Estresse em atletas adolescentes: Uma revisão sistemática

Andressa Melina Becker da Silva, Sônia Regina Fiorim Enumo, Renan de Morais Afonso

Resumo


A presente revisão sistemática objetivou analisar os artigos empíricos nacionais e internacionais, publicados nos últimos 15 anos (2000-2015), além de teses e dissertações do mesmo período de tempo, que contivessem os descritores estresse físico, psicológico ou psicofisiológico, em diversas bases de dados, tendo em vista que havia uma escassez de artigos sobre o tema. Depois de utilizados os critérios de inclusão e exclusão, foram analisados 14 artigos e 16 produtos da pós-graduação (entre Mestrados e Doutorados). Os resultados mostram que há classificações de estresse para atletas adolescentes, que eles podem ser enfrentados de maneiras diferentes, e que o excesso de treinamento é muito prejudicial para o desenvolvimento físico, fisiológico e psíquico do atleta levando-o a conseqüências mais graves como patologias severas. 


Texto completo:

PDF

Referências


Barros, J. C. T. S., & De Rose Júnior, D. (2006). Situações de stress na natação infanto-juvenil: Atitudes de técnicos e pais, ambiente competitivo e momentos que antecedem a competição. Revista Brasileira de Ciência & Movimento, 14(4), 79-86.

Benedetti, E., Oliveira, R. L., & Lipp, M. E. N. (2011). Nível de stress em corredores de maratona amadores em período de pré-competição. Revista Brasileira Ciência & Movimento, 19(3), 5-13.

Breinbauer, C., & Maddaleno, M. (2008). Nova abordagem para classificar os estágios de desenvolvimento dos adolescentes. In C. Breinbauer, & M. Maddaleno (Eds.), Jovens: Escolhas e Mudanças: Promovendo comportamentos saudáveis (pp. 212-221). São Paulo: Roca.

Brink, M. S., Visscher, C., Coutts, A. J., & Lemmink, K. A. P. M. (2012). Changes in perceived stress and recovery in overreached young elite soccer players. Scandinavian Journal of Medicine Science and Sports, 22(2), 285-292.

Coutts, A. J., & Reaburn, P. (2008). Monitoring changes in rugby league players´ perceived stress and recovery during intensified training. Perceptual and Motor Skills. 106(3), 904-916.

Coutts, A. J., Slaterry, K. M., & Wallace, L. K. (2007). Practical tests for monitoring performance, fatigue and recovery in triathletes. Journal of Science and Medicine Sports. 10(6), 372-381.

Cruz, W. M. (2009). Estresse e recuperação de atletas de futebol de alto rendimento em treinamento. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Devide, F. P. (2002). História das mulheres nos jogos olímpicos modernos. In M. Turini, L. Da Costa (Org.). Coletânea de textos em estudos olímpicos (v. 1, pp. 705-735). Rio de Janeiro: Gama Filho.

DiFiori, J. P., Brenner, J. S., & Jayanthi, N. (2016). Overuse injuries of the extremities in pediatric and adolescent sports. In D. Cainne, & L. Purcell (Eds.), Injury in pediatric and adolescent sports (Part III, pp. 93-105). Switzerland: Springer International Publishing.

Edvardsson, A., Ivarsson, A., & Johnson U. (2012). Is a cognitive-behavioral biofeedback intervention useful to reduce injury risk in Junior football players? Journal of Sports Science and Medicine, 11(2), 331-338.

Ekeland, E., Heian, F., & Hagen, K. B. (2005). Can exercise improve self-esteem in children and young people? A systematic review of a randomised controlled trials. British Journal of Sports Medicine, 39(11), 792-798.

Fletcher, D., Hanton, S., Mellalieu, S. D., & Neil, R. (2012). A conceptual framework of organizational stressors in sport performers. Scandinavian Journal of Medicine Science and Sports, 22(4), 545-557.

Frisch, A., Urhausen, A., Seil, R., Croiser, J. L., Windal, T., & Theisen, D. (2011). Association between preseason functional tests and injuries in youth football: A prospective follow-up. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports. 21(6), 468-476.

Garcia, M. C. (2004). Concentração plasmática de hormônios indicadores de overtraining em jogadores de futebol. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP.

Gomes, A. C. (2009). Treinamento desportivo: Estrutura e periodização. Porto Alegre: Artmed.

Gouvêa, F. L., Beisiegel, M. R., Fonseca Neto, D. R., Oliveira, M. M. A., & Silveira, M. B. (2004). Carga psíquica em situações de jogo: Avaliação em equipes masculinas e femininas de voleibol infanto-juvenil. Salusvita, 23(1), 63-76.

Heidari, J., Mierswa, T., Kleinert, J., Ott, I., Levenig, C., Hasenbring, M., & Kellmann, M. (2016). Parameters of low back pain chronicity among athletes: Associations with physical and mental stress. Physical Therapy in Sport. Doi: 10.1016/j.ptsp.2016.03.003

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. s/d. Projeção da população. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/piramide/piramide.shtm. Acesso em: 10 de junho de 2016.

Ivarsson, A., Johnson, U., Lindwall, M., Gustafsson, H., & Altemyr, M. (2013). Psychosocial stress as a predictor of injury in elite junior soccer: A latent growth curve analysis. Journal of Science and Medicine in Sport, 17(4), 366–370. http://doi.org/10.1016/j.jsams.2013.10.242

Justo, A. P., & Enumo, S. R. F. (2015). Problemas emocionais e de comportamento na adolescência: O papel do estresse. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 35(89), 350-370.

Kanmani, R., & Kalpana, D. (2016). Burnout syndrome-overtraining and burnout in young athletes. Indian Journal of Applied Research, 6(5), 484-486.

Khodabakhshi, A., & Khodaee, M. R. (2011). The comparison between resiliency and mental health among athlete and non-athlete male students. European Psychiatry, 26(suppl. 1), 1588-1588.

Lazarus, R., & Folkman, S. (1994). Stress, appraisal and coping. New York: Springer.

Lima, F. V., Samulski, D. M., & Vilani, L. H. P. (2004). Estratégias não sistemáticas de “coping” em situações críticas de jogo no tênis de mesa. Revista Brasileira de Educação Física e Esportes, 18(4), 363-375.

Lipp, M. E. N., & Malagris, L. E. N. (2001). O stress emocional e seu tratamento. In B. Rangé (Ed.), Psicoterapias cognitivo-comportamentais (pp. 475-489). Artmed: São Paulo.

Lu, F. J., Lee, W. P., Chang, Y. K., Chou, C. C., Hsu, Y. W., Lin, J. H., & Gill, D. L. (2016). Interaction of athletes' resilience and coaches' social support on the stress-burnout relationship: A conjunctive moderation perspective. Psychology of Sport and Exercise, 22, 202-209.

Machado, S. F., Veiga, H. M. D. S., & Alves, S. H. D. S. (2011). Níveis de estresse em alunos de 3a série do Ensino Médio. Universitas: Ciências da Saúde, 9(2), 35-52. Doi: 10.5102/ucs.v9i2.1362

Madigan, D. J., Stoeber, J., & Passfield, L. (2016). Perfectionism and training distress in junior athletes: A longitudinal investigation. Journal of Sports Sciences, 1-6. Doi: 10.1080/02640414.2016.1172726

Matos, F. O. (2010). Percepção de estresse e recuperação, variabilidade da frequência cardíaca e tempo de reação de atletas de futebol de alto rendimento em diferentes períodos de treinamento. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Mejri, M. A., Hammouda, O., Chaouachi, A., Zouaoui, K., Ben Rayana, M. C., & Souissi, N. (2014). Effects of two types of partial sleep deprivation on hematological responses during intermittent exercise: A pilot study. Science & Sports, 29(5), 266-274. doi: http://doi.org/10.1016/j.scispo.2014.05.001

Milanez, V. F. (2011). Análise das cargas de treinamento e marcadores de estresse em atletas de futsal. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR.

Mortatti, A. L. (2011). Níveis de IgA e cortisol salivar associados à incidência de infecções do trato respiratório superior de jovens futebolistas de alto nível. Tese de Doutorado não publicada, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Nascimento Júnior, J. R. A., Gaigon, P. A., Nakashima, F. S., & Vieira, L. F. (2010). Análise do estresse psicológico pré-competitivo e estratégias de coping de jovens atletas de futebol de campo. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 18(4), 45–53.

Neves, F. S. (2011). Avaliação dinâmica resiliente em atletas paraibanos. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

Nicholls, A. R., Polman, R. C. J., & Levy, A. R. (2012). A path analysis of stress appraisals, emotions, coping and performance satisfaction among athletes. Psychology of Sport and Exercise, 13(3), 263-270.

Ochi, S., & Kovacs, M. S. (2016). Periodization and recovery in the young tennis athletes. In A. C. Colvin, & J. N. Gladstone (Eds.), Injury prevention and treatment (pp. 87-104). Switzerland: Springer International Publishing.

Peixoto, E. M., & Nakano, T. C. (2014). Problemas e perspectivas na utilização dos testes psicológicos em Psicologia do Esporte. In C. R. Campos, & T. C. Nakano (Orgs.), Avaliação psicológica direcionada a populações específicas (pp. 201-232). São Paulo: Vetor.

Pesca, A. D. (2004). Intervenção psicológica em um trabalho interdisciplinar na recuperação de atletas lesionados de futebol. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Reis, F. V. F. (2005). Treinamento desportivo e incidência de infecções do trato respiratório agudo em atletas de natação. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal do Pará, Belém, PA.

Ribeiro Júnior, E. J. F. (2012). Estresse psicofisiológico em atletas de tênis infanto-juvenil masculino. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Rubio, K. (2011). Instrumentos de avaliação em Psicologia do Esporte. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sanches, A. B. (2004). Influência de fatores produtores de estresse em jogadores de futebol do Distrito Federal. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Santos, P. B. (2011). Estresse psicofisiológico em atletas de futebol de campo categoria Sub-17. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Santos, P. B., Kuczynski, K. M., Machado, T. A., Osiecki, A. C. V, & Stefanello, J. M. F. (2014). Psychophysiological stress in Under-17 soccer players. Journal of Exercise Physiology Online, 17(2), 67–80.

Selye, H. (1936). A syndrome produced by diverse nocuous agents. Neuropsychiatry Classics, 10, 230-231. doi:doi.org/10.1038/138032a0

Selye, H. (1950). The general adaptation syndrome and the diseases of adaptation. Journal of Clinical Endocrinology 6, 117-231.

Shonkoff, J. P., Garner, A. S., Siegel, B. S., Dobbins, M. I., Earls, M. F., McGuinn, L., … & Wood, D. L. (2012). The lifelong effects of early childhood adversity and toxic stress. Pediatrics, 129(1), e232-e246.

Silva, A. M. B. (2016). Uma proposta de avaliação e intervenção psicológica no enfrentamento da dor em bailarinos. Tese de Doutorado não publicada, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP.

Silva, N. S. L. (2002). Influência da técnica de relaxamento de Jacobson na velocidade de metabolização do lactato sanguíneo e no desempenho de atletas petiz de natação. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, RJ.

Simões, C. S. M. (2011). Análise das percepções de qualidade de vida, do estresse e da recuperação de atletas de voleibol de diferentes categorias. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Símola, R. A. P. (2008). Análise da percepção de estresse e recuperação e de variáveis fisiológicas em diferentes períodos de treinamento de nadadores de alto rendimento. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Skinner, E. A., Edge, K., Altman, J., & Sherwood, H. (2003). Searching for the structure of coping: A review and critique of category systems for classifying ways of coping. Psychological Bulletin, 129(2), 216-269.

Tangerino, L. C. S. (2009). Efeito do treinamento resistido linear e ondulatório sobre a aptidão física e marcador de lesão muscular em atletas de handebol. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP.

Thelwell, R. C., Wagstaff, C. R., Rayner, A., Chapman, M., & Barker, J. (2016). Exploring athletes’ perceptions of coach stress in elite sport environments. Journal of Sports Sciences, 1-12. Doi: 10.1080/02640414.2016.1154979

Turksoy, A., Bayansalduz, M., Altinci, E. E., & Atikir, A. (2012). Comparison of pré and post-anxiety levels of volleyball players aged 11-14. International Journal of Academic Research, 4(1), 143-147.

Vágula, S., Souza, V. F. M., Piasecki, F., Maia, M. A. C. & Pereira, V. R. (2008). Análise comparativa da motivação entre atletas de voleibol, de um município do noroeste do Paraná. Ciência e Cuidados da Saúde, 7(suplem.1), 94-99.

Verardi, C. E. L. (2008). Burnout e estratégias de enfrentamento em jogadores de futebol profissionais e amadores. Tese de Doutorado não publicada, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, SP.

Vieira, C. B. (2002). Percepção subjetiva de fatores estressantes que influenciam o surgimento de lesão em atletas jovens (14-18 anos) de voleibol e tênis. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Walker, S. P. (2013). Mindfulness and burnout among competitive adolescent tennis players. South African Journal of Sports Medicine, 25(4), 105-108. http://doi.org/10.7196/sajsm.498

Weiberg, R., & Gould, D. (2015). Foundations of sport and exercise Psychology. 6th ed. Champaign: Human Kinetics.

Weineck, J. (2003). Treinamento ideal. São Paulo: Manole.




DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p59-75

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista de Psicologia da IMED

ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png