F. (2008). Socialização na escola: transições, aprendizagem e amizade na visão das crianças. Educar, 32, 123-141. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-40602008000200010

Patto, M. H. S. (2015). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia (4ª ed.). São Paulo: Intermeios. (Trabalho original publicado em 1990).

Patto, M. H. S. (1984). Psicologia e ideologia: uma introdução crítica à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz.

Puig, J. (2000). Democracia e participação escolar. São Paulo: Moderna.

Ramos, A. M., & Vinha, T. P. (2014). Relações interpessoais em classes ‘difíceis’ e ‘não difíceis’ do Ensino Fundamental II. International Journal of Developmental and Educational Psychology: Revista de Psicologia, 6(1), 39-46. doi: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v6.715

Schinitman, D. (2000). Novos paradigmas na resolução de conflitos. Porto Alegre: Artes Médicas.

Silva, C. A. D., Barros, F., Halpern, S., & Silva, L. A. D. (2003). De como

a escola participa da exclusão social: Trajetória de reprovação das crianças negras. Campinas, SP: Editora Papirus.

Souza, M. P. R. (2000). A queixa escolar na formação de psicólogos. In Tanamachi, E., Proença, M. & Rocha, M. (Orgs.). Psicologia e Educação: desafios teórico-práticos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Vidigal, S. M. P., & Oliveira, A. T. (2013). Resolução de conflitos: um desafio para o educador. Nuances: estudos sobre educação, 24(3), 2015-234. doi: https://doi.org/10.14572/nuances.v24i3.2707

Vinha, T. P., & Tognetta, L. R. P. (2009). Construindo a autonomia moral na escola: os conflitos interpessoais e a aprendizagem dos valores. Revista Diálogo Educacional, 9(28). doi: https://doi.org/10.7213/rde.v9i28.3316




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i1.3039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Patricia Carla Silva do Vale Zucoloto, Laís Nunes Souto, Dionis Soares de Souza, Kalena Ellen dos Santos Ferraz, Gilberto Santos Lima, Maria Virgínia Machado Dazzani

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png