Psicologia Escolar como Ferramenta de Democratização da Educação: Um Relato de Experiência

Augusto Calixto, Aline Beckmann Menezes, Paulo Goulart

Resumo


A Psicologia Escolar/Educacional pode contribuir de forma significativa com a aproximação entre as pesquisas desenvolvidas em âmbito universitário e os ambientes de educação básica. Uma perspectiva contextualizada e histórica de educação é relevante para a inserção e a realização de práticas eficientes nos ambientes escolares. Nesse sentido, o atual trabalho tem como objetivo geral relatar a experiência de desenvolvimento do projeto de extensão “Psicologia Escolar como Ferramenta de Democratização da Educação” em uma escola da rede estadual de ensino da região metropolitana de Belém. São descritos o processo de inserção do projeto na escola e os instrumentos utilizados para tal. Com o corpo docente promoveu-se palestras e discussões em grupo voltadas à formação continuada. Com o corpo discente realizou-se atividades de visita ao campus universitário, criação do grêmio estudantil e escutas individualizadas. Com a coordenação da escola realizou-se reuniões estratégicas voltadas à articulação da escola com suas redes de apoio. Foi possível observar demandas relacionadas à saúde emocional de docentes, relação professor-aluno e adoecimento entre alunos por conta da ausência de uma rede de apoio e a necessidade de acompanhamento mais sistemático para ações futuras. Espera-se contribuir com o desenvolvimento de práticas democráticas de inserção da Psicologia na escola.


Palavras-chave


Educação; Psicologia Educacional; democracia

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Alber, S. R., & Heward, W. L. (1996). “GOTCHA!” Twenty-five behavior traps guaranteed to extend your students’ academic and social skills. Intervention in School and Clinic, 31(5), 285-289. doi: https://doi.org/10.1177/105345129603100505

Andrada, E. G. C. (2003). Família, escola e a dificuldade de aprendizagem: intervindo sistemicamente. Psicologia Escolar e Educacional, 7(2). Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572003000200007

Braz-Aquino, F. S., & Rodrigues, L. F. (2016). Estágio supervisionada em Psicologia Escolar: intervenções com seguimentos da comunidade escolar. In M. N. Viana e R. Francischini (Orgs.), Psicologia Escolar: Que fazer é esse?(pp. 188-205). Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Carlotto, M. S., & Pizzinato, A. (2013). Avaliação e interpretação do mal-estar docente: um estudo qualitativo sobre a síndrome de burnout. Revista mal-estar e Subjetividade, 8(1-2). Recuperado de: http://www.redalyc.org/html/271/27131673008/

Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (1996). Habilidades envolvidas na atuação do psicólogo escolar/educacional. In S. Weschler (Org.), Psicologia: Pesquisa, Formação e Prática (pp 139-156). Campinas: Alínea.

De Rose, T. M. S., Afonso, M. L., Bondioli, R. M., & Gonçalves, E. G. (2016). Práticas educativas inovadoras na formação do psicólogo escolar: uma experiência com aprendizagem cooperativa. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 304-316. doi: https://doi.org/10.1590/1982-3703000212014

Freire, P. (2014). Ensinar exige respeito à autonomia do ser do educando. In P. Freire (Autor), Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa (58-60). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Flores, E. (2017). Análise do Comportamento: Contribuições para a Psicologia Escolar. Revista brasileira de Terapia Cognitiva e Comportamental, 19(1), 115-127. Recuperado de: http://www.usp.br/rbtcc/index.php/RBTCC/article/view/955

Guzzo, R., Mezzalira, A., Moreira, A., Tizzei, R., & Silva Neto, W. (2010). Psicologia e educação no brasil: uma visão da história e possibilidades nessa relação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26, 131-141. Recuperado de: https://revistaptp.unb.br/index.php/ptp/article/view/475

Henklain, M. H. O., & Carmo, J. S. (2013). Contribuições da Análise do Comportamento à educação: um convite ao diálogo. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 704-723. Recuperado de: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/2672

Martinez, A. M. (2010). O que pode fazer o psicólogo na escola? Em Aberto, 23(83), 39-56. Recuperado de: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2250/2217

Patto, M. H. S. (1981). Introdução à Psicologia Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pereira-Silva, N. L., Andrade, J. F. C. M., Crolman, S. R., & Mejía, C. F. (2017). O papel do psicólogo escolar: Concepções de professores e gestores. Psicologia Escolar e Educacional, 21(3), 407-415. doi: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2017/021311165

Skinner, B. F. (1972). Tecnologia de Ensino. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo.

Silveira, C. C., & Souza, E. T. (2017). O fazer do psicólogo escolar: algumas contribuições para a qualidade do processo ensino-aprendizagem. In F. Negreiros e M. P. R. Proença. Práticas em Psicologia Escolar: do ensino técnico ao superior, (pp 99-113). Teresina: Edufpi.

Viana, M. N. (2016). Interfaces entre a Psicologia e a Educação: Reflexões sobre a atuação em Psicologia Escolar. In M. N. Viana e R. Francischini (Orgs.), Psicologia Escolar: Que fazer é esse? (pp. 54-73). Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i1.3014

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Augusto Calixto, Aline Beckmann Menezes, Paulo Goulart

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png