Psicologia e Ensino Superior: Aspirações Pequeno-Burguesas e Contradições Cotidianas em Cotistas

Flávia de Mendonça Ribeiro, Raquel Souza Lobo Guzzo

Resumo


Esse artigo tem como objetivo apresentar a importância do trabalho da Psicologia acompanhando estudantes cotistas frente às suas aspirações e contradições cotidianas no Ensino Superior. A partir de uma leitura crítica da conjuntura brasileira e do sistema educacional, apresentaremos como a criação de ações afirmativas para a inserção de negros e da classe trabalhadora no Ensino Superior foi de suma importância para a democratização do acesso à educação, além de indicar a existência de um importante campo para a ação da Psicologia em espaços universitários. O trabalho consistiu em identificar estudantes cotistas por meio de um questionário online e, para este artigo, escolheu-se respostas de um estudante que apresentou questões relacionadas a suas aspirações e sua experiência de vida construindo, assim, um estudo de caso. As respostas do participante foram categorizadas em contradições cotidianas e aspirações pequeno-burguesas, e nos permitiu concluir sobre a importância da Psicologia para apoio e suporte às políticas de ações afirmativas existentes integrando essas estudantes na comunidade universitária, além de auxiliá-las no enfrentamento ao sofrimento psíquico nas vivências universitárias cotidianas e processo de tomada de consciência.


Palavras-chave


Ensino Superior; Ações Afirmativas; Conscientização; adaptação psicológica

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Almeida, S. C. de. (2006). O avanço da Privatização na Educação Brasileira: O ProUni como uma nova estratégia para a transferência de recursos públicos para o setor privado. Dissertação de mestrado – Universidade Federal Fluminense, Pós-Graduação da Faculdade de Educação. Niterói – RJ.

Almeida, W. M. de. (2015). Os Herdeiros e os Bolsistas do ProUni na Cidade de São Paulo. Educação e Sociedade, Campinas, 36(130), 85-100. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v36n130/0101-7330-es-36-130-00085.pdf

Bisinoto, C. & Marinho-Araújo, C. M. (2015). Psicologia Escolar na Educação Superior: panorama da atuação no Brasil. Arquivos Brasileiros de Psicologia (Online), 67, 33-46. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672015000200004

Constituição do Brasil (2015). Redação dada pela Emenda Constitucional nº 90, de 2015. Dá nova redação ao art. 6º da Constituição Federal, para introduzir o transporte como direito social. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc90.htm

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (2017). Microdados RAIS e CAGED. Recuperado de http://pdet.mte.gov.br/microdados-rais-e-caged

Carreteiro, T. C. (2003). Sofrimentos Sociais em Debate. Psicologia USP, 14(3), 57-72. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v14n3/v14n3a06.pdf

Carvalho, C. H. A. de. (2006). O PROUNI no governo Lula e o jogo político em torno do acesso ao ensino superior. Educação e Sociedade, 27(96). Campinas. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000300016

Costa, F. de S. (2008). Políticas Públicas de Educação Superior – Programa Universidade para Todos: Um olhar dos alunos beneficiários na PUC-SP. Dissertação de Mestrado em Educação: Currículo. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

Freire, P. (1980). Conscientização: Teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez e Moraes.

Guareschi, P. A. (1998). Quantitativo versus Qualitativo: uma falsa dicotomia. Revista Psico - PUC/RS, 29(1), 165; 174.

Guzzo, R. S. L. (2007a). Psicologia e Educação: Que compromisso? Que relação? In: Bastos, A. V. B.; Rocha, N. M. D. (orgs). Psicologia: novas direções no diálogo com outros campos do saber. São Paulo: Casa do Psicólogo. 357-378.

Guzzo, R. S. L. (2007b). Reforma Universitária, Universidade Nova e o Futuro da Psicologia. Texto apresentado no XIVº Encontro Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO). Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://www.abepsi.org.br/portal/wp-content/uploads/2011/07/Artigo-Raquel-Guzzo.pdf

Guzzo, R. S. L. (2010). Educação para a Liberdade, Psicologia da Libertação e a Psicologia Escolar: uma práxis para a Liberdade. In: Almeida, S. F. C. de.(org). Psicologia Escolar: Ética e competência na formação e atuação profissional. Campinas, SP: Editora Alínea. 169-178.

Guzzo, R. S. L. (2014). Consciência e ação diante da violência: desafios para a escola pública e para psicologia. Projeto para Edital do CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Karnal, C. L. (2015). Os Fatores de Proteção e Risco para Cursar uma Graduação em Alunos ProUnistas. Dissertação (mestrado) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Pós-Graduação em Psicologia Clínica. São Leopoldo.

Karnal, C. L., Monteiro, J. K., Santos, A. S., & Santos, G. O. dos. (2017). Fatores de proteção em estudantes bolsistas do Programa Universidade para Todos. Psicologia Escolar e Educacional, SP. 21(3), 437-446. doi: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2017/021311169

Lacerda Jr, F., & Guzzo, R. S. L. (2011). Sobre o sentido e a necessidade do resgaste crítico da Obra de Martín-Baró. In: Guzzo, R. S. L.; Lacerda Jr., F. (Orgs). Psicologia Social para América Latina: O resgaste da psicologia da Libertação. Campinas, SP: Editora Alínea. 15-37.

Leher, R. (2007). Universidade no Brasil e na América Latina: tensões e contradições entre o público e o privado. Revista Brasileira de Educação, 12(34).

Madureira, A. F. do A., & Branco, A. M. C. U. de A. (2007). Identidades Sexuais Não-hegemônicas: Processos Identitários e Estratégias para Lidar com o Preconceito. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(1), 81-90. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v23n1/a10v23n1.pdf

Machado, C. de P. (2008). A designação da palavra preconceito em dicionários atuais. Sínteses (Unicamp), 13. Recuperado de http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/sinteses/article/view/831/590

Markard, M. (2007). A crítica como atitude – O psicólogo marxista Klaus Holzkamp. Traduzido por Raquel Souza Lobo Guzzo.

Marinho-Araújo, C. M. (2016). Inovações em Psicologia Escolar: o contexto da educação superior. Estudos de Psicologia (Campinas), 2, 199-211. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2016000200199&script=sci_abstract&tlng=pt

Marinho-Araújo, C. M.; & Almeida, L. S. (2017). Abordagem de competências, desenvolvimento humano e educação. Psicologia: Teoria E Pesquisa (Brasília. Online), 32, 1-10. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-37722016000500211&script=sci_abstract&tlng=pt

Martín-Baró, I. (1981). Aspiraciones del pequeñoburgués salvadoreño. 773-788.

Martín-Baró, I. (1985). La Encuesta de Opinión Publica como instrumento desideologizador. Cuadernos de Psicología. Universidad del Valle: Cali.

Martín-Baró, I. (1996). O papel do psicólogo. Estudos de Psicologia, 2(1), 7-27. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epsic/v2n1/a02v2n1.pdf

Martín-Baró, I. (1998). Hacia una psicología de la liberación. In A. Blanco (Org.) Psicología de la liberación. Madrid: Trotta.

Marques, E. P. de S. (2017). Programa Universidade Para Todos – ProUni: Democratização Da Educação Superior?. IV Seminário interinstitucional do projeto - Ensino noturno: acesso a democratização da educação superior. Faculdade de Educação Unicamp. Recuperado de http://www.histedbr.fe.unicamp.br

Marvakis, A. (2011). La psicologia (crítica) permanentemente em la encrucijada: sirvientes del poder y herramientas para la emancipación. Teoría y crítica de la psicologia, 1, 122-130.

Marx, K. (1867/2017). O capital. Domínio Livre.

Mattos, M. J. V. M. de, & Bovério, M. A. (2016). Avaliação do Programa Universidade para Todos (ProUni), segundo a percepção dos beneficiários concluintes. In Mattos, M. J. V. M. de; & Martins, M. I. (Org.). ProUni: Contribuições para a discussão das políticas públicas em Educação Superior no Brasil. Curitiba: Editora CRV.

MEC – Ministério da Educação. (2010). O PNE 2011-2020: Metas e Estratégias. Recuperado de http://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento/download/7a51f019-6e80-4c6d-aa25-501f0bad286d

MEC – Ministério da Educação. (2017). Perguntas frequentes – Ensino Superior: entenda as cotas para quem estudou. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cotas/perguntas-frequentes.html

Nogueira, M. O. G. (2013). Educação, Desigualdade e políticas públicas: A subjetividade no processo de escolarização da camada pobre. Tese (doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Pós-Graduação em Educação: Psicologia da Educação. São Paulo.

Oliveira, L. B., Tizzei, R. P., Guzzo, R. S. L., & Silva Neto, W. M. F. (2018). As Aspirações Da Pequena Burguesia: Um Estudo Exploratório Sobre As Contradições Psicossociais E Possibilidades De Mudança. Perspectivas em Psicologia, 22, 54-66.

Parker, I. (2005). Qualitative Psychology: Introducing Radical Research. Open University Press: London.

Parker, I. (2009). Psicologia crítica: ¿Qué es y qué no es?. Revista Venezolana de Psicología Clínica Comunitaria, 8, 139-159.

Parker, I. (2014). Revolução na Psicologia: Alienação à Emancipação. Campinas: Alínea.

Paula, A. S. do N. de, Lima, K. R. R., Costa, F. J. F., & Ferreira, E. L. (2016). A Educação Superior no limiar do governo Lula da Silva (2003- 2010): políticas públicas educacionais nos marcos da reforma universitária. Revista Em Debate (UFSC), Florianópolis, 15, 69-82, doi: https://doi.org/10.5007/1980-3532.2016n15p69

Pereira Filho, E. da S. (2011). Perfil dos jovens universitários bolsistas do ProUni: em estudo de caso na UNISINOS. Tese de doutorado – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de pós-graduação em Ciências Sociais, São Leopoldo, RS.

Portal ProUni – ProUni. (2018). BRASIL/MEC – Ministério da Educação – Programa Universidade para todos. Lei 11.096. Recuperado de http://ProUniportal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=124&Itemid=140

Prilleltensky, I., & Nelson, G. (2002). Doing Psychology Critically: making a difference in diverse settings. New York, NY: Palgrave McMillan.

Queiroz, R. da S. (1995). Não vi e não gostei: o fenômeno do preconceito. São Paulo: Moderna.

Ribeiro, F. de M. (2018). Preconceito e ProUnistas: “Seu lugar não é aqui”. 2018. Tese (Doutorado em Psicologia) – Centro de Ciências da Vida. Programa de Pós-Graduação em Psicologia - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2018.

Ribeiro, F. de M. (2013). Consciência de estudantes ProUnistas sobre sua Inserção no Ensino Superior. Dissertação (mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Ciências da Vida, Pós-Graduação em Psicologia. Campinas.

Ribeiro, F. de M., & Guzzo, R. S. L. (2017). Consciência de Estudantes ProUnistas sobre sua Inserção no Ensino Superior. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(2), 418-431. doi: https://doi.org/10.1590/1982-3703001472016

Rocha, M. A. M. da (2011). Processo de inclusão ilusória: o jovem bolsista universitário. Jundiaí: Paco Editorial.

Rossato, M., & Martínez, A. M. (2017). A metodologia construtiva-interpretativa como expressão da Epistemologia Qualitativa na pesquisa sobre o desenvolvimento da subjetividade. Investigação Qualitativa em Educação, 1

Sawaia, B. (org). (2008). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. 8ª edição. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Schraube, E., & Marvakis, A. (2016). Frozen fluidity: Digital technologies and the transformation of students’ learning and conduct of everyday life. In E. Schraube & C. Højholt (Eds.), Psychology and the conduct of everyday life (pp. 205-225). London: Routledge.

SEMESP – Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior. (2016). Mapa do Ensino Superior no Brasil 2016. Recuperado de http://convergenciacom.net/pdf/mapa_ensino_superior_2016.pdf

SEMESP – Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior. (2017, Novembro 7). Em debate, o futuro do Ensino Superior. Ensino Superior. Recuperado de http://www.revistaensinosuperior.com.br/19-fnesp/

Senado Federal. (2016). Emenda Constitucional nº 95 - Altera o ato das disposições constitucionais transitórias, para instituir o novo regime fiscal, e dá outras providências. Retirado em 16 de dezembro de 2016 de http://legis.senado.leg.br/legislacao/DetalhaSigen.action?id=540698

Stange, M. S., & Bassani, S. D. (2009). Preconceito Racial. Trabalho da disciplina Computação de Sociedade da Universidade Federal do Espírito Santo.

SisProUni – Sistema Informatizado do ProUni (2018). Dados e Estatísticas. Recuperado de: http://ProUniportal.mec.gov.br/dados-e-estatisticas

Teixeira, A. M., Gomes, D. R., & Dazzani, M. V. M. (2018). Estudantes Negros na Universidade: O que a Psicologia Escolar/Educacional tem a ver com isso?. In V. L. T. Souza, F. de S. B. Aquino, R. S. L. Guzzo, C. M. Marinho-Araújo. (org). Psicologia Escolar Crítica: Atuação emancipatória nas escolas públicas, 165-184. Campinas: Alíena.

Ventura, M. M. (2007). O Estudo de Caso como Modalidade de Pesquisa. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro, 20(5). 383-386. Recuperado de: http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2007_05/a2007_v20_n05_art10.pdf




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i1.3004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Flávia de Mendonça Ribeiro, Raquel Souza Lobo Guzzo

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png