Jogos Digitais: Dispositivos Para Pensar Práticas Escolares

Renata Fischer da Silveira Kroeff, Cleci Maraschin

Resumo


Esse artigo tem por objetivo explorar as possibilidades de inserção de um jogo digital em um contexto escolar, acompanhando os efeitos de sua utilização nas relações entre os estudantes e suas professoras, assim como nos modos dos estudantes interagirem entre si e se posicionarem em relação a suas próprias performances como jogadores. O campo empírico da pesquisa foi composto pela realização de oficinas com 2 professoras e 33 estudantes nas quais as/os participantes utilizaram um jogo digital e, a seguir, conversaram sobre a experiência. Tomamos para análise um episódio que atravessou todas as oficinas e que evidenciou diferenças entre a cultura escolar e a cultura gamer nas relações entre competição e cooperação. Os resultados foram discutidos a partir da contribuição de estudos da área conhecida como Games Studies. Sugere-se que a construção de propostas educativas utilizando jogos digitais possam considerar os conjuntos de práticas associadas à cultura gamer, em especial aquelas relacionadas à constituição de espaços de afinidade entre jogadores.


Palavras-chave


competition; cooperation; culture; learning

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Araldi, E., Piccoli, L., Diehl, R., & Tschiedel, R. (2012). Oficinas, Tic E Saúde Mental: Um Roteiro Comentado. In A. Palombini, C. Maraschin, S. Mochen. Tecnologias Em Rede: Oficinas De Fazer Saúde Mental (pp. 43-58). Porto Alegre, RS: Sulina.

Baum, C., & Maraschin, C. (2013). Oficinas de Videogame como dispositivo de compartilhamento em um serviço de saúde mental. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, 8(1), 95-105. Retrieved from: https://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/revistalapip/Volume8_n1/PPP_Art__8.pdf

Baum, C., Kroeff, R., & Maraschin, C. (2017). Reinventando a relação físico-digital: experiências de aprendizagens com um jogo locativo. Ayvu: Revista de Psicologia, 3(2), 172-190. doi: https://doi.org/10.22409/ayvu.v3i2.118

Farias, N. C. (2013). Do campo ao texto: traduções e interesses em pesquisa e intervenção (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil). Retrieved from: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/87562

Gavillon, P. Q. (2014). Videogames e Políticas Cognitivas (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Retrieved from: http://hdl.handle.net/10183/104367

Gavillon, P. Q., Kroeff, R., & Markuart, E. (2017). Relações de competição e violência nos jogos digitais. In Maraschin, C., Kroeff, R., & Gavillon, P. Oficinando com jogos digitais: experiências de aprendizagem inventiva (pp. 175-189). Curitiba, PR: CRV.

Gee, J. P. (2010). Bons Videogames + Boa Aprendizagem: Colectânea de Ensaios Sobre os Videojogos, a Aprendizagem e a Literacia (M. L. Teixeira, Trad.). Ramada, Portugal: Edições Pedago.

Kastrup, V. (2008). O método da cartografia e os quatro níveis da pesquisa-intervenção. In L. R. Castro, & V. L. Besset (Orgs.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude (pp. 465-489). Rio de Janeiro: Trarepa/FAPERJ.

Kirriemuir, J., & Mcfarlane, A. (2004). Literature Review In Games And Learning. Bristol, UK: Futurelab. Retrieved from: https://telearn.archives-ouvertes.fr/hal-00190453/document

Kroeff, R. F. S. (2016). Experiências coletivas com tecnologias digitais: um encontro entre videogames e a cultura da mobilidade (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil). Retrieved from: http://hdl.handle.net/10183/141039

Kroeff, R. F., Baum, C. A., & Maraschin, C. (2016). Oficinas como estratégia metodológica de pesquisa-intervenção em processos envolvendo videogames. Mnemosine, 12(1), 213-227. Retrieved from: http://www.mnemosine.com.br/ojs/index.php/mnemosine/article/view/492/391

Maraschin, C., Rocha, M. L., Kastrup, V. (2015). Intervention-Research in a mental health clinic in Brazil. Revista Polis e Psique, 5(3), 94-118. doi: https://doi.org/10.22456/2238-152x.55770

Maraschin, C., Francisco, D. J., & Diehl, R. (2011). Oficinando Em Rede: Oficinas, Tecnologias e Saúde Mental. Porto Alegre, RS: Editora UFRGS.

Palombini, A. L., Maraschin, C., & Moschen, S. (2012). Tecnologias em Rede: Oficinas de Fazer Saúde Mental. Porto Alegre, RS: Sulina.

Passos, E. (2012). A Oficina Como Tecnologia de Coprodução. In A. L. Palombini, C. Maraschin, & S. Moschen. Tecnologias em Rede: Oficinas de fazer Saúde Mental (pp. 167-172). Porto Alegre, RS: Sulina.

Passos, E., & Barros, R. B. (2012). A Cartografia como método de Pesquisa-Intervenção. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia. (Org.). Pistas do método da Cartografia: Pesquisa-Intervenção e Produção de Subjetividade (2a ed.). Porto Alegre, RS: Sulina.

Peixoto, R. J. V. (2005). A Informática na Educação. (Dissertação de Mestrado, Universidade Aberta, Lisboa, Portugal). Retrieved from: http://hdl.handle.net/10400.2/561

Resnick, M. (2002). Rethinking Learning In The Digital Age. In G. S. Kirkman, P. K. Cornelius, J. D. Sachs, & K. Schwab. The Global Information Technology Report 2001-2002: Readiness for the Networked World. New York, NY: Oxford University Press. Retrieved from: https://llk.media.mit.edu/papers/mres-wef.pdf.

Rio Grande do Sul. (2008). Lei 12.884: Dispõe sobre a utilização de aparelhos de telefonia celular nos estabelecimentos de ensino do Estado do Rio Grande do Su. Retrieved from: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/12.884.pdf

Squire, K. (2006). From Content To Context: Videogames As Designed Experience. Educational Researcher, 35(8), 19-29. doi: https://doi.org/10.3102/0013189X035008019

Súnega, P. B. C, & Guimarães, I. V. (2017). A docência e os desafios da cultura digital. Reflexão e Ação, 25(1), 178-197. doi: https://doi.org/10.17058/rea.v25i1.7856

Timboíba, C. A., Ribon, I. S., Paim, I. P., Monteiro, S. R., & Guirardi, M. M. (2011). A Inserção das TICs no Ensino Fundamental: Limites e Possibilidades. Revista Paidéia, 2(4), 1-26. Retrieved from: http://periodicos.unimesvirtual.com.br/index.php?journal=paideia&page=article&op=view&path[]=180




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2018.v10i1.2515

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Renata Fischer da Silveira Kroeff, Cleci Maraschin

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  circ.png