Práticas Promotoras de Mudanças no Cotidiano da Escola Pública: Projeto ECOAR

Raquel Souza Lobo Guzzo, Flávia de Mendonça Ribeiro, Jacqueline Meireles, Mariana Feldmann, Soraya Sousa Gomes Teles da Silva, Laura Casagrande Leon dos Santos, Carolina Nascimento Dias

Resumo


O cotidiano da escola pública tem sido um espaço de grandes desafios aos professores, técnicos, funcionários, estudantes e suas famílias diante das distintas formas de violência que marcam as relações sociais e impactam o desenvolvimento das crianças. Para que o espaço escolar seja promotor de desenvolvimento, enfrentando os impactos da violência e prevenindo problemas emocionais e sociais, é preciso planejar, conjuntamente, ações que promovam mudanças substanciais na vida da escola e de seus atores. Neste artigo, buscamos apresentar o Projeto ECOAR (Espaço de Convivência, Ação e Reflexão) como uma possibilidade de atuação da Psicologia na Escola para a construção de ações preventivas no enfrentamento à violência e na promoção do desenvolvimento integral das crianças e adolescentes. Alguns principais pontos dos fundamentos que sustentam essa proposta serão apresentados, assim como algumas ações desenvolvidas com o objetivo de promover as mudanças avaliadas pela equipe do projeto como necessárias. Pretende-se apresentar a importância da presença profissional da Psicologia junto aos professores no cotidiano da escola agindo de modo integrado e participativo, chamando a atenção para o fato de que a escola e sua dinâmica não estão separadas do mundo real de cada um de seus sujeitos.


Palavras-chave


Psicologia social; psicologia do desenvolvimento; psicologia educacional; violência

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Abramovay, M., Castro, M. G., Silva, A. P., & Cerqueira, L. (2016). Diagnóstico Participativo das Violências nas Escolas: falam os Jovens. Rio de Janeiro, RJ: FLACSO - Brasil, OEI, MEC.

Barbosa, R. M., & Marinho-Araújo, C. M. (2010). Psicologia escolar no Brasil: considerações e reflexões históricas. Estudos de Psicologia. Campinas, 27(3), 393-402. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2010000300011

Dias, C. N., & Guzzo, R. S. L. (2018). Escola e Demais Redes de Proteção: Aproximações e Atuações (Im)Possíveis. Pesquisas E Práticas Psicossociais, 13, 1-17. Recuperado de http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/revista_ppp/article/view/3061/1964

Carias, A. R., Mezzalira, A. S. Da C., & Guzzo, R. S. L. (2016). Os Primeiros Contatos: Rompendo O Modelo Da Queixa Escolar. Debates Em Educação, 8, 1-20. doi: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2016v8n15p01

Freire, P. (1968/2016). Pedagogia do Oprimido (60o ed). São Paulo: Paz e Terra (Original publicado em 1974).

Freire, P. (1979a). Conscientização: teoria e prática da libertação: Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire (17o ed). São Paulo, SP: Centauro.

Freire, P. (1979b). Ação cultural para a liberdade e outros escritos (4a. ed. Vol. 10). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (2001). Política e Educação. São Paulo: Cortez & Moraes.

Guzzo, R. S. L. (2000). Voo da Águia - uma intervenção preventiva nas escolas. Projeto de Extensão – CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Guzzo, R. S. L. (2014) Consciência e Ação diante da Violência: Desafios para a escola pública e psicologia. Projeto de Extensão – CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Guzzo, R. S. L., Mezzalira, A. S. C., Weber, M., San’tana, I., & Silva, S. G. S. T. da. (2018). Psicologia Escolar e Família Importancia da proximidade e do diálogo. In V. L. T. Souza, F. de S. B. Aquino, R. S. L. Guzzo, C. M. Marinho-Araújo. (org). Psicologia Escolar Crítica: Atuação emancipatória nas escolas públicas. Ed. Alínea. pp. 143-161.

Holzkamp, K. (2016). Ciência marxista do sujeito: uma introdução à psicologia crítica. Tomo I - Santiano Vollmer (editor). Maceió: Coletivo Veredas.

Martín-Baró, I. (1968/2015). Los cristianos y la violencia. Teoría y Crítica de la Psicología, 6, 415-456. Recuperado de http://www.teocripsi.com/ojs/index.php/TCP/article/view/70/46

Martín-Baró, I. (1990). La violencia en Centroamérica: una vision psicosocial. Rev. de Psicología de El Salvador, 4(35), pp. 123-156.

Meireles, J. (2015). Ecos da violência: a perspectiva de estudantes de uma escola pública (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas - SP. Recuperado de http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/354

Moreira, A. P. G., & Guzzo, R. S. L. (2014). O Psicólogo Na Escola: Um Trabalho Invisível?. Gerais: Revista Interinstitucional De Psicologia, 7, 42-52. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v7n1/v7n1a05.pdf

Moreira, A. P. G., & Guzzo, R. S. L. (2015). Do trauma psicossocial às situações-limite: a compreensão de Ignácio Martín-Baró. Estudos de Psicologia (Campinas), 32, 569-577. doi: https://doi.org/10.1590/0103-166X2015000300021

Moreira, A. P. G.; & Guzzo, R. S. L. (2016). Situação-limite e potência de ação: Atuação preventiva crítica em psicologia escolar. Estudos de Psicologia (Natal), 21(2), 204-215. doi: https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160020

Moreira, A. P. G., & Guzzo, R. S. L. (2017). Violência e Prevenção na Escola: As Possibilidades da Psicologia da Libertação. Psicologia & Sociedade (Online), 29, 1-10. doi: https://doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29141683

Oliveira, L. B., Guzzo, R. S., Tizzei, R. P., & Silva Neto, W. M. (2014). Vida e a Obra de Ignácio Martín-Baró e o Paradigma da Libertação. Revista Latinoamericana de Psicología Social Ignacio Martín-Baró, 3, 205-230. Recuperado de https://psicologia.uahurtado.cl/vida-e-a-obra-de-ignacio-martin-baro-e-o-paradigma-da-libertacao/

Sant’Ana, I. M., & Guzzo, R. S. L. (2016). Psicologia Escolar e Projeto Político-pedagógico: Análise De Uma Experiência. Psicologia & Sociedade (Online), 28 (1), 194-204. doi: https://doi.org/10.1590/1807-03102015aop004

Saviani, D. (2017). A crise política no Brasil, o golpe e o papel da educação na resistência e na transformação. In C. Lucena, F. S. Previtali, & L. Lucena (Orgs.), A crise da democracia brasileira (1a edição eletrônica, p. 215–232). Uberlândia, MG: Navegando publicações. Recuperado de https://www.editoranavegando.com/copia-politicas-educacionais-1

Souza, J. (2017). A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro, RJ: Leya.

Tonet, I. (2012). Educação contra o capital. São Paulo: Instituto Lukács.

UNESCO. (2017). School Violence and Bullying: Global Status Report (International Symposium on School Violence and Bullying: From Evidence to Action). France: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002469/246970e.pdf

Vigotski, L. S. (1927/1991). El significado histórico de la crisis de la Psicología. In L. S. Vigotski (Org.), Obras escogidas (Tomo I. pp. 257-407). Madrid: Visor y Ministerio de Educación y Ciencia.

Vigotski, L. S. (1935/2010). Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP, 21(4), 681-701. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v21n4/v21n4a03

Yamamoto, O. H. (2007). Políticas Sociais, “Terceiro Setor” e “Compromisso Social”: Perspectivas e limites do trabalho do psicólogo. Psicologia & Sociedade, 19(1) 30-37. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-71822007000100005




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2019.v11i1.2967

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Raquel Souza Lobo Guzzo, Flávia de Mendonça Ribeiro, Jacqueline Meireles, Mariana Feldmann, Soraya Sousa Gomes Teles da Silva, Laura Casagrande Leon dos Santos, Carolina Nascimento Dias

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png