Uma Investigação Epistemológica dos Paradigmas em Saúde Emocional

Ricardo Chiaradia

Resumo


O presente artigo tem por objetivo identificar como determinados paradigmas se estabeleceram e originaram determinadas teorias psicológicas/filosóficas com repercussão na área da saúde emocional. Devido à complexidade do objetivo, aborda-se uma posição investigativa-crítica de que as ciências humanas se constituem através de práticas discursivas, o que automaticamente, envolve paradigmas de como a linguagem objetiva da ciência psicológica relaciona-se com a linguagem subjetiva do indivíduo. O método de revisão narrativa através da literatura científica busca englobar uma compreensão do reducionismo produzido pelo pensamento cartesiano ao longo dos séculos, e as diversas correntes de pensamentos: Psicanálise Freudiana, Psiquiatria Humanista, Fenomenologia, Testagem e Avaliação Psicológica. Após a discussão teórica sobre as dificuldades, facilitações e paradigmas qual cada teoria possui, através da familiaridade proporcionada com analogias de personagens de literatura fictícia, conclui-se necessário uma plataforma cultural-científica do profissional que envolva não apenas a compreensão abstrata da teoria, mas também, as possíveis representatividades fanáticas da profissão geradas pelo senso comum, o que envolve a finalidade daquela profissão.

Palavras-chave: Epistemologia, Crítica, Psiquiatria Humanista


Texto completo:

PDF HTML

Referências


Alves, R. (2013). Ao professor, com o meu carinho. (2ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: Pegue & Leve. (Obra original publicada em 2004).

Bachelard G. (1988) A Poética do Devaneio. (1ªed.). (A. de P. Danesi, Trad.). São Paulo. SP: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1960).

Bonomi, A. (1974). Fenomenologia e Estruturalismo (J. P. Monteiro, P. P. & M. A. Alves, Trads.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Castro, T. G. de, Gomes, W. B. (2015). Fenomenologia e Psicologia Experimental no Início do Século XX. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 31(3), 403-410. doi: https://doi.org/10.1590/0102-37722015032125403410

Castro, T. G. de, Gomes, W. B. (2011). Movimento Fenomenológico: Controvérsias e Perspectivas na Pesquisa Psicológica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(2), 233-240.

Comte, Auguste (1978). Curso de filosofia positiva; Discurso sobre o espírito positivo; Discurso preliminar sobre o conjunto do positivismo; Catecismo positivista. (J. A. Giannotti & M. Lemos, Trads.). São Paulo, SP: Abril Cultural. (Obras publicadas originalmente no século XIX).

Coquet, J-C (2013). A busca do sentido: a linguagem em questão (1ª ed.). (D. F. Cruz, Trad.). São Paulo, SP: WMF Martins Fontes.

Cruz, R. M., Alchieri J. C., Sardá J. J. JR. (2007). Avaliação e medidas psicológicas: produção do conhecimento e da intervenção profissional. Porto Alegre, RS: Casa do Psicólogo.

Descartes, R. (2011). Discurso do método (ed. especial). (J. C. Costa, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira. (Obra original publicada em 1637).

Facchinetti, C. (2008). Philippe Pinel e os primórdios da Medicina Mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11(3), 502-505.

Foucault, M. (1999). A ordem do discurso (5ª ed.). (L. F. de A. Sampaio, Trad.). São Paulo, SP: Edições Loyola. (Obra original publicada em 1970).

Foucault, M. (2007). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas (9ª ed.). (S. T. Muchail, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1966).

Freud, S. (2016). Estudos sobre a histeria (1893-1895) em coautoria com Josef Breuer (1ª ed.). (L. Barreto, Trad.) São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Freud, S. (2015). O delírio e os sonhos na Gradiva, análise da fobia de um garoto de cinco anos e outros textos (1906 – 1909) (1ª ed.) (P. C. de Souza, Trad.) São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Freud, S. (2016). Obras completas, volume 6: três ensaios sobre a teoria da sexualidade, análise fragmentária de uma histeria (“O caso Dora”) e outros textos (1901-1905) (1ª ed.). (P. C. de Souza, Trad.). São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Freud, S. (2013). Observações sobre um caso de neurose obsessiva [“O homem dos ratos”], uma recordação de infância de Leonardo da Vinci e outros textos (1909-1910) (1ª ed.). (P. C. de Souza, Trad.) São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Goleman, D. (1995). Inteligência Emocional (19ª ed.). (M. Santarrita, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Objetiva. (Obra original publicada em 1995).

Hutz, C. S. (2009). Avanços e polêmicas em avaliação psicológica. Porto Alegre, RS: Casa do Psicólogo.

Kuhn, T. S. (2013) A estrutura das revoluções científicas. (12ª ed). (B. V. Boeira & N. Boeira, Trads.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Mallarmé, S. (2015). Poemas. (ed. especial). (J. L. Grünewald, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira. (Conto Igitur publicado originalmente em 1925).

Medeiros, R. H. A. de (1998) A Psicanálise não é uma ciência. Mas, quem se importa? Psicologia Ciência e Profissão, 18(3), 22-27.

Miomotto, M. L. (2016) Da psicologia à questão da “morte do homem” em Michel Foucault. Trans/Form/Ação, 39(2), 119-146.

Nietzsche, F. (1999). Nietzsche – Vida e obra. (R. R. T. Filho, Trad.). São Paulo: Nova Cultural. (Obra original publicada em 1873).

Pinel, P. (2007). Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania. (1ª ed.). (J. A. Galli, Trad.). Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS. (Obra original publicada em 1800).

Popper, K. R. (2016). A lógica da pesquisa científica. (2ª ed.). (L. Hegenberg & O. S. da Mota, Trads.). São Paulo, SP: Cultrix. (Obra original publicada em 1934).

Rodrigues, N. (2015). Viúva, porém honesta: farsa irresponsável em três atos: peça psicológica. (ed. especial). Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira. (1ª montagem no Teatro São Jorge, Rio de Janeiro em 13 de setembro 1957).

Saint-Exupéry, de A. (2014). Terra dos homens. (ed. especial). (R. Braga, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira. (Obra original publicada em 1939).

Sartre, J. P. (2014). Esboço para uma teoria das emoções. (ed. L&PM POCKET PLUS; v.500) (P. Neves, Trad.). Porto Alegre, RS: L&PM. (Obra original publicada em 1939).

Shimoguirir, A. F. D. T., Costa-Rosa, A. da (2017). Do tratamento moral à atenção psicossocial: a terapia ocupacional a partir da reforma psiquiátrica brasileira. Interface: Comunicação, Saúde Educação. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0202




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i2.1858

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista de Psicologia da IMED

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png