Traçando o Perfil de uma Amostra de Usuárias de Crack em Tratamento

Katruccy Tenório Medeiros, Silvana Carneiro Maciel, Luciana Fernandes Santos, Patrícia Fonseca de Sousa

Resumo


Analisando os fatores sociodemográficos de uma amostra de usuárias de crack, esta pesquisa objetivou contribuir para o conhecimento de fatores propulsores de risco e de vulnerabilidade da saúde da população estudada. Participaram deste estudo 45 mulheres, com idade média de 29,11 anos (DP= 7,99), internas em Clínicas de Reabilitação (34) e Comunidades Terapêuticas (11) dos Estados da Paraíba e Pernambuco. Como instrumento, utilizou-se um questionário sociodemográfico, analisado por meio de estatística descritiva, com auxílio do software SPSS/PASW versão 21.0. Os resultados apontaram para um perfil de usuárias em sua maioria jovens, em idade reprodutiva e com experiências maternas, com baixo nível de escolaridade e fora do mercado formal de trabalho. Estes dados demonstram a necessidade de um maior investimento em termos de saúde e educação nesta faixa etária da população estudada, e a importância do aprimoramento das políticas públicas neste âmbito, a fim de reduzir os impactos biopsicossociais.


Palavras-chave


crack; mulheres usuárias; dependência química; vulnerabilidade

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aciole Neto, M. L., & Santos, M. F. S. (2014). Alterity and Identity Refusal: The Construction of the Image of the Crack User. Paidéia 24(59), 389-396. doi: https://doi.org/10.1590/1982-43272459201413

Acioli Neto, M. L., & Santos, M. F. S. (2016). Os usos de crack em um contexto de vulnerabilidade: Representações e práticas sociais entre usuários. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(3), 32-26. doi: https://doi.org/10.1590/0102-3772e32326

American Psychiatric Association (APA). (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. DSM-5 (5. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Barros, R. P., Carvalho, M., & Franco, S. (2006). Pobreza multidimensional. Rio de Janeiro: IPEA.

Bastos, F. I., & Bertoni, N. (2014a). Pesquisa Nacional sobre o uso de crack: Quem são os usuários de crack/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro, RJ: Editora da Fundação Oswaldo Cruz. Recuperado de http://www.obid.senad.gov.br/portais/OBID/biblioteca/documentos/Relatorios/329786.pdf

Bastos, F. I., & Bertoni, N. (2014b). Quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Perfil sociodemográfico e comportamental destes usuários: Resultados de uma pesquisa de abrangência nacional. In F. I. Bastos & N. Bertoni, Pesquisa Nacional sobre o uso de crack: Quem são os usuários de crack/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro, RJ: Editora da Fundação Oswaldo Cruz. Recuperado de http://www.obid.senad.gov.br/ portais/OBID/biblioteca/documentos/Relatorios/329786.pdf

Brasil. (1990). Lei 8.069/90: Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Perfil dos usuários de crack e/ou similares no Brasil. Recuperado de http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/maior-pesquisa-sobre-crack-j%C3%A1-feita-no-mundo-mostra-o-perfil-do-consumo-no-brasil

Bungay, V., Johnson, J. L., Varcoe, C., & Boyd, S. (2010). Women’s health and use of crack cocaine in context: Structural and ‘everyday’ violence. International Journal of Drugs Policy, 21(4), 321-329. doi: https://doi.org/10.1016/j.drugpo.2009.12.008

Carbonera, A., & Silva, D. G., Nascimento-André, M. I., & Legal, E. J. (2013). Dando Voz a Mulheres em Tratamento da Dependência de Substâncias Psicoativas. Revista de Psicologia da IMED, 5(2), 109-114. Recuperado de doi: https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v5n2p109-114

Carlini, E. A., Galduróz, J. C., Noto, A. R., & Nappo, A. S. (2002). I levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país. São Paulo (SP): UNIFESP.

Carlini, E. A., Galduróz, J. C., Noto, A. R., Carlini, C. M., Oliveira, L. G., & Nappo, S. A. (2007). II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país. São Paulo: Secretaria Nacional Antidrogas/Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas.

Chaves, T. V., Sanchez, Z. M., Ribeiro, L. A., & Nappo, S. A. (2011). Fissura por crack: comportamentos e estratégias de controle de usuários e ex- usuários. Rev Saúde Pública, 6(45), 1168-75. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102011005000066

Cruz, V. D., Oliveira, M. M., Pinho, L. B., Coimbra, V. C. C., Kantorski, L. P., & Oliveira, J. F. (2014). Condições sociodemográficas e padrões de consumo de crack entre mulheres. Texto contexto Enferm, 4(23),1068-76. doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072014000580013

Ferreira Filho, O. F., Turchib, M. D., Laranjeira, R., & Castelo, A. (2003). Perfil sociodemográfico e de padrões de uso entre dependentes de cocaína hospitalizados. Rev Saúde Pública, 37(6), 751-9. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102003000600010

Hochgraf. P. B., & Brasiliano. S. (2010). Mulheres e substâncias psicoativas. In S. D. Siebel et al., Dependência de Drogas (pp. 1025-1042). São Paulo: Atheneu.

Limberger, J., Schneider, J. A., & Andretta, I. (2015). Especificidades do tratamento de mulheres usuárias de crack: interface com direitos humanos. Psicologia em Pesquisa, 9(2), 13-147. doi: https://doi.org/10.5327/Z1982-1247201500020004

Maciel, S. C., & Medeiros, K. T. (2017). Mulheres usuárias de crack: Enfrentamentos e barreiras sociais. In A. Roso (Org.), Crítica e dialogicidade em psicologia social: Saúde, minorias sociais e comunicação (pp. 1-42). Santa Maria, RS: Ed. UFSM.

Marangoni, R. S., & Oliveira, M. L. F. (2013). Fatores desencadeantes do uso de drogas de abuso em mulheres. Texto & Contexto Enfermagem, 22(3), 662-670. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000300012

Martins-Costa, S. H., Vettorazzi, J., Cecin, G. K. G., Stumpf, C. C., & Ramos, J. G. L. (2013). Crack: A nova epidemia obstétrica. Revista HCPA, 33(1), 55-65. Recuperado de http://www.seer.ufrgs.br/hcpa/article/viewFile/33833/25672

Medeiros, K. T., Maciel, S. C., & Sousa, P. F. (2017). Women in the Context of Drugs: Social Representations of Users in Treatment. Paidéia, 27(Suppl. 1), 437-447. doi: https://doi.org/10.1590/1982-432727s1201709

Medeiros, K. T., Maciel, S. C., Sousa, P. F., & Vieira, G. L. S. (2015). Vivências e Representações sobre o Crack: Um Estudo com Mulheres Usuárias. Psico-USF, 20(3), 517-528. doi: https://doi.org/10.1590/1413-82712015200313

Nappo, S. A. et al. (2004). Comportamento de risco de mulheres usuárias de crack em relação às DST/Aids. São Paulo: CEBRID – Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas.

Nappo, S. A., Galduróz, J. C. F., & Noto, A. R. (1994). Uso do “crack” em São Paulo: fenômeno emergente? Rev ABP-APAL, 2(16), 75-83. Recuperado de http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/psi-1142

Rodrigues, A. S. et al. (2016). Cuidado a mulheres envolvidas com drogas: representações sociais de enfermeiras. Rev. Bras. Enferm., 70(1), 71-78. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0339

Sanchez, Z. M., & Nappo, S. A. (2002). Sequência de drogas consumidas por usuários de crack e fatores interferentes. Rev Saúde Pública, 36(4), 420-30. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000400007

Santos, G. L., & Almeida, D. C. (2013). Estudo do perfil das dependentes químicas, usuárias do Centro de Atendimento Psicossocial Álcool e Drogas - CAPSad do Município de Caçador/SC. RIES, 1(2), 42-57. Recuperado de http://www.periodicosuniarp.com.br/ries/article/view/106

Schenker, M., & Minayo, M. C. S. (2003). A implicação da família no uso abusivo de drogas: uma revisão crítica. Ciência, Saúde Coletiva, 8(1), 299-306. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232003000100022

Seleghim, M. R., Marangoni, S. R., Marcon, S. S., & Oliveira, M. L. F. (2011). Family ties of crack cocaine users cared for in a psychiatric emergency department. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 19(5), 1163-1170. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000500014

Silva, C. M., & Vargens, O. M. C. (2009). A percepção de mulheres quanto à vulnerabilidade feminina para contrair DST/HIV. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43(2) 401-406. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000200020

Souza, M. R. R., Oliveira, J. F., & Nascimento, E. R. (2014). A saúde de mulheres e o fenômeno das drogas em revistas brasileiras. Texto & Contexto - Enfermagem, 23(1), 92-100. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072014000100011

Vieira, D. L., Ribeiro, M., Romano, M., & Laranjeira, R. (2007). Álcool e adolescentes: estudo para implementar políticas municipais. Revista de Saúde Publica, 41(3) 396-403. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102006005000022




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2018.v10i1.2730

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Katruccy Tenório Medeiros, Silvana Carneiro Maciel, Luciana Fernandes Santos, Patrícia Fonseca Sousa

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  circ.png