Concepções do conceito de competência no contexto da psicologia do trabalho: da perspectiva individualista à perspectiva histórico-cultural

Etienne Andrade de Medeiros Dantas, Alda Karoline Lima da Silva, Flávio Fernandes Fontes, Jorge Tarcísio Da Rocha Falcão

Resumo


O presente artigo discute como as mudanças no mundo do trabalho têm influenciado no desenvolvimento do conceito de competências para psicologia do trabalho. Parte-se de uma visão individualista sobre competência, onde o indivíduo é exclusivamente responsável pelo desenvolvimento da mesma, para uma visão amparada na perspectiva histórico-cultural. Nesta última, a competência é desenvolvida e avaliada quando utilizada em contexto real de trabalho, na maneira como o indivíduo a enfrenta e como mobiliza a rede de atores sociais para resolver as situações. Dessa forma, apresenta-se possíveis consequências que a perspectiva histórico-cultural traz tanto para a abordagem do desempenho quanto para o desenvolvimento da qualificação profissional, principalmente no que se refere à transmissão escolar e extra-escolar das competências.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, G. (2007). Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios de sociologia do trabalho (2 ed.). Londrina: Praxis.

Antunes, R. (2003). O caráter polissêmico e multifacetado do mundo do trabalho. Trabalho, Educação e Saúde, 1(2), 53-61. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462003000200004

Antunes, R. (2009). Os sentidos do Trabalho: ensaios sobre a afirmação e negação do trabalho (2 ed.). São Paulo: Boitempo.

Bastos, A. V. B. (2006). Trabalho e qualificação: questões conceituais e desafios postos pelo cenário de reestruturação produtiva. In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad, & L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (p. 23-40). Porto Alegre: Artmed.

Bendassolli, P. F., & da Rocha Falcão, J. T. (2013). Psicologia social do trabalho sujo: revendo conceitos e pensando em possibilidades teóricas para a agenda da psicologia nos contextos de trabalho. Universitas Psychologica, 12(4), 1155-1168.

Benjafield, J. G. (2012). The long past and short history of the vocabulary of anglophone psychology. History of Psychology, 15(1), 50-71.

Benjafield, J. G. (2013). The vocabulary of anglophone psychology in the context of other subjects. History of Psychology, 16(1), 36–56. doi: 10.1037/a0030532

Clot, Y. (2010). Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte : Fabrefactum.

Clot, Y., Gollac, M. (2014). Le travail peut-il devenir supportable? Paris: Armand Colin.

Da Rocha Falcão, J.T. (2008). Os saberes oriundos da escola e aqueles oriundos da cultura extra-escolar: hierarquia ou complementaridade? Saber & Educar, 13, 109-123. Disponível em: http://repositorio.esepf.pt/handle/10000/159

Dantas, E. A. M. (2016). Perfil do tecnólogo em construção de edifícios: um estudo sobre a concatenação entre competências na formação e no exercício profissional (Tese de doutorado não publicada). Natal, Programa de Pós-Graduação em Psicologia – UFRN.

Deluiz, N. (2001). Qualificação, competências e certificação: visão do mundo do trabalho. Formação (Brasília), 1(2), 07-17. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/profae/Revista2002.pdf

Diniz, M. H. (2008). Dicionário jurídico (3ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Dutra, J. (2011). Administração de Carreiras. São Paulo: Atlas.

Fontes, F. F. (2016). Teorização e conceitualização em psicologia: o caso do burnout. (Tese de Doutorado não publicada). Natal, Programa de Pós-Graduação em Psicologia – UFRN.

Fleury, M. T. L. & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competências. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 2 (n. especial), 183-196. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rac/v5nspe/v5nspea10.pdf

Gellatly, A. (1992). The Misleading Concept of Cognitive Competences. Theory & Psychology, 2(3), 363–390. http://doi.org/10.1177/0959354392023006

Gilbert, P. (2006). La compétence?: concept nomade, significations fixes. Psychologie Du Travail et Des Organisations, 12(2), 67–77. http://doi.org/10.1016/j.pto.2006.01.004

Helal, D. H. & Rocha, M. (2008). Da qualificação a competência: o que há de novo? Revista Científica do Departamento de Ciências Jurídicas, Políticas e Gerenciais do UNI-BH Belo Horizonte, 1(1), 01-17.

Jouanneaux, M. (1999) Le pilote est toujours devant. Toulouse: Octarès.

Kuenzer, A. Z. (2003). As relações entre conhecimento tácito e conhecimento científico a partir da base microeletrônica: primeiras aproximações. Educar em Revista, n. esp., p. 43-69. http://dx.doi.org/10.5380/educar.v2i21.2141

Lave, J. (1997). The culture of acquisition and the practice of understanding. In Kirshner, D., Whitson, J.A. (1997). Situated cognition: Social, semiotic and psychological perspectives. (p. 63-82). London: Lawrence Erlbaum Associates Publishers.

Lave, J. (2016) Tailored learning: apprenticeship and everyday practice among craftsmen in West Africa (no prelo).

Lave, J., Smith, S. & Butler, M. (1988) Problem solving as an everyday practice. Palo Alto: Institute for Research on Learning, Report. No. IRL88-0006.

Lave, J. & Rogoff, B. (1984) Everyday cognition: its development in social context. Cambridge: Harvard University Press.

Lave, J. & Wenger, E. (1991). Situated learning: Legitimate peripheral participation, Cambridge: Cambridge University Press.

Le Deist, F. (2009). Compétence: conceptual approach and practice in France. Journal of European Industrial Training, 33(8/9), 718–735. http://doi.org/10.1108/03090590910993599

Le Deist, F. D. & Winterton, J. (2005). What Is Competence? Human Resource Development International, 8(1), 27–46. http://doi.org/10.1080/1367886042000338227

Leite, M. (2005). Reestruturação produtiva e mercado de trabalho: a experiência Brasileira. Revista Galega de Economia, 14(1-2), 1-26.

Lewin, K. (1965). Teoria de campo em ciência social (Trad. C. M. Bori). São Paulo: Livraria Pioneira.

Lopes, M. C. R. (2009). Subjetividade e trabalho na sociedade contemporânea. Trabalho, Educação e Saúde, 7(1), 91-113. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462009000100005

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than for “intelligence.” American Psychologist, 28(1), 1-14.

Marková, I. (2006). Dialogicidade e representações sociais: as dinâmicas da mente. Petrópolis: Editora Vozes.

Mascarenhas, A. O. (2010). Gestão das competências. In A. O. Mascarenhas, (Org.), Gestão estratégica de pessoas: evolução, teoria e crítica. (p. 177-217). São Paulo: Cengage Learning Edições Ltda.

Nagels, M. (2016) Votre compétence est-elle critique ou experte ? Disponível em: http://www.17marsconseil.fr/votre-competence-est-elle-critique-ou-experte/

Pastré, P., Mayen, P. & Vergnaud, G. (2006). La didactique professionnelle, Revue Française de Pédagogie [En ligne], 154. Disponível em : http://rfp.revues.org/157

Perrenoud, P. (1997). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas.

Perrenoud, P. (1998). La transposition didactique à partir de pratiques: des savoirs aux competences. Revue des sciences de l’éducation, 24(3), 487-514. Disponível em : http://id.erudit.org/iderudit/031969ar

Perrenoud, P. (2000). Dez Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artmed.

Piaget, J. (1974) Réussir et comprendre. Paris, Presses Universitaires de France.

Rovai, E. (2007). Educação profissional e a formação por competências. Disponível em: http://www.centropaulasouza.sp.gov.br/pos-graduacao/workshop-de-pos-graduacao-e-pesquisa/anais/2007/comunicacao-oral/gestao-e-desenvolvimento-da-formacao-tecnologica/ROVAI,%20Esm%C3%A9ria.pdf

Sennett, R. (2010). Ce que sait la main: la culture de l’artisanat. Paris: Albin Michel.

Smith, M. K. (2016). Jean Lave, Etienne Wenger and communities of practice. Disponível em: http://infed.org/mobi/jean-lave-etienne-wenger-and-communities-of-practice/

Toni, M. (2003). Visões sobre o trabalho em transformação. Sociologias, 5(9), 244-286. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/soc/n9/n9a09.pdf

Van Der Veer, R.; Valsiner, J. (2001). Vygotsky: uma síntese. 4a edição. São Paulo: Edições Loyola.

Veresov, N. (2014). Émotions, perezhivanie et développement culturel: le projet inachevé de Lev Vygostki. In C. Moro & N. Muller Mirza (2014). Sémiotique, culture et développement psychologique. Villeneuve d’Ascq: Presses Universitaires du Septentrion.

Vergnaud, G. (1998). Au fond de l'action, la conceptualisation. In J. M. Barbier (Dir.), Savoirs théoriques et savoirs d'action (p. 275-192). Paris: PUF.

Vigotski, L.S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. (Trad. Paulo Bezerra). São Paulo, Martins Fontes.

Vygotsky, L.S. (2007). A formação social da mente (2a ed). São Paulo: Martins Fontes.

Vygotski, L.S. (2010). La signification historique de la crise en psychologie. Paris: La Dispute.

Vygotski, L. S. (2014). Histoire du développement des fonctions psychiques supérieures. (Trad. F. Sève). Paris: La Dispute.

Zarifian, P. (1996). A gestão da e pela competência. Centro Internacional para Educação, Trabalho e Transferência de Tecnologia, Rio de Janeiro.

Zarifian, P. (2010). O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: Senac Editora.

Zarifian, P. (2012). Objetivo competências: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p87-97

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png