Sintomas Depressivos, Sintomas Ansiosos, Dismorfismo Corporal e Esquemas Cognitivos Disfuncionais em Universitários

Gabriela Perin, Vinícius Renato Thomé Ferreira

Resumo


A forma como percebemos o corpo tem a ver com os aspectos cognitivos, afetivos e sociais. A cultura
tem uma forte influência no ideal de corpo e a sociedade está cada vez mais exigente em relação ao
padrão de beleza; estes comportamentos podem estar associados a distorções cognitivas. Objetivou-se
levantar a prevalência de sintomas corporais, sintomas depressivos, sintomas de ansiedade e esquemas
iniciais desadaptativos numa amostra de 55 universitários. Os resultados apontaram que houve presença
mínima de sintomas depressivos, de ansiedade, distorções corporais e de esquemas cognitivos
disfuncionais; entretanto houve uma maior prevalência de sintomas corporais no sexo feminino que no
masculino. O grupo com mais sintomas corporais apresentou mais sintomas depressivos, de ansiedade
e de esquemas cognitivos disfuncionais, sugerindo um fator de vulnerabilidade para psicopatologias.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, S. (2003). Saúde e beleza do corpo feminino: algumas representações no Brasil do século XX. Movimento, 9, 1, 119-43.

Andrade, L. H. S. G., Viana, M. C. & Silveira, C. M. (2006). Epidemiologia dos transtornos psiquiátricos na mulher. Revista de Psiquiatria Clínica, 33, 2, 43-54.

Barros, D. D. (2005). Imagem corporal: a descoberta de si mesmo. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 12, 2, 547-54.

Beatty, D. F. S. C. (1995). Position of the American Dietetic Association and the Canadian Dietetic Association: women’s health and nutrition. J. Am. Diet. Assoc., 95, 362-6.

Beck, J. S. (1997). Terapia cognitiva: teoria e prática. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bucaretchi, H. A. (2003). Anorexia e Bulimia Nervosa: uma visão multidisciplinar. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Bruhns, H. (1989). Conversando sobre o corpo. 2 ed. Campinas: Papirus.

Damasceno, V. O., Lima, J.R.P.; Vianna, J. M., Vianna, V. R. A. & Novaes, J. S. (2005). Tipo físico ideal e satisfação com a imagem corporal de praticantes de caminhada. Rev. Bras. Med. Esporte, 11, 3.

Dancey, C. P. & Reidy, J. R. (2013). Estatística sem matemática para a psicologia. 5 ed. Porto Alegre: Artmed.

Davison, T. E. & Mccabe, M. P. (2006). Adolescent body image and psychosocial functioning. The Journal of Social Psychology, 146, 15-30.

Capoani, S. N. C. & Neto, P. P. (2007). A medicalização da beleza. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 11, 23, 569-584.

Cazassa, M. J. (2007). Mapeamento de esquemas cognitivos: validação da versão brasileira do young schema questionnaire–short form. Dissertação de mestrado: Porto Alegre, PUCRS.

Cunha, J. A. (2001). Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo.

De Freitas, C. M. S. M., Lima, R. B. T., Costa, A. S. & Lucena Filho, A. (2010) O padrão de beleza corporal sobre o corpo feminino mediante o IMC. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, 24, 3, 389-404.

Di Pietro, M. & Silveira, D. X. (2009). Internal validity, dimensionality and performance of the Body Shape Questionnaire in a group of Brazilian college students. Rev. Bras. Psiquiatr. 31, 1.

Duarte, A. L. C., Nunes, M. L. T. & Kristensen, C. H. (2008). Esquemas desadaptativos: revisão sistemática qualitativa. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 4, 1.

APA (2014). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. Ed.rev. Porto Alegre: Artmed, 2014.

Ferreira, M. E. C., De Castro, A. P. A. & Gomes, G. (2008). A obsessão masculina pelo corpo: malhado, forte e sarado. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 27, 1.

Ferreira, V. R. T. (não publicado). Levantamento da Intensidade de Sintomas Depressivos –LIS-D. Passo Fundo.

Ghaderi, A. (2005). Psychometric properties of the self-concept questionaire. European Journal of Psychological Assessment, 21, 139-146.

Koenig, L. J. & Wasserman, E. L. (1995). Body image and dieting failure in college men and women: Examining links between depression and eating problems. Sex roles, 32, 3-4, 225-249.

Lupton, D. (2000). Corpos, prazeres e práticas do eu. Educação e Realidade, 25, 2, 15-48.

Nagel, K. & Jones, K. (1992). Sociological factors in the development of eating disorders. Adolescence, 27, 107-113.

O'dea, J. A. (2006). Self-concept, self-esteem and body weight in adolescent females: A three-year longitudinal study. Journal of Health Psychology, 11, 599-611.

Paxton, S. J., Wertheim, E. M., Gibbons, K. & Szmukler, G. I. (1991) Body image satisfaction, dieting beliefs and weight loss behaviors in adolescent girls and boys. Journal of Youth and Adolescence, 20, 3, 361-379.

Rosen, J. C., Srebnik, D. Saltzberg, E. & Wendt, S. (1991). Development of a Body Image Avoidance Questionnaire. Psychological Assessment, 3, 32-37.

Savoia, M. G. (2000). Diagnóstico diferencial entre fobia social e transtorno dismórfico corporal. Revista de Psiquiatria Clínica, 27, 6, 316-318.

Saikali, C. J., Soubhia, C. S., Scalfaro, B. M. & Cordás, T. A. (2004). Imagem corporal nos Transtornos Alimentares. Revista de Psiquiatria Clínica, 31, 4.

Schilder, P. (1999). A imagem do corpo: as energias construtivas da psique. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Slade, P. D. (1994). What is body image? Behavioral Research Therapy, 32, 5, 497-502.

Tavares, M. C. C. (2003). Imagem corporal: conceito e desenvolvimento. Barueri: Manole.

Thompson, J. K. (1996). Body Image, Eating Disorders and Obesity. Washington D.C.: American Psychological Association.

Wichstrom, L. (1995). Social, psychological and physical correlates of eating problems: A study of the general adolescent population in Norway. Psychological Medicine, 25, 3, 567-579.

Young, J. E., Klosko, J. S. & Weishaar, M. E. (2008). Terapia do esquema: guia de técnicas cognitivo-comportamentais inovadoras. Porto Alegre: Artmed.

Young, J. E. (2003). Terapia cognitiva para transtornos da personalidade: uma abordagem focada em esquemas. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p30-37

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png