A análise de visibilidade como ferramenta para concepção do projeto de sinalização de emergência

Daniel Paulo de Andrade, Edja Bezzera Faria Trigueiro, Edna Moura Pinto

Resumo


Em edificações de alta complexidade a questão da navegação e orientação pode configurar um problema para os usuários. A sinalização de emergência é o principal mecanismo de suporte ao ocupante nestas situações. É observado como problema de pesquisa a falta de critérios claros das normas brasileiras de sinalização de emergência sobre a leitura e eficiência na distribuição da sinalização no espaço edificado. Este fator é decorrente do caráter prescritivo das normas brasileiras. Desta maneira, o artigo tem por objetivo avaliar a possibilidade do uso da Análise Sintática do Espaço (ASE) como ferramenta para a investigação e síntese de informações que subsidiem a elaboração de um projeto de sinalização de emergência. Para tanto, foram realizados três estudos de caso em edificações que concentram alta densidade de pessoas. Os estudos tiveram como método de trabalho a aplicação da Norma Brasileira 13434:2004 da Associação Brasileira de Normas Técnicas e o estudo de visibilidade apoiado pelo escopo teórico da ASE, o que permitiu a comparação dos dados e a formulação de hipóteses, uma vez que esta pesquisa ainda se encontra em desenvolvimento, que levem ao desenvolvimento de parâmetros de concepção e avaliação da eficiência do projeto de sinalização de emergência. Os resultados alcançados até o momento demonstraram o potencial positivo do uso da análise de visibilidade e junto da aplicação da norma, o que tende a mostrar que o uso da ASE como ferramenta de leitura da edificação pode dar suporte para a concepção do projeto de sinalização de emergência em espaços complexos.


Palavras-chave


Projeto de Sinalização de Emergência, Análise Sintática do Espaço, Sintaxe Espacial, Segurança Contra Incêndio

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9077: Saída de emergência em edifícios. Rio de Janeiro: ABNT, 2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13434-1: Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 1 - Princípios de projeto. Rio de Janeiro: ABNT, 2004a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13434-2: Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2 - Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Rio de Janeiro: ABNT, 2004b.

BRENTANO, T. A proteção contra incêndios no projeto de edificações. 3. ed. Porto Alegre: Telmo Brentano, 2015.

CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Instrução Técnica no 20: Sinalização de Emergência. São Paulo: CBM/SP, 2011a.

FILIPPIDIS, L. et al. Representing the Influence of Signage on Evacuation Behavior within an Evacuation Model. Journal Of Fire Protection Engineering, p. 37–73, 2006.

GOUVEIA, A. M. C.; ETRUSCO, P. Tempo de escape em edificações: os desafios do modelamento de incêndio no Brasil. v. 55, n. 4, p. 257–261, 2002.

GURGEL, A. P. C. Entre serras e sertões: A(s) (trans)formação(ões) de centralidade(s) da Região Metropolitana do Cariri/CE. Dissertação de Mestrado—Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2012.

HILLIER, B. et al. Natural movement: or, configuration and attraction in urban pedestrian movementt. Environment and Planning B: Planning and Design, v. 20, n. 1, p. 29–66, 1993.

MUNARI, B. Design e comunicação visual. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ONOFRE, C. E. L. Pé no Campus: diretrizes de sinalização para os pedestres do Campus Central da UFRN. Trabalho Final de Graduação—Natal: Curso de Arquitetura e Urbanismo, Departamento de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2008.

SABOYA, R. Sintaxe Espacial, 2007. Disponível em: < http://urbanidades.arq.br/2007/09/sintaxe-espacial/ >. Acesso em: 9 nov. 2014.

SABOYA, R. Sintaxe espacial – Gráficos de Visibilidade, 2011. Disponível em: < http:// urbanidades.arq.br/2011/04/sintaxe-espacial-graficos-de-visibilidade-2 >. Acesso em: 26 abr. 2015.

RAMOS, Débora Tatiana Ferro. Análise ergonômica para o gerenciamento dos riscos de incêndio e explosões: uma abordagem interdisciplinar do sistema de informação industrial. 2007. 202 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Design, Departamento de Design, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

SPACE SYNTAX NETWORK (Inglaterra). Space Syntax. 2017. Disponível em: < http://www.spacesyntax.net/ >. Acesso em: 06 nov. 2017.

TURNER, A. Analysing the visual dynamics of spatial morphology. Environment and Planning B: Planning and Design, v. 30, p. 657–676, 2003.

TURNER, A. Depthmap 4: A Researcher’s Handbook. Londres: Bartlett School of Graduate Studies - UCL, 2004.

TURNER, A. et al. From isovists to visibility graphs: a methodology for the analysis of architectural space. Environment and Planning B: Planning and Design, v. 28, p. 103–121, 2001.

TURNER, A.; PENN, A. Making isovists syntactic: isovist integration analysis. Anais... In: 2ND INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON SPACE SYNTAX. Brasília: UnB, 1999.




DOI: https://doi.org/10.18256/2358-6508.2018.v5i1.2241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Daniel Paulo de Andrade, Edna Moura Pinto, Edja Trigueiro

Licença Creative Commons
Esta obra da Revista de Engenharia Civil IMED está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2358-6508

 Indexadores

DOAJ.jpg   logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png 
SHERPA-RoMEO-long-logo.gif   
 
 miar.png