Constituição, absolutismo e liberalismo. Um retrato da magistratura imperial em O juiz de paz na roça, de Martins Pena / Constitution, Absolutism and Liberalism. A portrait of imperial magistracy in "The Judge of Peace in the Countryside", by Martins P

Luis Rosenfield, André Karam Trindade, Júlia Marmentini Calgaro

Resumo


O presente estudo analisa a representação do magistrado construída por Luísa Carlos Martins Pena (1815-1848) em O juiz de paz na roça (1833), de modo a (re)contextualizar o lugar do direito e da Constituição e o papel da magistratura durante o Império. A partir da curta peça teatral, torna-se possível traçar de forma nítida as tensões que marcam essa época, notadamente a tensão paradoxal entre absolutismo e liberalismo na Constituição Imperial de 1824. Além disso, a literatura torna-se instrumento capaz para que sejam realizadas críticas à estrutura social, política e jurídica do período, expondo (i) a débil formação jurídica do Brasil do século XIX; (ii) a corrupção sistêmica e oficializada da nascente magistratura nacional; (iii) o desprezo do povo à Constituição e ao direito; (iv) e, por fim, os traços distintivos do que é comumente chamado de constitucionalismo imperial. Essa abordagem interdisciplinar está inserida na tradição do direito e literatura, mais especificamente na corrente do direito na literatura (Richard Posner) e sob a perspectiva dos modelos de juiz (François Ost).

Palavras-chave: Direito e Literatura; Martins Pena; O juiz de paz na roça; Constituição Imperial. Magistratura.

 

ABSTRACT

Based on the theoretical and methodological contributions of Law and Literature studies, this article analyzes the representation of the judge in the work O juiz de paz na roça [The justice of peace in the countryside], written in 1833 by Luis Carlos Martins Pena (1815-1848), in order to identify the place of the Constitution and the role of the judiciary during the imperial period. This theater piece describes the tensions of the time and, above all, the paradox observed in the 1824 Charter between absolutism and liberalism. Thus, literature emerges as a powerful ally for both the construction of national identity and for the understanding of social reality, revealing (a) the weak legal formation of nineteenth-century Brazil, (b) the systemic and official corruption of the nascent judicial power, (c) the lack of knowledge of common people on the constitution and of law in general, and, finally, (d) the distinctive features of what is commonly called imperial constitutionalism.

Key-words: Law and Literature; Martins Pena; The justice of peace in the countryside; Imperial Constitution; Magistracy.


Palavras-chave


magistratura; Martins Pena; Constituição Imperial; modelos de juiz; constitucionalismo imperial

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ARÊAS, Vilma. Introdução. In: MARTINS PENA, Luís Carlos. Comédias (1833-1844). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

BARRETO, Tobias. A questão do Poder Moderador e outros ensaios. Petrópolis: Vozes, 1977.

BINDER, Guyora; WEISBERG, Robert. Literary criticisms of law. Princeton: Princeton University Press, 2000.

BONAVIDES, Paulo; ANDRADE, Antônio Paes de. História Constitucional do Brasil. 9. ed. Brasília: OAB Editora, 2008.

CAENEGEM, R. C. van. Uma introdução histórica ao direito constitucional ocidental. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade; ALVES, Adamo Dias. As origens do poder moderador na Constituição Imperial de 1824. In: CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade (Org.). Constitucionalismo e História do Direito. Belo Horizonte: Pergamum, 2011. p. 163-190.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade; GOMES, David Francisco Lopes. Independência ou Sorte? Ensaio de História Constitucional do Brasil. Revista da Faculdade de Direito da UFPR, v. 55, p. 19-37, 2012.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político. São Paulo: Globo, 2003.

GOMES, David Francisco Lopes. “Houve mão mais poderosa”?: a independência do Brasil como momento de passagem à modernidade. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Direito, 2011.

LIMA LOPES, José Reinaldo de. Curso de história do direito. São Paulo: Método, 2013.

LIMA LOPES, José Reinaldo de. O oráculo de Delfos. Conselho de Estado e direito no Brasil oitocentista. São Paulo: Saraiva, 2010.

LIMA LOPES, José Reinaldo de. O Direito na História: lições introdutórias. São Paulo: Max Limonad, 2002.

MARTINS, Wilson. História da inteligência brasileira (1794-1855). v. II. São Paulo: Cultrix/Editora da Universidade de São Paulo, 1977.

MARTINS PENA, Luís Carlos. O juiz de paz na roça. In: MARTINS PENA, Luís Carlos. Comédias (1833-1844). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

MITTICA, Maria Paola. O que acontece além do oceano? Direito e literatura na Europa. In: ANAMORPHOSIS – Revista Internacional de Direito e Literatura. v. 1, n. 1, jan.-jun. 2015. p. 4-36.

MITTICA, M. P. Diritto e Costruzione narrativa. La connessione tra diritto e letteratura. Spunti per una riflessione. In: Tigor, n. 1, 2010. p. 14-23.

NEQUETE, Lenine. O Poder Juciário no Brasil a partir da Independência. Império. v. I. Porto Alegre: Livraria Sulina Editora, 1973.

OST, François. Contar a lei. As fontes do imaginário jurídico. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

OST, François. Dire le droit, faire la justice. Bruxelles: Bruyant, 2007.

PIERANGELI, José Henrique. Processo penal. Evolução histórica e fontes legislativas. São Paulo: Editora Jalovi, 1983.

PIMENTA BUENO, José Antônio. Direito público brasileiro e análise da Constituição do Império. Brasília: Serviço de Documentação do Ministério da Justiça e Negócios Interiores, 1958.

POSNER, Richard. Law & Literature. 3. ed. Cambridge/London: Harvard University Press, 2009.

TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães. Direito e Literatura: aproximações e perspectivas para se repensar o direito. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; COPETTI NETO, Alfredo (Orgs.). Direito & Literatura: reflexões teóricas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

TRINDADE, André Karam; MORAIS, Fausto Santos de; BRUM, Marcelo Barbosa. Direito, escravidão e literatura: reflexões acerca da (in) efetividade dos direitos fundamentais a partir do conto Negrinha, de Monteiro Lobato. Revista Brasileira de Direito (Passo Fundo), v. 7, p. 147-166, 2011.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2012.

STRECK, Lenio Luiz; TRINDADE, André Karam. Os modelos de juiz: ensaios de Direito e Literatura. São Paulo: Atlas, 2015.

VERÍSSIMO, Erico. O tempo e o vento. O continente. v. I. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

VIEIRA, Rosa Maria. O juiz de paz do Império a nossos dias. Brasília: Editora da UnB, 2002.

WOLKMER, Antônio Carlos. A magistratura brasileira no século XIX. In: Revista Seqüência: estudos jurídicos e políticos. Ano 19, nº 35, dez. 1997. p. 24-30.

WOLKMER, Antônio Carlos. História do direito no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2002.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604/revistadedireito.v11n2p126-136

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo