Sites de Redes Sociais na Contemporaneidade: Percepções dos Usuários Sobre Emoções, Vivências e Relações

Aline Schiavi, Marta Lorentz

Resumo


Verifica-se o uso de sites de redes sociais cada vez mais presente na rotina da sociedade contemporânea, com intenções de se relacionar através do virtual. O presente estudo teve por objetivo investigar a percepção dos usuários de sites de redes sociais sobre emoções, vivências e relações referentes ao uso desta ferramenta. Referente ao método Trata-se de uma pesquisa qualitativa transversal, na qual participaram 6 pessoas com faixa etária de 20 a 40 anos. Para a coleta de dados foi utilizado questionário sócio demográfico, bem como a técnica da entrevista semiestruturada. Demonstrou-se que as pessoas estão fazendo uso dos sites e demais plataformas sociais diariamente, na presença de outras pessoas ou estando sozinhas. Emoções e sentimentos surgem nos relatos sobre o uso. Há uma busca de momentos bons e felizes ao acessar tais plataformas, onde as pessoas constroem um mundo ideal no virtual. As relações passam a ser tecidas de forma diferenciada através desta ferramenta. Conclui-se que as plataformas de redes sociais facilitam o acesso, e fazem com que as pessoas permaneçam conectadas o dia todo. Há um conforto e uma “não solidão”, da mesma forma que há sensação de intimidade, de forma aproximar o contato, e proporcionar mais vivências.


Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, C. N., Eisenstein, E., & Estefenon, S. G. B. (2013). Vivendo esse mundo Digital: Impactos na saúde, na educação e nos comportamentos sociais. Porto Alegre: Artmed.

Barbosa, M. K. (2008). Tecnologia e subjetividade. Psique: Ciência e Vida,8 (9), 58-63.

Bardin, L. (1997). Análise de conteúdo. Lisboa: Ed.70.

Bauman, Z. (2004). Amor líquido: sobre a Fragilidade dos Laços Humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Z. (2001). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar.

Borges, J. L., Souza, C. D., & Winter, L. E. (2013). Pesquisa em Psicologia: pressupostos teóricos e metodológicos. Três de Maio: SETREM.

Castro, C. (2014). Apud Sabatini, F., & Sarracino, F. (2010). Facebook e Twitter: conheça os efeitos das redes sociais na saúde psicológica. Online networks and subjective well-being. Retirado do http://www.brasilpost.com.br/2014/09/30/redes-sociais-saude-maleficios_n_5910760.html em 20/06/2015.

Duarte, V. M. do N. (n.d). Pesquisas: Exploratória, Descritiva e Explicativa. Retirado do http://monografias.brasilescola.com/regras-abnt/pesquisas-exploratoria-descritiva-explicativa.htm em 20/06/2015.

Hüning, S. M. (2008). O Sujeito biotecnológico na viagem pelo Reino das batatas transgênicas, Porquinhos fosforescentes e almas Codificadas- Cap. Ligeiramente humana. Tese de Doutorado em Psicologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Faculdade de Psicologia. Porto Alegre. RS.

Lanzarin, C. C. (2000). A Fantasia e o baile de Máscaras do final do milênio. Psicologia Ciência e Profissão, 20 (3), 28-33.

Lucas, M. (2010). 27 razões porque você é dependente do Twitter e Facebook. Retirado do http://www.escolapsicologia.com/27-razoes-porque-voce-e-dependente-do-twitter-e-facebook/ em 20/06/2015.

Moreira, J. O. (agosto, 2010). Mídia e Psicologia: considerações sobre a influência da internet na subjetividade. Revista Psicologia y Medios de Comunicación, 20 (8).

Nicolaci-da-Costa, A.. M. (2005). Sociabilidade Virtual: Separando o Joio do Trigo. Psicologia e Sociedade, 17 (2), 50-57.

Nicolaci-da-Costa, A.. M. & Romão-Dias, D. (2005). “Eu posso me ver como Sendo Dois, Três ou Mais”: Algumas Reflexões sobre a Subjetividade Contemporânea. Psicologia Ciência e Profissão, 25 (1), 70-87.

Nielsen IBOPE (2014). Número de pessoas com acesso à internet no Brasil supera 120 milhões. Retirado do http://www.nielsen.com/br/pt/press-room/2014/Numero-de-pessoas-com-acesso-a-internet-no-Brasil-supera-120-milhoes.htmlem 01/06/2014.

PBM-Brasil. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa Brasileira de Mídia 2015: Hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. – Brasília :Secom, 2014.

Prado, J. (2013). As novas fronteiras tecnológicas entre intimidade e solidão. Contemporânea,3 (1), 235-240.

Prensky, M. (2001). Nativos Digitais, Imigrantes Digitais. On the Horizon: NCB University Press, 9 (5).

Segata, J. (2008). Da arte de se traduzir: Corporalidades e gênero nos mundos possíveis no ciberespaço. Campos - Revista de Antropologia Social, 9 (1), 159-174.

Souza, S. A. F. (2009). As Redes Sociais e a Liquidez na Sociedade 140 bytes: Sob os olhos da Coruja de Minerva. Artigo apresentado sob a forma de palestra na XIV Semana de Letras da Universidade Federal do Amazonas.

Saeri, A. K., Tobin, S. J., VanMan, E. J., & Verreynne, M. (2014). Ameaças à pertença no Facebook: À espreita e o ostracismo. Revista Social Influence. Retirado do http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/15534510.2014.893924#.VD02qbcg_IU em 25/06/2015.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n2p133-141

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista de Psicologia da IMED

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png