Efeitos do uso do Crack Sobre o feto e o Recém-nascido: Um Estudo de Revisão

Cláudia Flores Abraham, Adriana Raquel Binsfeld Hess

Resumo


O consumo de crack configura-se hoje como um problema emergente de saúde pública. A preocupação acerca deste fenômeno aumenta quando se entende o consumo como um fator que coloca em risco, por exemplo, a experiência da maternidade, pois os danos podem ser irreversíveis. Levando em conta a importância de estudar esse tema e escassez de produções científicas que abordem a temática em sua complexidade e implicações, o objetivo desse estudo foi realizar uma revisão sistemática da literatura a fim de contribuir na psicoeducação de gestantes sobre os efeitos do crack para o feto e o recém-nascido. Foram revisados 25 artigos. Os estudos sugerem que o uso materno de drogas pode acarretar uma redução da chegada de nutrientes e de oxigênio para a placenta e, consequentemente, atingir o feto, ocasionando inúmeros problemas em seu desenvolvimento. Dentre as consequências negativas nos recém-nascidos destacam-se: alterações no reflexo de sucção, baixo peso ao nascer, tremores, sudorese excessiva, choro estridente e até mesmo convulsões. Salienta-se a importância de mais estudos que acompanhem as gestantes usuárias de crack, bem como o desenvolvimento dos seus bebês, podendo fornecer evidências das consequências do uso do crack na gestação em longo prazo. 

 


Texto completo:

PDF

Referências


Alencar, J. C. G., Junior, C. A. A. & Matos, A. M. B. (2011). "Crack Babies": uma revisão sistemática dos efeitos em recém-nascidos e em crianças do uso do crack durante a gestação. Revista de Pediatria, 12 (1), 16-21.

American Psychiatric Association. (2002). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-IV-TR. 4. ed. Porto Alegre: Artmed.

American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-V. 5. ed. Porto Alegre: Artmed.

Associação Brasileira de Psiquiatria. (2011). Projeto diretrizes/Associação Médica Brasileira/Conselho Federal de Medicina. Abuso e dependência de crack. AMB/CFM.

Barreto, L.G.G. &Parker, M.P. (2007). Dependência Química na gravidez. Unidade de Álcool e Drogas (UNIAD). São Paulo.

Bastos MdeS&Bornia E.C.S (2009). Uso de nicotina e/ou cocaína durante a gestação e suas consequências no desenvolvimento fetal e neonatal. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro. ISBN 978-85-61091-05-7.

Brasil, (Governo Federal).; Ministério da saúde (2014).Pesquisa Nacional sobre o Uso de Crack. Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 26 set. 2015.

Botelho, A.P.M., Rocha, R.C., & Melo, V.H. (2013). Uso e dependência de cocaína/crack na gestação, parto e puerpério. Femina, 41 (1), 23-32.

Camargo, P.O., & Martins, M.F.D. (2014). Os efeitos do crack na gestação e nos bebês nascidos de mães usuárias: uma revisão bibliográfica. Universidade Federal de Pelotas. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, 22, Suplemento Especial, p. 161-169. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/cto.2014.042

Costa, A. B.,&Zoltowski, A. P. C. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática (p. 55-77). In: Koller, S. H., de Paula Couto, M. C. P., & Von Hohendorff, J. Manual de Produção Científica. Porto Alegre: Artmed.

Cunha, G.B., & Rotta, T.N. (2000). Exposição pré-natal à cocaína: revisão dos efeitos neurocomportamentais. Jornal de Pediatria, 76 (3), 179-184.

Fertig, Adriana. (2013). Historias de vida de mulheres usuárias de crack. Programa de Pós-Graduação em enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Porto Alegre, 2013. Disponível em http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/85189/000909099.pdf?sequence=1 . Acesso em: 07 out. 2015.

Gasparin, M., Silveira, J.L., Garcez, L.W., & Levy, B.S. (2012). Comportamento motor oral e global de recém-nascidos de mães usuárias de crack e/ou cocaína. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol, 17(4). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsbf/v17n4/16.pdf. Acesso em: 05 out. 2015.

Guimarães, L.M.R. (2013). O Desenvolvimento do bebê em situação de risco: Um estudo sobre a maternidade em usuárias de crack. Pós-Graduação em Promoção da Saúde: Universidade de Santa Cruz do Sul.

Holztrattner, J.S. (2010). Crack, gestação, parto e puerpério: um estudo bibliográfico sobre a atenção usuária. Escola de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Klaus, M. H., Kennel, J. H., & KLAUS, P. H. (2000). Vínculo: construindo as bases para um apego seguro e para a independência. Artes Médicas Sul. Porto Alegre.

Lucca, J. Achados ultrassonográficos no cérebro de recém-nascidos expostos ao crack durante a gestação. (2012). Programa de Graduação em Medicina/Pediatria e saúde da Criança. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Machado, M.A. (2014). Cocaína na gestação e consequências para o recém-nascido: uma revisão integrativa. Escola de Enfermagem: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Martins-Costa, S.H.,Vettorazzi, J., Cecin, G.K.G., MALUF, J.M.R.A., Stumpf, C.C., & Ramos, J.G.L. (2013). Crack: a nova epidemia obstétrica. Revista HCPA, vol. 33 p. 55-65. Porto Alegre. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2015.

Matos, J.C., Mello, J.M., Colombo, J.V.P., & Melo, S.R. (2011). Efeitos neurológicos da exposição pré-natal à cocaína/crack. Arq. Mudi. [Internet]. Disponível: http://periodicos.uem.br/ojs/index. php/ArqMudi/article/view/21067. Acesso em: 10 out. 2015.

Mello, E.P. (2011). Repercussão Neonatal do consumo de crack durante a gestação. Hospital do Servidor Público Municipal. São Paulo.

Moreira et al. (2012). O consumo de crack durante a gestação. In Ribeiro, M., & Laranjeira, R. (orgs.). O tratamento do usuário de crack. 2. ed. p.548. Porto Alegre: Artmed.

Narvaez, J.C.M. (2014). O amor nos tempos do crack: psicodinâmica, comportamento, biologia e uma proposição de estadiamento funcional. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Teixeira, C.B.P.V. (2001). Ansiedade e depressão em mulheres e homens durante a gravidez. Tese de mestrado em Saúde Pública: Faculdade de Medicina Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Porto.

Renner, F. W., Gottfried, J. A.,&Welter, K. C. (2012). Repercussões neonatais do uso materno de crack. Boletim Científico de Pediatria, 1 (2), 63-66.

Silva-Júnior, F.J.G., Monteiro, C.F.S., Araújo, O.D., Rocha, S.S., Dourado, G.O.L.,&Melo, B.M.S. (2012). Reflexões sobre o consumo de crack e sua interface com os determinantes sociais de saúde. Rev. Enferm UFPI, 1 (2),139-142.

Silva, M.B., & Kruno, R.B. (2014). Consequências do uso do crack para a gestante e seu recém-nascido: uma revisão integrativa de literatura. Revista Cippus, 3 (1).Centro Universitário La Salle. Canoas.

Silva, C.A. (2014a). O consumo de drogas lícitas e/ou ilícitas na gestação: repercussões sobre a saúde do recém-nascido. Escola de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Silva, F.M. (2014b). Crack na Gestação: Consequências no crescimento e desenvolvimento para o feto e o recém-nascido. Faculdade de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Siqueira, L. P., Fabri, A. C. O. C., & Fabri, R. L. (2011). Aspectos gerais, farmacológicos e toxicológicos da cocaína e seus efeitos na gestação. Revista Eletrônica de Farmácia, 3 (2), 75 - 87.

Soares, M.F., Gonçalves F.E., & Cunha R.G. (2012). Drogas de abuso e suas implicações nas gestantes/fetos. Periódico Científico do Núcleo de Biociências. 4(2). NBC. Centro Universitário Metodista.

Victor, I.A.G.,& Lima,J.N. (2013). As Consequências do crack para o binômio gestante recém-nascido: uma revisão literária. Anais do Conic-Semesp. v.1. Faculdade Anhanguera de Campinas.

Yamaguchi, E.T., Cardoso, M.M.S.C., Torres, M.L.A., & Andrade, A.G. (2008). Drogas de abuso e gravidez. Revista de Psiquiatria Clínica, 35(1). Disponível em:

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 out. 2015

Zavaschi, M. L. S., Rohde, L. A. P., &Szobot, C. M. (2014). Crack em gestantes: Um estudo sobre características clínicas e sociodemográficas da dupla mãe-bebê e sobre o impacto do uso no estresse oxidativo de bebês. Programa de Pós-Graduação em Ciências médicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p38-51

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2175-5027

Licença Creative Commons

Revista de Psicologia da IMED, da IMED é licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

BASES DE DADOS E INDEXADORES

 DOAJ.jpg Periódicos CAPES
latindex.jpg
 
dialnet.png
 
REDIB
Diadorim.jpg
    SIS
circ.png