Relações entre não Maternidade e Sexualidade Feminina: Revisão Integrativa da Literatura Científica

Ana Julia Queiroz Farinha, Fabio Scorsolini-Comin

Resumo


A sexualidade feminina ancorou-se, por décadas, nos estereótipos culturais de que a vida sexual conjugal era desnecessária assim que a mulher cumprisse a função de procriar. Este estudo objetivou apresentar uma revisão integrativa da literatura científica acerca de como a não maternidade interfere na sexualidade feminina. O método baseou-se na busca por artigos completos nas bases/bibliotecas LILACS, PePSIC e SciELO, publicados em português no período de janeiro de 2012 a novembro de 2017. Os artigos tinham que contribuir para responder à pergunta norteadora: Como a não maternidade interfere na sexualidade feminina? Foram recuperados para análise 19 artigos e os resultados mostram que 15 são estudos empíricos que utilizaram enfoques quantitativos e qualitativos. A literatura aponta que parece haver uma identidade de papel sexual menos tradicional nas mulheres voluntariamente sem filhos. Dar visibilidade à maternidade e a não maternidade é um movimento igualmente importante, abrindo possibilidades de leitura e construção de roteiros sexuais e afetivos menos conservadores e engessados em uma lógica restritiva, punitiva e inflexível, o que deve ser permanentemente capturado pela literatura da área.


Palavras-chave


comportamento materno; gravidez; sexualidade; feminismo

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Anjos, K. P. L., & Lima, M. L. C. (2016). Gênero, sexualidade e subjetividade: algumas questões incômodas para a psicologia. Psicologia em Pesquisa, 10(2), 49-56. doi: https://doi.org/10.24879/201600100020059

Araújo, I. A., Queiroz, A. B. A., Moura, M. A. V., & Penna, L. H. G. (2013). Representações sociais da vida sexual de mulheres no climatério atendidas em serviços públicos de saúde. Texto & Contexto Enfermagem, 22(1), 114-122. doi: https://doi.org/10.24879/201600100020059

Araújo, N. M., Salim, N. R., Gualda, D. M. R., & Silva, L. C. F. P. (2012). Corpo e sexualidade na gravidez. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(3), 552-558. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000300004

Badinter, E. (1980). Um amor conquistado: o mito do amor materno. (W. Dutra, Trad.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira S/A.

Butler, J. (1990). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. (R. Aguiar, Trad.). Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

Cadoná, E., & Strey, M. N. (2012). A construção do sujeito materno: problematizando práticas à luz dos estudos feministas. In M. N. Strey, A. Botton, E. Cadoná, & Y. A. Palma (Orgs.), Gênero e ciclos vitais: desafios, problematizações e perspectivas (pp. 95-124). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Caetano, C., Martins, M. S., & Motta, R. C. (2016). Família contemporânea: estudo de casais sem filhos por opção. Pensando Famílias, 20(1), 43-56.

Campos, M. T. A., & De Tilio, R. (2017). Gênero e família: história, conflitos e possibilidades de reconfiguração. In C. A. Chapadeiro, C. A. Serralha & M. F. D. Hueb (Eds.), Questões de família (pp.149-162). Curitiba: CRV.

Carvalho, T. A. M. (2013). Determinantes da satisfação conjugal: felicidade, bem estar subjetivo, personalidade e satisfação sexual. (Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Portuguesa, Portugal). Retrieved from https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/15223.

Diniz, G., & Coelho, V. (2005). A história e as histórias de mulheres sobre o casamento e a família. In T. Féres-Carneiro (Org.), Família e casal: efeitos da contemporaneidade (pp. 138-157). Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio.

Fernandes, E., & Lacerda, M. M. (2012). Sem filhos por opção: casais, solteiros e muitas razões para não ter filhos. São Paulo: Nversos.

Fidelis, D. Q., & Mosmann, C. P. (2013). A não maternidade na contemporaneidade: um estudo com mulheres sem filhos acima dos 45 anos. Aletheia, 42(1), 122-135.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade I: a vontade de saber. (M. T. C. Albuquerque e J. A. G. Albuquerque, Trads.). Rio de Janeiro: Graal Ltda.

Furlani, J. (2003). Mitos e tabus da sexualidade humana. Belo Horizonte: Autêntica.

Gradvohl, S. M. O., Osis, M. J. D., & Makuch, M. Y. (2014). Maternidade e formas de maternagem desde a Idade Média à atualidade. Pensando Famílias, 18(1), 55-62.

Grizólio, T. C., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2015). A percepção da parentalidade de cônjuges engajados em casamentos de longa duração. Psicologia em Estudo, 20(4), 663-674. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v20i4.29536

Leis, L., Busso, C. E., Antunes Júnior, N. A., Tognotti, E., Tso, L. O., & Busso, N. E. (2013). Avaliação da sexualidade de mulheres inférteis. Reprodução & Climatério, 27(3), 86-90. doi: https://doi.org/10.1016/j.recli.2013.03.001

Lima, J. B. (2009). Maternidade e antimaternidade lúcida: a escolha é sua. Rio de Janeiro: HAMA Editora.

Machado, J. S. A., & Penna, C. M. M. (2016). Reprodução feminina e saúde sob os olhares de mulheres sem filhos. Revista Mineira de Enfermagem, 20(1), 1-7.

Mansur, L. H. B. (2003). Sem filhos: a mulher singular no plural. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, K. D. S, Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 17(4), 758-764. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Patias, N. D., & Buaes, C. S. (2012). “Tem que ser uma escolha da mulher!” Representações de maternidade em mulheres não-mães por opção. Psicologia & Sociedade, 24(2), 300-306. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000200007

Prado, D. S., & Lima, R. V. (2013). Impacto da gestação na função sexual feminina. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 35(5), 205-209. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-72032013000500003

Rocha, G. H. S., Benute, G. R. G., Santos, N. O., Lucia, M. C. S., & Francisco, R. P. V. (2012). Crenças relacionadas à natureza feminina frente à gestação e ao vínculo materno-fetal. Psicologia Hospitalar, 10(2), 79-94.

Rocha, M. G. F., Vieira, J. L. B., Nascimento, E. G. C., & Alchiere, J. C. (2014). Viver a sexualidade feminina no ciclo gravídico. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 18(3), 209-218. doi.org/10.4034/RBCS.2014.18.03.04

Rocha-Coutinho, M. L. (2012). “Mulher moderna é assim, dá conta de tudo...” A difícil arte de equilibrar trabalho e família. In M. N. Strey, A. Botton, E. Cadoná, & Y. A. Palma (Orgs.), Gênero e ciclos vitais: desafios, problematizações e perspectivas (pp. 193-220). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Rosado, J. S., Barbosa, P. V., & Wagner, A. (2016). Ajustamento conjugal: a função das características individuais, do casal e do contexto. Psicologia em Pesquisa, 10(1), 26-33. doi: https://doi.org/10.24879/201600100010044

Saldanha, M., Von Muhlen, B. K., & Strey, M. (2012). O homem maternante: mudanças à vista? In M. N. Strey, A. Botton, E. Cadoná, & Y. A. Palma (Orgs.), Gênero e ciclos vitais: desafios, problematizações e perspectivas (pp. 147-168). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Sanches, M. A., & Simão-Silva, D. P. (2016). Planejamento familiar: do que estamos falando? Revista Bioética, 24(1), 73-82. doi: https://doi.org/10.1590/1983-80422016241108

Silva, I. M., & Frizzo, G. B. (2014). Ter ou não ter? Uma revisão da literatura sobre casais sem filhos por opção. Pensando Famílias, 18(2), 48-61.

Strey, M. N. (2012). Gênero e ciclos vitais. In M. N. Strey, A. Botton, E. Cadoná, & Y. A. Palma (Org.), Gênero e ciclos vitais: desafios, problematizações e perspectivas (pp. 7-22). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Viana, D. F., Barrêto, A. J. R., Fonseca, E. N. R., Costa, C. B. A., & Soares, M. J. G. O. (2013). Vivência da sexualidade feminina no período gestacional: à luz da história oral temática. Ciência, Cuidado e Saúde, 12(1), 88-95. doi: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v12i1.10691

Vilar, J. O. V., & Rabinovich, E. P. (2014). Tipos de conjugalidade e sexualidade na transição para a parentalidade de mulheres de classe média de Salvador, Bahia. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(1), 29-46. doi: https://doi.org/10.12957/epp.2014.10478

Zulato-Barbosa, P., & Rocha-Coutinho, M. L. (2012). Ser mulher hoje: a visão de mulheres que não desejam ter filhos. Psicologia & Sociedade, 24(3), 577-587. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000300011




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2018.v10i1.2316

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Fabio Física Scorsolini-Comin, Ana Julia Queiroz Farinha

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  circ.png