Ambientoterapia: um estudo teórico

Angélica Severo Bernardy, Renata de Souza Zamo

Resumo


Várias modalidades de tratamento direcionadas à infância e a adolescência têm despontado no Brasil entre elas, a Ambientoterapia. Portanto estudos científicos sobre essa abordagem são relevantes. O objetivo desta pesquisa é levantar nos estudos sobre a Ambientoterapia aspectos sobre as intervenções com crianças e adolescentes nessa modalidade de tratamento. Através de uma revisão sistemática, a busca foi feita nas bases eletrônicas de dados da BVS-Psi, EBSCO e acervo pessoal das autoras. Foram revisados nove artigos relacionados à temática. Por meio da análise de conteúdo, identificaram-se as seguintes categorias: atendimento ambientoterápico, e locais correlatos a Ambientoterapia. Os resultados indicaram que poucos artigos são dedicados aos tratamentos e intervenções infanto-juvenis. Pretendeu-se, a partir da análise dos resultados encontrados, contribuir com a forma de avaliação e manejo dos profissionais que atuam com estes pacientes na sua prática clínica, além disso, incentivar pesquisadores e profissionais da área, a produzirem estudos empíricos sobre a temática.


Texto completo:

PDF

Referências


American Psychologial Association. (2012). Manual de publicação da APA (6.ed). Porto Alegre: Penso Vai?

Amaral, V. A., Luca, L., Rodrigues, C. T., Leite, A. C., Lopes, L. F., & Silva, A. M. (2012). Serviços de psicologia em clínicas-escola: revisão de literatura. Boletim de Psicologia. 62(136) 37-52. Retrieved May 20, 2015, from http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bolpsi/v62n136/v62n136a05.pdf

Aquino, H. J. (2009). Unidades de internação hospitalar específicas para adolescestes: vale a pena? Adolescência & Saúde, 6(2), 47-50. Retrieved March 15, 2015, from http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=30.

Bastos, A., Monteiro, C. A. K., & Ribeiro, C. M. M. (2005). O manejo clínico com adolescentes autistas e psicóticos em instituições. 10(19). Retrieved May 30, 2016, from:http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282005000200011&lng=pt&nrm=iso.

Blaya, M. (1960). Tratamento hospitalar com orientação psicanalítica. (Apresentação da Tese de Docência-livre). 21(1), 39-43 Retrieved March 15, 2015, from http://www.scielo.br/pdf/anp/v21n1/07.pdf.

Feil, C. F. (2010). A ambientoterapia no tratamento de crianças com síndrome de Asperger: relato de vivência. Revista de Psicoterapia da infância e Adolescência, Porto alegre, 19, 19, 37-50.

Ferreira, L. A., Berni, B. L. A., Marczyk, F. C., Souza, G. L., Orengo, G. L., Fridman, M., & Giaretta, V. (2013). O lobinho e o manto mágico: uma intervenção em ambientoterapia. Revista de Psicoterapia da infância e Adolescência. 22, 22, 114-120.

Ferreira, L. A., Berni, B. L. A., Feil, F. C., Souza, G. L., Orengo, G. L., Milagre, K. P., & Giaretta, V. (2014). Falhas no desenvolvimento emocional primitivo e os diferentes níveis de contenção em ambientoterapia. Revista de Psicoterapia da Infância e Adolescência. 23, 23, 46-59.

Ferigolo, M. (2007).Centros de atendimento. (NBR 14724/2002). Porto Alegre: AAPEFATO.

Lima, (2012). Música e invocação: uma oficina terapêutica com crianças com transtornos de desenvolvimento. Retrieved 30, May, 2016, from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-19092012-123935/pt-br.php.

Lima, C. R., Couto, V. C. M., Delgado, G. G. P., & Oliveira, C. D. B. (2014). Indicadores sobre o cuidado a crianças e adolecentes com autismo na rede CAPSI da região metropolitana do Rio de Janeiro. Physis Revista de Saúde Coletiva. 24, 3, 715-739.

Lucero, A., & Vorcaro, A. (2015). Os objetos e o tratamento da criança autista. Revista de Psicologia, 27, 3, 310-317.

Marfinati, C. A., & Abrão, F. L. J. (2011). O pensamento psicanalítico sobre o autismo a partir da análise da revista estilos da clínica. Estilos da Clínica,16,1, 14-31.

Milagre, P. K. (2011). O papel da ambientoterapia na integração do ego dos pacientes. Manuscrito submetido para publicação.

Monteiro, C. A. K., Ribeiro, C. M. M., & Bastos, A. (2007 ). Posta de entrada para adolescentes autistas e psicóticos numa instituição. Psicologia, Ciência e Profissão. 27, 2, 290-303.

Nunes, F. A. M., & Santos, A. M. (2005). Itinerário terapeutico percorrido por mães de crianças com transtorno autístico. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23, 2, 208-221.

Osório, L. C. (1988). Ambientoterapia na infância e adolescência. Porto Alegre: Movimento.

Pinto, (2005). Capsi para crianças e adolescentes autistas e psicóticas: A contribuição da psicanálise na construção de um dispositivo clínico. Retrieved May, 30, 2016 from: http://www.pgpsa.uerj.br/dissertacoes/2005/2005-09.pdf.

Ribeiro, C. M. J., Álvares, K., & Bastos, A. (2006). A psicanálise e o tratamento de crianças e adolescentes autistas e psicóticos em uma instituição de saúde mental. Estilos da Clínica. 11, 21, 196-203.

Ribeiro, C. L., & Cardoso, A. A. (2014). Abordagem Floortime no tratamento da criança autista: possibilidades de uso pelo terapeuta ocupacional. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, 22, 2, 399-408.

Santos, L. V. & Tfouni, V. L. (2015). Uma narrativa oral em uma oficina terapêutica: um rastro de alteridade. Estilos clínica, 20, 1, 134-150.

Taschetto, A. R., & Nilles, M. A. (1996). Ambientoterapia: uma indicação de tratamento na infância e adolescência. Revista de Psicoterapia da infância e Adolescência. 9, 9, 127-134.

Visani, P., Rabello, S. (2012). Considerações sobre o diagnóstico precoce na clínica do autismo e das psicoses infantis. Revista Latinoamericana. Psicopatologia, 15(2), 293-308.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p52-58

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png