Simulações de abandono de edificações: Uma revisão preliminar

Ritielli Berticelli, Silvio Edmundo Pilz, Marcelo Fabiano Costella

Resumo


Os modelos de evacuação utilizados na construção civil são ferramentas empregadas para estipular o tempo necessário de evacuação de uma edificação, podendo ser utilizados em análises de engenharia de segurança. A aplicação e importância destes modelos têm crescido devido às suas possibilidades, principalmente com relação à prevenção, gestão e análise de situações de emergência, fatores fundamentais na proteção da vida humana. O objetivo deste trabalho consistiu em analisar como os modelos de simulação estão auxiliando na prevenção e proteção de incêndios, especificadamente na evacuação de edificações, tanto como medidas preventivas para novos projetos, quanto na simulação de acidentes ocorridos. O estudo consiste numa revisão bibliográfica na literatura científica disponíveis nas bases de dados. O desafio consistiu em investigar o mecanismo de gestão nas simulações de abandono relatado na literatura. Como conclusão, os modelos de evacuação são ferramentas que apresentaram dados muito próximos da realidade, podendo ser utilizados tanto para a avaliação dos projetos de edificações quanto nas simulações de eventos que já ocorreram.


Palavras-chave


Evacuação, saídas de emergência, simulação, engenharia de segurança, incêndio

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AGUIRRE B. E.; WENGER D.; VIGO G. A test of the emergent norm theory of collective behavior. Sociol Forum, v. 13, n. 2, p. 301-320, 1998.

ALVEAR, D.; ABREU, O.; CUESTA, A.; ALONSO, V. A new method for assessing the application of deterministic or stochastic modelling approach in evacuation scenarios. Fire Safety Journal, 65, p.11-18, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15219: Plano de emergência contra incêndio: Requisitos. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15575: Desempenho de edificações habitacionais. Rio de Janeiro, 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9077: Saídas de emergência em edifícios: Procedimento. Rio de Janeiro, 2001.

AVERILL, J. D. Performance-based codes: economics, documentation and design, 1998, 191 p. Thesis (Master of Science in Fire Protection Engineering) – Faculty of Worcester Polytechnic Institute, Worcester.

BERTO, A. F. Medidas de proteção contra incêndios: aspectos fundamentais a serem considerados no projeto arquitetônico dos edifícios. 1991, Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 1991.

BRENNAN, P. Timing response in real fires. In: Hasemi Y (ed) Fire safety science - proceedings of the fifth international symposium Interscience Communications Ltd., London, p. 807-818, 1997.

BRYAN, J. L. A Selected Historical Review of Human Behavior in Fire. Fire Protection Engineering, v. 16, p. 4-16, 2002.

BUILDING RESEARCH ESTABLISHMENT. Post-War Building Studies N° 19: Fire Grading of Buildings (facsimile of the 1952 edition), Watford: Building Research Establishment, 1992.

BUKOWSKI, R. W. Emergency Egress from Buildings (Nist Technical Note 1623), Gaithersburg: National Institute of Standards and Techonology, 2009.

CASTANHEIRA, José Pedro. Os regulamentos da segurança contra incêndio e a evacuação de edifícios. 2001. 32 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto Superior Técnico de Lisboa, Lisboa, 2001.

CASTLE, C. J. E. Guidelines for Assessing Pedestrian Evacuation Software Applications. Centre for Advanced Spatial Analysis University College London, London, 2007 (Paper 115).

CLARET, A. M.; ETRUSCO, P. Tempo de escape em edificações: os desafios do modelamento de incêndios no Brasil. Ouro Preto, Minas Gerais: R. Esc. Minas, 2002.

COELHO, A. L. Modelação matemática da evacuação de edifícios sujeitos à acção de um incêndio. Volume II – Anexo, 158 p. (Doutorado em Engenharia Civil) – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Lisboa, 1997.

COSTA, M. A. R. Desempenho de vias de evacuação de emergência em edifícios: simulação. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal, 2012.

D’ORÁCIO, M; LONGHI, S.; OLIVETTI, P.; BERNARDINI, G. Design and experimental evaluation of an interactive system for pre-movement time reduction in case of fire. Automation in Construction, v. 52, p. 16-28, 2015.

FAILLACE, R. R. Escadas e saídas de emergência. 4.ed. Porto Alegre: Sagra, 1991. 175 p.

FRIEDMAN, R. An International Survey of Computer Models for Fire and Smoke. Journal of Fire Protection Engineering, v. 4, n. 3, p. 81-92, 1992.

FRUIN, J. J. Pedestrian Planning and Design (revised edition). Mobile: Elevator World, 1987.

GASPARETTO, F.C. Análise de rotas de fuga em edifícios escolares no Brasil, baseada em simulação de abandono. 2017. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Gestão da Inovação, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó, Chapecó, 2017.

GWYNNE, S. M. V.; GALEA, E. R.; OWEN, M.; LAWRENCE, P. J.; FILIPPIDIS, L. Review of modelling methodologies used in the simulation of evacuation. J. Build. Environ, v. 34, p. 441-749, 1999.

HALL JÚNIOR. How many people can be saved from home fires if given more time to escape? Fire Technology, v. 40, n. 2, p. 117-126, 2004.

JONES, W.; PEACOCK, R.D.; FORNEY, G.P.; RENEKE, P.A. CFAST. Consolidated Model of Fire Growth and Smoke Transport. National Institute of Standards and Technology, Gaithersburg, MD, EUA, NISTIR 1026, 2005.

KALAY, Y. Performance-based design. Automation in Construction, v. 8, n. 4, p. 395-409, 1999.

KULIGOWSKI E. D.; MILETI D. Modeling pre-evacuation delay by occupants in world trade center towers 1 and 2 on September 11, 2001. Fire Safety Journal, v. 44, n. 4, p. 487-496, 2009.

KULIGOWSKI, E. D. Predicting Human Behavior During Fires. Fire Technology, v. 49, p. 101-120, 2013.

KULIGOWSKI, E. D. The Evaluation of a Performance-based Design Process For a Hotel Building: The Comparison of Two Egress Models. 2003. 364 p. Dissertação (Master of Science)-University of Maryland, College Park, USA, 2003.

KULIGOWSKI, E. D.; PEACOCK, R. A Review of Building Evacuation Models National Institute of Standards and Technology. 2005. Disponível em: < http://www.nist.gov/manuscript-publication-search.cfm?pub_id=906951 >. Acesso em: 03 abr. 2016.

KULIGOWSKI, E. D.; PEACOCK, R.; HOSKINS, B.; A Review of Building Evacuation Models, 2nd edition. National Institute of Standards and Technology Technical Note 1680, United States, 2010, 36 p.

KULIGOWSKI, E. D.; PEACOCK, R.; WIESS, E.; HOSKINS, B. Stair evacuation of people with mobility impairments. Fire and Materials, v. 39, p. 371-384, 2015.

LUNDIN, J. A simple model to determine the need for desing review, In: International conference on performance-based codes and fire safety design methods, 5, 2004, Luxembourg. Anais eletrônicos. Disponível em: < http://www.brand.lth.se/english/publications/ >. Acesso em: 01 maio 2016.

MATTEDI, D. L. Uma contribuição ao estudo do processo de projeto de segurança contra incêndio baseado em desempenho. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2005.

McGRATTAN, K. Fire Dynamics Simulator (version 4) – technical reference guide, NIST Special publication 1018 (Washington, 2006).

OLENICK M. S.; CARPENTER, D. J. An Updated International Survey of Computer Models for Fire Smoke. Journal of fire protection engineering [1042-3915], v. 13, p. 87-110, 2003.

ONO, R. A segurança contra incêndio em edificações: parâmetros para sua avaliação. 240 p. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 1997.

ONO, R. O impacto do método de dimensionamento das saídas de emergência sobre o projeto arquitetônico: uma análise crítica e proposta de aprimoramento. 2010. 457 p. Tese (Livre docência em tecnologia da arquitetura). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

PELECHANO, N.; MALKAWI, A. Evacuation simulation models: Challenges in modeling high rise building evacuation with cellular automata approaches. Automation in Construction, v. 17, n. 4, p. 377-385, 2008.

PREDTECHENSKII; V. M.; MILINSKII, A. I. Planning for Foot Traffic in Building. New Delhi: Amerind Publishing, Co. Pvt. Ltd, 1978.

PROULX G.; IRENE M. A.; REID N. R. C. Human behavior study, cook county administration building fire, October 17, 2003—Chicago, IL. National Research Council of Canada, Ottawa.

PROULX, G. Movement of People: Evacuation Timing. In: Dinenno, P. J. et al. SFPE Handkbook of Fire Protection Engineering, 3rd edition. Quincy National Fire Protection Association, Section three, p. 3-342 to 3-366. 2002.

PURSALS, S. C. Consideraciones en torno a los modelos para el estudio de la ecacución de edifícios. Tesis (Doctor Ingeniero Industrial) – Universitat Politècnica de Catalunya, Departament d`Organització d`Empreses, 2005.

PURSER D. A.; KUIPERS M. E. Interactions between buildings, fires and occupant behavior using a relational database created from incident investigations and interviews. In: Human behaviour in fire: proceedings of the third international symposium. Interscience Communications Ltd, London, p. 443-456, 2004.

PURSER D. A. Quantification of behavior for engineering design standards and escape time calculations. In: Human behaviour in fire: proceedings of the first international symposium. Interscience Communications Ltd, London, p. 497-506, 1998.

PURSER, D. A.; BOYCE, K. Implications of modeling and experimental studies of evacuation behavior on stairs for mutistorey building design. In: International Symposium on Human Behaviour in Fire, 4., Cambridge. Proceedings…London: Interscience Communications, 2009. p. 147-160.

REHM, R.G.; BAUM, H.R. The equations of motion for thermally driven, buoyant flows, Journal of Research of the National Bureau of Standards, v. 83, n. 3, p. 297-308, 1978.

RONCHI, E.; NILSSON, D. Modelling total evacuation strategies for high-rise buildings. Building Simulation, [S.l.], v. 7, n. 1, p. 73-87, ago. 2013.

SANTOS, G.; AGUIRRE, B.E. A critical review of emergency evacuation simulation models, In: Proceedings of the NIST Workshop on Building Occupant Movement during Fire Emergencies, Gaithersburg, 2004. p. 25-50.

SFPE - SOCIETY OF FIRE PROTECTION ENGINEERS. Engineering guide to performance-based fire protection and design of building. Quincy: National Fire Protection Association, 2000. 170p.

SEITO A. I. GILL, A. A.; PANONI, F. D.; ONO, R.; SILVA, S. B.; CARLO, U. D.; SILVA, V. P. A Segurança contra incêndio no Brasil / coordenação de Alexandre Itiu Seito,. et al. São Paulo: Projeto Editora, 2008. p. 496.

TAVARES, R. M. Evacuation processes versus evacuation models: “Quo Vadimus”?. Fire Technology, [S.l.], v. 45, n. 4, p. 419-430, jul. 2008.

WAGNER, R. Projeto para saídas de emergência: o conceito de desempenho em Santa Catarina. Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo POSARQ da Universidade Federal de Santa Catarina. SC, 2008.

VALENTIN, M. V. Saídas de emergência em edifícios escolares. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2008.




DOI: https://doi.org/10.18256/2358-6508.2018.v5i1.2433

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Ritielli Berticelli, Silvio Edmundo Pilz, Marcelo Fabiano Costella

Licença Creative Commons
Esta obra da Revista de Engenharia Civil IMED está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2358-6508

 Indexadores

DOAJ.jpg   logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png 
SHERPA-RoMEO-long-logo.gif   
 
 miar.png