A BOLHA INFORMACIONAL E OS RISCOS DOS MECANISMOS DE BUSCA NA PERSONALIZAÇÃO DO USUÁRIO DE INTERNET: REFLEXÕES SOBRE O DIREITO À AUTODETERMINAÇÃO INFORMACIONAL

Cinthia Obladen de Almendra Freitas, Heline Sivini Ferreira, Ricardo Cavedon

Resumo


O artigo objetiva refletir sobre o direito fundamental à autodeterminação informacional no processo de personalização do usuário da Internet. Nesse sentido, pontua-se que os mecanismos de busca se tornaram tão relevantes no contexto social contemporâneo que se discute a formação de uma nova era, essencialmente marcada pela Tecnologia de Informação e Comunicação. Neste cenário, os mecanismos de busca estabelecem estruturas que possibilitam debater, de um lado, a Internet e cada um de seus usuários e, de outro, cada usuário e sua bolha de informação. Resultado de projeto de pesquisa, o artigo segue o método de abordagem dedutivo e o método de procedimento monográfico, procurando demonstrar as possíveis ameaças à esfera de proteção do usuário da Internet na busca pela constante personalização das informações desejadas e o papel da autodeterminação informacional na manutenção de princípios e direitos essenciais ao Estado Democrático de Direito.


Palavras-chave


Novas Tecnologias. Mecanismos de Busca. Bolha Informacional. Riscos. Direito à Autodeterminação Informacional.

Referências


BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo global. Madrid: Siglo XXI de España, 2006.

BUENO, Silveira. Mini dicionário da língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: FTD, 2007.

CASTELLS, Manuel. A Galáxia Internet: reflexões sobre Internet, negócios e sociedade. 2ª. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

CRAWFORD, Susan. The Origin and Development of a Concept: The Information Society. Bull. Med. Libr. Assoc. 71(4) October 1983. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

BARKER, Joe. Basic Search Tips and Advanced Boolean Explained. University of California, Berkeley, 2015. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

FECOMERCIOSP. Comportamento do Usuário Paulistano na Internet. 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

FERNANDES, Rogerio Paulo Muller; MONTEIRO, Silvana Drumond; GIRALDES, Maria Júlia Carneiro e VECHIATO, Fernando Luiz. Panorama atual do uso dos mecanismos de busca na Web. XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação – XIII ENANCIB 2012. GT 8 Informação e Tecnologia. Comunicação oral. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

GABRIEL, Martha Carrer Cruz. Sem e Seo: dominando o marketing de busca. 2ª. ed. São Paulo: Novatec Editora, 2012.

GOOGLE. How search works: from algorithms to answers. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

GOUVEIA, Luis Manuel Borges; GAIO, Sofia. Sociedade da Informação: balanço e oportunidades. Edições Universidade Fernando Pessoa, 2004.

GREENFIELD, Adam. Everyware: the dawning age of ubiquitous computing. AIGA: New Riders, 2006.

JAYNES, Edwin Thompson. Clearing up mysteries: the original goal. Maximum Entropy and Bayesian Methods, ed. J. Skilling, Kluwer Acad. Pub., Dordrecht, 1989. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

IAB. Interactive Advertising Bureau. Click Measurement Guidelines Version 1.0. Final Release, 2009. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

KNOX, Casey. A Strategic Approach to Social Media Intelligence. 2012. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

KUMAR, Krishan. Da Sociedade Pós-industrial à Pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas de Informação. Rio de Janeiro:LTC, 1999. 389p.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual?. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MAZURYK, Tomasz; GERVAUTZ, Michael. Virtual Reality: History, Applications, Technology and Future. 2015. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

MOBILON, Thiago. O potencial do WhatsApp para o uso em mineração de dados. 2014. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

MONTEIRO, Silvana Drumond. As múltiplas sintaxes dos mecanismos de busca no ciberespaço. Informação & Informação, Londrina, Vol. 14, No. esp., 2009. p. 68-102.

LIDDY, Elizabeth. How a search engine works. Vol. 9, No. 5, 2001. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

NAVARRO, Ana Maria. N. P. O Direito Fundamental à Autodeterminação Informativa. In: CONPEDI/UFF. (Org.). XXI Congresso Nacional do CONPEDI. 1. ed.: FUNJAB, 2012, p. 429-458. Disponível em . Acesso em 04 maio 2020.

NIELSEN. Nielsen Reports December U.S. Search Rankings. 2010. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

NIELSEN. The Most Valuable Digital Consumers. 20111. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

NETSKILLS. Exploring Advanced Search Features on the web. University of Newcastle, Doc 9.82, Ver 1, 2005.

PARISER, Eli. O Filtro Invisível: o que a internet está escondendo de você. Trad. Diego Alfaro. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PEREIRA, Felipe. O que é Marketing de Busca? – Infográfico sobre SEM. 2013. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

PEW INTERNET. Search Engine Use 2012. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

ROVER, Aires J. (org). Direito, sociedade e informática: limites e perspectivas da vida digital. Florianópolis: Boiteux, 2000.

ROVER, Aires José (org.). Direito e Informática. Barueri: Manole, 2004.

OFFICE. Truncar, Função Truncar. 2015. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

OLHAR DIGITAL. Buscador do Google passará pela maior reformulação da história, diz jornal. 2012. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 3 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

SERASA EXPERIAN. Google Brasil cresce na preferência dos usuários de Internet por buscadores em maio, de acordo com Hitwise. 2013. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

THUROW, Shari. Search Engine Visibility. 2003 Press Kit. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

VIEIRA, Tatiana Malta. O direito à privacidade na sociedade da informação: efetividade desse direito fundamental diante dos avanços da tecnologia da informação. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, 2007. Disponível em

/10482/3358/1/2007_TatianaMaltaVieira.pdf>. Acesso em: 04 maio 2020.

WARREN, Samuel D.; BRANDEIS, Louis D. The Right to Privacy. Harvard Law Review, Vol. IV, No. 5, 1890. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2020.

ZYGMUND, Bauman. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604.2020.v16i3.4305

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo
 erihplus.png