A Religiosidade em Adolescentes Brasileiros

Guilherme Machado Jahn, Débora Dalbosco Dell'Aglio

Resumo


A religiosidade tem sido considerada importante fator de proteção na adolescência, associada inversamente a comportamentos de risco. Este trabalho teve por objetivo investigar a religiosidade em adolescentes brasileiros. Participaram 2573 jovens, 58,1% meninas e 41,9% meninos, com idades entre 12 e 18 anos (M=15,67; DP=1,45), estudantes de escolas públicas das cinco regiões do país: Fortaleza (nordeste), Belém (norte), Vitória e Grande Vitória (sudeste), Hidrolândia (Goiás, centro-oeste), Porto Alegre e Rio Grande (sul). Os participantes responderam ao Questionário da Juventude Brasileira, que investiga fatores de risco e proteção, e para este estudo foram utilizadas as questões sociodemográficas e sobre religião, e uma versão adaptada da Escala de Religiosidade. Foram observadas médias mais altas nos escores na Escala de Religiosidade entre as meninas e entre os adolescentes mais velhos, assim como diferenças entre as regiões do país e entre os tipos de religião, com diferenças significativas. Foram observados mais aspectos pessoais na religiosidade dos adolescentes do que aspectos institucionais. Diferenças regionais podem refletir aspectos culturais, que poderão ser investigados em estudos futuros.


Texto completo:

PDF HTML

Referências


Allport, G. W., & Ross, J. M. (1967). Personal religious orientation and prejudice. Journal of Personality and Social Psychology, 5(4), 432-443.

Andrade, M. O. (2009). A religiosidade brasileira: o pluralismo religioso, a diversidade de crenças e o processo sincrético. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, 14,106-118.

Antunes, C., & Fontaine, A. M. (1996). Relação entre conceito de si próprio e a percepção social de apoio na adolescência. Cadernos de Consulta Psicológica, 12, 81-92.

Applegate, B. K., Cullen, F. T., Fisher, B. S., & Ven, T. V. (2000). Forgiveness and fundamentalism: reconsidering the relationship between correctional attitudes and religion. Criminology, 38(3), 719-754.

Bezerra, J., Barros, M. V. G., Tenório, M. C. M., Tassitano, R. M., Barros, S. S. H., & Hallal, P. C. (2009). Religiosidade, consumo de bebidas alcoólicas e tabagismo em adolescentes. Revista Panamericana de Salud Publica, 26(5), 440-446.

Cerqueira-Santos, E., & Koller, S. H. (2009). A dimensão psicossocial da religiosidade entre os jovens brasileiros. In R. M. C. Libório & S. H. Koller (Eds.), Adolescência e juventude: risco e proteção na realidade brasileira (pp. 133-154). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cerqueira-Santos, E., & Koller, S. H. (2016). Sexual risk-taking behavior: The role of religiosity among poor Brazilian youth. Universitas Psychologica, 15, 1-x.

Cerqueira-Santos, E., Koller, S. H., & Wilcox, B. (2008). Condom use, contraceptive methods, and religiosity among youths of low socioeconomic level. Spanish Journal of Psychology, 11, 94-102.

Dalgalarrondo, P., Soldera, M. A., Corrêa Filho, H. R., & Silva, C. A. M. (2004). Religião e uso de drogas por adolescentes. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(2), 82-90.

Dalgalarrondo, P. (2008). Religião, psicopatologia e saúde mental. Porto Alegre: Artmed.

Dell’Aglio, D. D., Koller, S. H., Cerqueira-Santos, E., & Colaço, V. (2011). Revisando o Questionário da Juventude Brasileira: uma nova proposta. In D. D. Dell’Aglio & S. H. Koller (Eds.), Adolescência e juventude: Vulnerabilidade e contextos de proteção (pp. 259-270). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dias, M. L. V. (2011). Religiosidade e comportamento desviante na adolescência: Dados de um estudo empírico. Revista Portuguesa de Pedagogia, 45(1), 5-23.

Fernandes, D. (2013). Juventudes, geografia e religião: Reflexões a partir das noções de forma simbólica e habitus. RAEGA - O Espaço Geográfico em Análise, 27, 67-93.

Gonçalves, T. R., Pawlowski, J., Bandeira, D. R., & Piccinini, C. A. (2011). Avaliação de apoio social em estudos brasileiros: Aspectos conceituais e instrumentos. Ciência e Saúde Coletiva, 16(3), 1755-1769.

Good, M., & Willoughby, T. (2008). Adolescence as a sensitive period for spiritual development. Child Development Perspectives, 2(1), 32-37.

Good, M., Willoughby, T., & Busseri, M. A. (2011). Stability and change in adolescent spirituality/religiosity: A person-centered approach. Developmental Psychology, 47(2), 538-550.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Censo demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Retrieved from http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=794 in 15 de Julho de 2014.

Koenig, H. G. (2008). Concerns about measuring “Spirituality” in research. The Journal of Nervous and Mental Disease, 192(5), 349-355.

Laird, R. D., Marks, L. D., & Marrero, M. D. (2011). Religiosity, self-control, and antisocial behavior: Religiosity as a promotive and protective factor. Journal of Applied Developmental Psychology, 32, 78-85.

Marques, L. F., Cerqueira-Santos, E., & Dell’Aglio, D. D. (2011). Religiosidade e identidade positiva na adolescência. In D. D. Dell'Aglio & S. H. Koller (Eds.), Adolescência e juventude: Vulnerabilidade e contextos de proteção (pp. 77-108). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Martins, C. H. S., & Carrano, P. C. R. (2011). A escola diante das culturas juvenis: reconhecer para dialogar. Educação, 36(1), 43-56.

Miller, W. R., & Thoresen, C. E. (2003). Spirituality, religion, and health: An emerging research field. American Psychologist, 58(1), 24-35.

Moreira-Almeida, A., & Koenig, H. G. (2006). Retaining the meaning of the words religiousness and spirituality: a comment on the WHOQOL SRBP group’s “A cross-cultural study of spirituality, religion, and personal beliefs as component of quality of life”. Social Science & Medicine, 63, 843-845.

Moreira-Almeida, A., Pinsky, I., Zaleski, M., & Laranjeira, R. (2010). Envolvimento religioso e fatores sociodemográficos: Resultados de um levantamento nacional no Brasil. Revista de Psiquiatria Clínica, 37(1), 12-15.

Neri, M. C., & Melo, L. C. C. (2011). Novo mapa das religiões. Horizonte, 9(23), 637-673.

Oliveira, P. D. A. R., & Panasiewicz, R. (2014). Tendências religiosas entre a população universitária: um estudo de caso. Horizonte, 12(36), 1160-1189.

Pace, S. (2014). Effects of intrinsic and extrinsic religiosity on attitudes toward products: Empirical evidence of value-expressive and social-adjustive functions. The Journal of Applied Business Research, 30(4), 1227-1238.

Ribeiro, F. M. L., & Minayo, M. C. S. (2014). O papel da religião na promoção da saúde, na prevenção da violência e na reabilitação de pessoas envolvidas com a criminalidade: uma revisão de literatura. Ciências e Saúde Coletiva, 19(6), 1773-1789.

Roehlkepartain, E. C., Benson, P. L., King, P. E., & Wagener, L. M. (2006). Spiritual development in childhood and adolescence: moving to the scientific mainstream. In E. C. Roehlkepartain, P. L. King, L. M. Wagener, & P. L. Benson (Eds.), The handbook of spiritual development in childhood and adolescence (pp. 1-15). Thousand Oaks: Sage.

Rosado-Nunes, M. J. (2005). Gênero e religião. Estudos Feministas, 13(2), 363-365.

Rotter, J. B. (1990). Internal versus external control of reinforcement: A case history of a variable. American Psychologist, 45(4), 489-493.

Stolz, H. E., Olsen, J. A., Henke, T. M., & Barber, B. K. (2013). Adolescent religiosity and psychosocial functioning: Investigating the roles of religious tradition, national-ethnic group, and gender. Child Development Research, 2013, 1-13.

Stroppa, A., & Moreira-Almeida, A. (2008). Religiosidade e saúde. In M. I. Salgado & G. Freire (Eds.), Saúde e espiritualidade: Uma nova visão da medicina (pp. 427-443). Belo Horizonte: Inede.

Velho, M. T. A. C., Quintana, A. M., & Rossi, A. G. (2013). Adolescência, autonomia e pesquisas em seres humanos. Revista Bioética, 22(1), 76-84.

Yonker, J. E., Schnabelrauch, C. A., & DeHaan, L. G. (2012). The relationship between spirituality and religiosity on psychological outcomes in adolescents and emerging adults: A meta-analytic review. Journal of Adolescence, 35, 299-314.

Yu, M., & Stiffman, A. R. (2010). Positive family relationships and religious affiliation as mediators between negative environment and illicit drug symptoms in American Indian adolescents. Addictive Behaviors, 35(7), 694-699.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i1.1541

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista de Psicologia da IMED

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

  Periódicos CAPES
DOAJ.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
latindex.jpg
  Diadorim.jpg  SIS
  erihplus.png  
circ.png