Consequências psicossociais atreladas ao consumo precoce de bebida alcoólica

Giovana Rodrigues, Cris Aline Krindges

Resumo


O presente estudo teve como objetivo investigar as consequências psicossociais atreladas ao inicio precoce de consumo de álcool na adolescência em adultos que fizeram uso abusivo de bebida alcoólica. Participaram deste estudo dois homens maiores de 18 anos de idade, vinculados ao grupo de etilistas do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de um município do Rio Grande do Sul. A pesquisa teve como base a abordagem qualitativa e foi de cunho exploratório a partir de estudos de casos coletivos. Para obtenção dos dados utilizou-se questionário sociodemográfico e entrevista semiestruturada. Com este estudo compreendeu-se que a família se mostrou como principal influenciadora do consumo precoce, e esse início pode ter influenciado os participantes a consumirem abusivamente o álcool na idade adulta. Além disso, causou prejuízos ao longo de seu desenvolvimento, como laços afetivos prejudicados com seus familiares e dificuldades laborais. Por fim, o CAPS mostrou-se como importante aliado no tratamento dessas pessoas, ao auxiliar no reestabelecimento de vínculos com seus familiares e proporcionar um ambiente livre de julgamentos.

Palavras-chaves: Abuso de álcool, adolescência, serviços de saúde mental, homens adultos


Texto completo:

PDF HTML

Referências


Almeida, R. M. M., Trentini, L. B., Klein, L. A., Macuglia, G. R., & Hammer, C, Tesmmer, M. (2014). Uso de Álcool, Drogas, Níveis de Impulsividade e Agressividade em Adolescentes do Rio Grande do Sul. Psico, 45(1), 65-72. doi: https://doi.org/10.15448/1980-8623.2014.1.12727

American Psychiatric Association – APA. (2014). Manual Diagnostico e Estatístico de Transtornos Mentais – 5. Porto Alegre: Artmed.

Azevedo, D. M., & Miranda, F. A. N. (2011). Oficinas Terapêuticas como Instrumento de Reabilitação Psicossocial: Percepção de Familiares. Escola Anna Nery, 15(2), 339-345. Retirado de: http://www.scielo.br/pdf/ean/v15n2/v15n2a17

Barroso, T. M. M. D. A., Mendes, A. M. O. C, & Barbosa, A. J. F. (2013). Programa de prevenção do uso/abuso de álcool para adolescentes em contexto escolar: parar para pensar. Escola Anna Nery, 17(3), 466-473. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452013000300009

Brasil. (2008). Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Ministério da Saúde.

Braun, L. M., Dellazzana-Zanon, L. L., & Halpern, S. C. (2014). A família do usuário de drogas no CAPS: um relato de experiência. Revista SPAGESP, 15(2), 122-144. Retirado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702014000200010

Breakwell, G.M., Hammond, S., Fife-Schaw, C., & Smith, J.A. (2010). Métodos de Pesquisa em Psicologia. 3a Ed. Porto Alegre, Artmed.

Casotti, C. A., Ferreira, L. N., & Sales, Z. N., (2011). Perfil do consumo de bebidas alcoólicas e fatores associados em um município do Nordeste do Brasil. Caderno de Saúde Pública, 27(8), 1473-1486. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000800003

Castro, T.G., Abs, D., & Sarriera, J.C. (2011). Análise de conteúdo em pesquisas de Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(4), 814-825. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-98932011000400011

Conselho Federal de Psicologia (2013). Referências Técnicas para Atuação de Psicólogas (os) no CAPS - Centro de Atenção Psicossocial. Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas – CREPOP. (1ª ed.). Brasília.

Faria Filho, E. A., Queiros, P. S., Medeiros, M., Rosso, C. F. W., & Souza, M. M. (2015). Concepções sobre drogas por adolescentes escolares. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(3), 517-523. doi. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2015680320i

Galvanese, A. T. C., Nascimento, A. F., & D’Oliveira, A. F. P. L. (2013). Arte, cultura e cuidado nos centros de atenção psicossocial. Revista de Saúde Pública. 47(2), 360-367. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047003487

Garcia, L. P., & Freitas, L. R. S. (2015). Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Revista Epidemiológica e Serviços de Saúde 24(2), 227-237. doi: 10.5123/S1679-49742015000200005

Luz, H. H. V., & Silva, V. X. (2016). As implicações do alcoolismo na vida social e familiar do indivíduo dependente. Retirado de: http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/trabalhos/as-implicacoes-do-alcoolismo-na-vidasocial-e-familiar-do-individuo-dependente/

MacRae, E. (2013). A história e os contextos socioculturais do uso de drogas. In: Sujeito, contextos e drogas. Prevenção do uso de drogas. Capacitação para conselheiro e lideranças comunitárias. Florianópolis: UFSC. Retirado de: http://conselheiros6.nute.ufsc.br/wp-content/uploads/2014/10/livro-texto.pdf

Malta, D. C, Mascarenhas, M. M, Porto, D. L, Barreto, S., & Morais Neto, O. (2014). Exposição ao álcool entre escolares e fatores associados. Revista de Saúde Pública, 48(1), 52-62. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004563

Martins, E. M., & Junior, G. F. (2012). O alcoolismo e suas consequências na estrutura familiar. Revista Saúde e Desenvolvimento, 1(2), 44-59. Retirado de: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/download/61/60

Melo, L. G. (2015). Drogas na adolescência: informação para prevenção. (Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil).

Ministério da Saúde. (1999). Secretaria de Políticas de Saúde. Saúde do Adolescente e do Jovem. Cadernos, Juventude e desenvolvimento. Distrito Federal: Brasília.

Ministério da Saúde. (2004). Legislação em saúde mental: 1990-2004. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2011). Saúde Mental no SUS: As Novas Fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Brasília: Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas.

Ministério da Saúde. (2014). Portal da Saúde – SUS. CAPS - Centro de Atenção Psicossocial. Distrito Federal: Brasília. Retirado de: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/803-sas-raiz/daet-raiz/saude-mental/l2-saude-mental/12609-caps

Ministério da Saúde. (2014). Saúde do Adolescente e do Jovem. Distrito Federal: Brasília. Retirado de: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/520-sas-raiz/dapes/saude-do-adolescente-e-do-jovem/l3-saude-do-adolescente-e-do-jovem/10474-drogas

Nascimento, A. S. (2014). O cotidiano de crianças e adolescentes que convivem com alcoolismo na família. (Trabalho de conclusão de curso, Universidade de Brasília, Brasília Distrito Federal). Retirado de: http://bdm.unb.br/handle/10483/8093

Nascimento, L. T. R. do, Souza, J. de, & Gaino, L.V. (2015). Relacionamento entre familiar e usuário de álcool em tratamento em um centro de atenção psicossocial especializado. Texto & Contexto - Enfermagem, 24(3), 834-841. https://doi.org/10.1590/0104-07072015003610013

Paiva, P.C.P, Paiva, H. N. de., Lamounier, J.A., Ferreira, E.F., César, C.A.S., & Zarzar, P.M. (2015). Consumo de álcool em binge por adolescentes escolares de 12 anos de idade e sua associação com sexo, condição socioeconômica e consumo de álcool por melhores amigos e familiares. Ciência e saúde coletiva, 20(11). doi. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.18792014

Rozin, L., & Zagonel, I. P. S., (2012). Fatores de risco para dependência de álcool em adolescentes. Escola Paulista de Enfermagem, 25(2), 314-318. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000200025

Santos, A. C. W. (2014). Uso de Álcool e Outras Drogas entre Jovens Órfãos cujos Pais Morreram de Aids na Cidade de São Paulo. (Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil). Retirado de: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-01102014.../santosana_corrigida.pdf

Silva, S. D., & Padilha. M. I. (2013). O alcoolismo na história de vida de adolescentes: uma análise à luz das representações sociais. Texto e Contexto em Enfermagem, 22(3), 574-584. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000300002

Silva, D. L. S. e, Torrezan, M. B., Costa, J.V., Garcia, A. P. R. F., & Toledo, V.P. (2017). Perfil Sóciodemográfico e Epidemiológico dos Usuários de Um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas. Revista de enfermagem e atenção saúde, 6(1), 67-79. Retirado de: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/viewFile/1659/pdf

Wagner, A., Falcke, D., Silveira, L., & Mossmann, C. (2002). A comunicação em famílias com filhos adolescentes. Psicologia em Estudo, 7, 75-80. Retirado de: www.scielo.br/pdf/pe/v7n1/v7n1a08.pdf

Wandekoken, K. D., & Siqueira, M. M. (2011). A relação familiar como fator de risco ou proteção para uso de drogas ilícitas. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 4(13), 99-104. doi: https://doi.org/10.4034/RBCS.2012.16.01.15

Zappe, J. G. (2014). Comportamento de risco na adolescência: aspectos pessoais e contextuais. (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil). Retirado de: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/115076




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i2.2087

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Giovana Rodrigues, Cris Aline Krindges

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg   Google Scholar
  erihplus.png  
circ.png
 SIS