Retorno à Sociedade: Percepções e Experiências de Ex-Detentas

Maiara Leandro, Zolnei Vargas de Córdova, Amanda Castro, Cristina Adriana Rodrigues Kern

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo identificar a percepção de ex-presidiárias sobre o retorno à vida social e à vida profissional, sobre suas impressões quando da detenção e sobre suas relações com a família e a sociedade. Para isso, foi feita entrevista semiestruturada com cinco mulheres atendidas pelo CRAS (Centro de Referência de assistência Social) do município de Criciúma que já cumpriram a pena e hoje vivem em liberdade. Foi possível identificar que algumas mulheres sofreram discriminações por serem ex-presidiárias, corroboradas por morarem em bairros com alto índice de criminalidade. E, ainda, foi identificado que suas experiências punitivas durante o momento de detenção não as prepararam para retorno a sociedade. Com isso, conclui-se que a falta de programas de ressocialização para o retorno ao convívio social e reingresso no mercado de trabalho dificultam a reinserção social destas mulheres. Sugere-se que uma nova pesquisa seja realizada com maior grupo de participantes e também com seus familiares, para melhor compreensão da temática.


Palavras-chave


mulheres; trabalho; discriminação social

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Baccega, M. A. (1998). O estereótipo e as diversidades. Comunicação & educação, (13), 7 -14. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i13p7-14

Bardin, L. (2017). Análise de conteúdo. Lisboa: edições 70.

Barreto, M. L. S. (2006). Depois das grades: um reflexo da cultura prisional em indivíduos libertos. Psicologia: Ciência e Profissão, 26(4), 582-593. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-98932006000400006

Braga, A. G. M., & Alves, P. P. G. (2015). Prisão e políticas públicas uma análise do encarceramento feminino no estado do Ceará. Pensar-Revista de Ciências Jurídicas, 20(2), 302-326. doi: https://doi.org/10.5020/23172150.2012.302-326

Cabral, L. R., & Silva, J. L. (2010). O trabalho penitenciário e a ressocialização do preso no Brasil. Revista do centro acadêmico Afonso Pena, 13(1). Retrieved from https://revistadocaap.direito.ufmg.br/index.php/revista/article/view/277/274

Carvalho, D. T. P., & Mayorga, C. (2017). Contribuições feministas para os estudos acerca do aprisionamento de mulheres. Estudos Feministas, 25(1), 99-116. doi: https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n1p99

Chaves, F. M., Gomes, J. A. S. B, & Affe, J. R. (2011). A inclusão do ex- presidiário no mercado de trabalho do Distrito Federal (Trabalho de conclusão de curso, Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas, Taguatinga, DF, Brasil). Retrieved from http://pt.slideshare.net/julianaabade1/tcc-a-incluso-do-expresidirio-no-mercado-de-trabalho

Comissão de Formação Teórica e Prática do PrEsp. (2013). O egresso do sistema prisional: do estigma à inclusão social. Belo Horizonte: Instituto Elo. Retrieved from http://institutoelo.org.br/site/files/publications/6249f589266779f9bd30d6a403db544f.pdf

Conselho Nacional de Justiça. (2011). Encontro Nacional sobre o Encarceramento Feminino: Carta de Brasília. Retrieved from http://www.cnj.jus.br/images/eventos/encarceramentofeminino/carta_%20de_brasilia.pdf

Dupont, S. L. (2017). O espaço das mulheres: a exploração e precarização na nova divisão sexual do trabalho. Anais do Congresso internacional Humanidades nas fronteiras. 563-575. Retrieved from https://dspace.unila.edu.br/123456789/3577

Frinhani, F. M. D., & Souza, L. (2005). Mulheres encarceradas e espaço prisional: Uma análise de representações sociais. Psicologia: Teoria e Prática. 7(1), 61-79. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v7n1/v7n1a06.pdf

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Goffman, E. (1987) Manicômios, prisões e conventos (2. ed.) São Paulo: Perspectiva.

Goffman, E. (1988). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada (4. ed.) Rio de Janeiro: Guanabara.

Gonzalez, B. C. H., Lima, L. M., Lopes, L. V. V., Júnior, W. L. T. X., & Negreiros, W. (2016). Ressocialização do apenado: dificuldades no retorno ao seio social. Jornal Eletrônico. Ano VIII, ed II, 243-256. Retrieved from http://portal.viannajr.edu.br/files/uploads/20170320_090616.pdf

Hamann, A. (2016). A perpetuação das primeiras impressões por meio das decisões judiciais no Processo Penal: a primeira impressão é a que fica (Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil). Retrieved from https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/166563

Junqueira, M. H. R., Souza, P. D. M., & Lima, V. A. A. (2015). A percepção de familiares de ex-apenados sobre a experiência do cárcere e do processo de inclusão social. Mnemosine, 11(2), 74-99. Retrieved from http://mnemosine.com.br/ojs/index.php/mnemosine/article/view/444

Lemgruber, J., & Fernandes, M. (2015). Tráfico de drogas na cidade do Rio de Janeiro: Prisão provisória e direito de defesa. Boletim Segurança e Cidadania, (17). Retrieved from https://redejusticacriminal.org/pt/publication/trafico-de-drogas-na-cidade-do-rio-de-janeiro-prisao-provisoria-e-direito-de-defesa/

Mendonça, C. S., & Pessoa, R. W. A. (2008). A Importância das Penas Alternativas na Ressocialização do Apenado. Panóptica, 3(3), 54-82. Retrieved from http://www.panoptica.org/seer/index.php/op/article/view/Op_3.3_2008_54-82/172

Melo, J., Alves, L., & Cavalcante, J. (2015). Do lado de dentro e do lado de fora: justiça e criminalidade a partir de perspectivas de mulheres em situação de prisão e na condição de visitantes. Vivencia. 1(46), 113-130. Retrieved from https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/8776/6261

Ministério da Justiça. (2007). Reorganização e reformulação do sistema prisional feminino. Grupo de trabalho interministerial. Retrieved from http://www.observatoriodegenero.gov.br/menu/publicacoes/outros-artigos-e-publicacoes/reorganizacao-e-reformulacao-do-sistema-prisional-feminino/at_download/file

Oliveira, J. M. (2017). Desobediências de gênero. Salvador: Devires.

Oliveira, M. (2017). A omissão do estado na reinserção de ex-condenadas no mercado de trabalho e no convívio social. Anais da Jornada de Iniciação Científica-Universo Salvador, BA, Brasil, 6. Retrieved from http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=1UNIVERSOSALVADOR2&page=article&op=view&path%5B%5D=5585

Paula, R. C. G., & Magalhães, C. A. T. (2016). A reinserção do ex-presidiário no mercado de trabalho: um olhar sob a perspectiva da perda de identidade. Letras Jurídicas, 3(2), 258-264. Retrieved from http://npa.newtonpaiva.br/letrasjuridicas/?p=1890

Pinto, G., & Hirdes, A. (2006). O processo de institucionalização de detentos: perspectivas de reabilitação e reinserção social. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 10(4), 678 - 683. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/ean/v10n4/v10n4a09

Reis, A. F. (2013). Violência e desenvolvimento local: um estudo sobre a criminalidade entre jovens de 15 a 24 anos em comunidades periurbanas de Campo Grande, MS. Internacional de Desenvolvimento, 14(2), 155-164. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/inter/v14n2/a02v14n2.pdf

Rodrigues, A. S. (2008). Raça, gênero e sistema prisional: relato de experiências com mulheres negras que cumprem penas em regime aberto ou semi-aberto. África e Africanidades- V Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros, Goiânia, GO, Brasil, 3. Retrieved from http://www.redesaude.org.br/home/conteudo/biblioteca/biblioteca/textos-diversos/023.pdf

Ribeiro, G. B. (2015). Mulheres em privação de liberdade e egressas do sistema penitenciário: efetividade do direito ao trabalho. Factum- Periódico Jurídico da Católica do Tocantins. (1), 177-220. Retrieved from http://www.catolica-to.edu.br/portal/portal/downloads/docs/factum_01_07.pdf

Ribeiro, F. (2017). A reinserção social da ex-presidiária no mercado de trabalho. Revice Revista de Ciências do Estado, 2(1),357-379. Retrieved from https://seer.ufmg.br/index.php/revice/article/view/6355/4822

Silva, M. C. (2015). Reeducação presidiária no Brasil: a lei que não pune e não reeduca. Trim, 8, 5-25. Retrieved from http://www5.uva.es/trim/TRIM/TRIM8_files/TRIM8_1.pdf

Silva, M. O. S. (2007). O Bolsa Família: problematizando questões centrais na política de transferência de renda no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 12(6), 1429-1439. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000600006.

Silva, S. G. (2010). Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), 556-571. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000300009

Souza, J. L. C., & Reis, J. F. G. (2014). A discricionariedade policial e os estereótipos suspeitos. Revista do NUFEN, 6(1), 125-166. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-25912014000100007&lng=pt&tlng=pt.

Souza, K. O. J. (2009). A pouca visibilidade da mulher brasileira no tráfico de drogas. Psicologia em Estudo, 14(4), 649-657. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-73722009000400005.

Souza, R. L., & Silveira, A. M. (2018). Egressos do sistema prisional no mercado formal de trabalho: oportunidade real de inclusão social? Revista de Políticas Públicas, 21(2), 761-780. doi: http://dx.doi.org/10.18764/2178-2865.v21n2p761-779

Thomaz, G. C., Oliveira, J. F., & Bispo, T. C. F. (2016). Vulnerabilidades no envolvimento feminino com drogas: um estudo com mulheres em situação de prisão. Enfermagem Contemporânea, 5(2), 228-241. doi: https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i2.1042

Tomé, S. M. G. (2011). O processo de reinserção social de apenados: uma análise comparativa de trajetórias de vida (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Viçosa, MG, Brasil. Retrieved from http://locus.ufv.br/handle/123456789/3404




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2018.v10i1.2499

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Maiara Leandro

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  circ.png