Psicologia Escolar em ONGs: Estudo Sobre o Perfil de Educadoras Sociais

Pollianna Galvão, Claisy Maria Marinho-Araujo

Resumo


As organizações não governamentais (ONGs) educacionais são consideradas espaços emergentes de atuação e pesquisa em Psicologia Escolar no Brasil. A profissão do educador social comparece nesse cenário ainda com um perfil pouco definido sobre educação voltada às camadas populares. Esta pesquisa investigou o perfil de 15 educadoras sociais, visando conhecer as possibilidades de mediação do psicólogo escolar para colaborar com o desenvolvimento de competências dessa profissão. A psicologia histórico-cultural e a abordagem por competências constituíram o fundamento teórico-metodológico central do estudo. De caráter qualitativo, o estudo foi desenvolvido em duas etapas: (1) mapeamento institucional, por meio de análise documental e observação das reuniões institucionais; e (2) memorial da trajetória escolar e profissional das educadoras. Os resultados revelaram que a instituição passava por mudanças nas diretrizes institucionais, demandando redefinição do perfil das educadoras. Contudo, as intervenções realizadas pelos gestores para a formação das competências esperadas não consideravam aspectos psicológicos relativos ao desenvolvimento adulto. As informações indicaram um contexto fértil à contribuição da Psicologia Escolar nas seguintes direções: concepções de desenvolvimento sobre a formação das classes populares; perfil profissional atrelado a uma função de educador como agente do desenvolvimento humano; e formação profissional com ênfase no desenvolvimento adulto.


Palavras-chave


psicologia escolar; organizações não governamentais; educador social

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Araujo, C. M. M. (2003). Psicologia escolar e o desenvolvimento de competências: uma opção para a capacitação continuada (Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil). Retrieved from https://core.ac.uk/download/pdf/33533561.pdf

Caro, S. M. P., & Guzzo, R. S. L. (2004). Educação social e psicologia. Campinas: Alínea.

Dagnino, E. (2005). Políticas culturais, democracia e o projeto neoliberal. Revista Rio de Janeiro, 15, 45-65. Retrieved from http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/90488?mode=full

Dagnino, E. (2016). State-society relations and the dilemmas of the new developmentalist State. IDS Bulletin, 47(2), 157-167. doi: https://doi.org/10.19088/1968-2016.190

Deluiz, N. (2001). O modelo das competências profissionais no mundo do trabalho e na educação: Implicações para o currículo. Boletim Técnico do SENAC, 27(3), 27-38. Retrieved from http://www.bahiana.edu.br/CMS/Uploads/O%20modelo%20das%20competencias%20profissionais%20N_Deluiz.pdf

Galvão, P., & Marinho-Araujo, C. M. (2017). Psicologia Escolar em ONGs: Desafios Profissionais e Perspectivas Contemporâneas de Atuação. Revista Psicologia Escolar e Educacional, 21(3), 467-476. doi: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2017/021311177

Galvão, P., & Marinho-Araujo, C. M. (2018a). ONGs no Brasil: Contextualização Histórica do Cenário para Atuação em Psicologia Escolar. Psicologia em Revista, 24(1), 101-123. doi: https://doi.org/10.5752/P.1678-9563.2018v24n1p101-123

Galvão, P., & Marinho-Araujo, C. M. (2018b). ONGs Educativas: Um recente contexto de atuação para o psicólogo escolar. In Souza, V. L. T., Braz-Aquino, F. S., Guzzo, R. S. L., & Marinho-Araujo, C. M. Psicologia Escolar Crítica: Atuações emancipatórias nas escolas públicas (pp. 185-216). Campinas: Alínea.

Gohn, M. G. (2009). Educação não formal, educador(a) social e projetos sociais de inclusão social. Meta: Avaliação, 1 (1), 28-43. doi: https://doi.org/10.22347/2175-2753v1i1.1

Gohn, M. G. (2011). Educação não formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor (5a ed.). São Paulo: Cortez.

Gohn, M. G. (2015). Educação não formal no campo das artes. São Paulo: Cortez.

Gohn, M. G. (2017). Manifestações e protestos no Brasil: correntes e contracorrentes na atualidade. São Paulo: Cortez.

Guzzo, R. S., Mezzalira, A. S. C, Moreira, A. P. G., Tizzei, R. P., & Neto, W. M. F. S. (2010). Psicologia e Educação no Brasil: uma visão da história e possibilidades nessa relação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26, 131-141. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000500012

Guzzo, R. S., Mezzalira, A. S. C, Weber, M. A. L., Sant’Ana, & Silva, S. G. T. (2018). Psicologia Escolar e Família: Importância da proximidade e do diálogo. In Souza, V. L. T., Braz-Aquino, F. S., Guzzo, R. S. L., & Marinho-Araujo, C. M. Psicologia Escolar Crítica: Atuações emancipatórias nas escolas públicas (pp. 143-162). Campinas: Alínea.

Moreira, A. P. G., Tizzei, R. P., & Neto, W. M. F. S. Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo competências profissionais. Porto Alegre: Artmed.

Leontiev, A. (s.d/2004). O desenvolvimento do psiquismo (2a ed.). (R. E. Frias Trad.). São Paulo: Centauro Editora.

Luria, A. R. (s.d/1990). Desenvolvimento cognitivo. São Paulo: Ícone.

Marinho-Araujo, C. M. (2010). Psicologia Escolar: pesquisa e intervenção. Em Aberto, 83(23), 15-35. doi: https://doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.23i83.%25p

Marinho-Araujo, C. M. (2014). Intervenção institucional: ampliação crítica e política da atuação em Psicologia Escolar. In R. S. L. Psicologia escolar: desafios e bastidores na educação pública (pp. 153-176). Campinas: Alínea.

Marinho-Araujo, C. M., & Almeida, S. F. C. (2014). Psicologia escolar: construção e consolidação da identidade profissional (3a ed.). Campinas: Alínea.

Marinho-Araujo, C. M., & Almeida, L. (2016). Abordagem por competências, desenvolvimento humano e educação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32, 1-10. doi: https://doi.org/10.1590/0102-3772e32ne212

Marinho-Araujo, C. M., & Rabelo, M. L. (2015). Avaliação educacional: A abordagem por competências. Avaliação, 20 (2), 443-466. doi: https://doi.org/10.590/S1414-40772015000200009

Passeggi, M. C. (2007). Memorial de formação: entre a lógica da avaliação e a lógica da (auto) formação. Presente! Revista de Educação, 15(58), 34-37.

Pereira, A. (2016). A profissionalidade do educador social frente a regulamentação profissional da educação social: as disputas em torno do projeto de lei 5346/2009. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 11(3), 1294-1317. doi: https://doi.org/10.21723/riaee.v11.n3.6041

Pessoa, C. T. (2014). Psicologia Escolar e Educacional: Inspirando ideias para a formação continuada de Educadores por meio da arte (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil). Retrieved from https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17216

Vygotsky, L. S. (2000). A construção do pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original sem data)

Vygotsky, L. S. (2004). Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original sem data)

Wittorski, R. (1998). De la fabrication des competences. In R. Wittorski (Ed.), La compétence au travail (pp. 57-70). Paris: Education Permanente.

Zarifian, P. (2003). O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: SENAC.

Zarifian, P. (2012). Objetivo competência por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i1.3011

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Pollianna Galvão

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png