Tornando-se Negro: Tensões Subjetivas e Culturais na Experiência Identitária de ser um Estudante Universitário Negro

Adrielle de Matos Borges Teixeira, Maria Virginia Machado Dazzani

Resumo


O presente artigo objetiva analisar a constituição de uma identidade racial a partir das vivências dos estudantes negros durante suas trajetórias universitárias A relação entre as experiências vividas na universidade e a emergência de uma consciência racial será, portanto, objeto central da discussão. Para isto, foi realizado um estudo de caso com um estudante de Psicologia, 22 anos, autodeclarado preto, matriculado em uma instituição de ensino superior de Salvador/BA. O participante deste estudo assumia, no início de sua trajetória universitária, uma posição de Eu-estudante cético. O contato com novos conhecimentos e pessoas alargaram seus horizontes e o faz começar a questionar o que ouve, as frases que lhes são ditas, a forma como as pessoas agem em relação às pessoas negras. Surge, então, uma posição Eu–estudante crítico. Entretanto, essas duas posições são conflitantes e ambivalentes. Diante disto, ele encontrou uma terceira posição para lidar com aquelas posições conflitantes que assumia: Eu-estudante negro. Compreender-se como negro, para ele, emergia como um resultado de um olhar mais crítico sobre a estrutura racista que compõe todo o tecido social e, ao mesmo tempo, a auto-aceitação de quem se é. A análise da narrativa do estudante, a partir da Teoria do Self Dialógico, permitiu ressaltar a necessidade premente de considerar as especificidades vivenciadas pelas pessoas negras durante suas trajetórias universitárias.


Palavras-chave


Universidade; Negro; Psicologia

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Bastos, A., & Rucker, G. (2017). Living against e persistence of being: poetic sharing of being sensitive within antagonistic worlds. In O. Lehman, N. Chaudary, A. Bastos & E. Abbey (Eds.), Poetry and imagined worlds (1st ed., pp. 99-119). Switzerland: Palgrave Macmillan.

Camarano, A. (2006). Transição para vida adulta ou vida adulta em transição? Rio de Janeiro: IPEA. Retrieved from http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5504&catid=302

Hermans, H., & Geiser, T. (2012). Introduction. In H. Hermans & T. Geiser (Eds.), Handbook of Dialogical Self Theory (1st ed., pp. 25-28). New York: Cambridge University Press.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2003). Entrevista narrativa. In M. Bauer & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (7a ed., pp. 90-113). Petrópolis, RJ: Vozes.

Leite, R. (2016). A formação de si (Bildung) do estudante universitário (Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil). Retrieved from https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/24063

Pais, J. M. (2009). Transitions and youth cultures: forms and performances. International Social Science Journal, 52 (164), p. 219-232. doi: https://doi.org/10.1111/1468-2451.00253

Papalia, D., Olds, S., & Feldman, R. (2010). Desenvolvimento Humano (12a ed.). Porto Alegre: ArtMed.

Pappámikail, L. (2010). Juventude(s), autonomia e Sociologia: questionando conceitos a partir do debate acerca das transições para a vida adulta. Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, 20, 359-410. Retrieved from http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/8809.pdf

Pappámikail, L. (2011). A adolescência enquanto objecto sociológico: notas sobre um resgate. In J. Pais, R. Bendit & V. Ferreira (Eds.), Jovens e rumos (1a ed., pp. 1-1). Lisboa: ICS.

Peres, R., & Santos, M. (2005). Considerações gerais e orientações práticas acerca do emprego de estudos de caso nas pesquisas científicas em Psicologia. Interações, 10(20), 109-126. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-29072005000200008

Schucman, L. (2014). Sim, nós somos racistas: estudo psicossocial da branquitude paulistana. Psicologia & Sociedade, 26(1), 83-94. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100010

Souza, N. S. S. (1983). Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social (1a ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Surgan, S., & Abbey, E. (2012). Identity construction among transnational migrants: a dialogical analysis of the interplay between personal, social and societal levels. In H. Hermans & T. Geiser (Eds.), Handbook of Dialogical Self Theory (1st ed., pp. 151-168). New York: Cambridge University Press.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zittoun, T. (2004). Symbolic competencies for developmental transitions: The case of the choice of first names. Culture & Psychology, 10(2), 131-161. doi: https://doi.org/10.1177/1354067X04040926

Zittoun, T. (2007). Symbolic resouces and responsability in transitions. Young, 15, issue 2, 193 -211. doi: https://doi.org/10.1177/110330880701500205

Zittoun, T. (2015). Imagining one’s life: imagination, transitions and developmental trajectories. In S. Gondim & I. Bichara (Eds.) A Psicologia e os Desafios do Mundo Contemporâneo: livro de conferências (1a ed., pp. 127-153). Salvador: EDUFBA.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i1.3028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Maria Virginia Machado Dazzani

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png