O federalismo assimétrico como instrumento de efetividade do direito social a primeira infância no Brasil

Newton Cesar Pilau, João Martins Bertaso

Resumo


O Federalismo Assimétrico como Instrumento de Efetividade do Direito Social à Primeira Infância no Brasil infere reflexões que consolidam substratos indispensáveis a condição digna da existência da criança. Ao perpassar análise da construção federativa moderno-contemporânea, são realizados apontamentos acerca do federalismo estadunidense, alemão e brasileiro, que oferecem elementos para nortear a ação em prol do direito infantil. No que se refere ao Brasil, o federalismo se traduz em possibilidade importante para a efetivação de direitos, possuindo sólido vínculo constitucional que conduzem ao federalismo assimétrico, que determinará o dever jurídico e vinculado aos poderes públicos, quando tratado do direito fundamental social à primeira infância. Na esfera federativa interna brasileira, em sua organização, observa-se que o pacto reconhece o Município como ente federado, com responsabilidades e consolidações a serviço da república e da federação, possuindo relevante papel de ator social na tarefa de tornar efetivo o Direito Social à Primeira Infância no Brasil. Ainda, destaca a atuação dos poderes constituídos, que tem por ato vinculado, a implementação de ações que contemplam de efetividade o direito infantil. Assevera o Federalismo Assimétrico, como instrumento pragmático na defesa dos Direitos Sociais, ao afirmar aos poderes públicos o império no atendimento as suas demandas com preferência, prioridade e privilégio na execução das políticas públicas, exigindo-se a Efetividade do Direito Social à Primeira Infância no Brasil. O método utilizado é o indutivo e a pesquisa possui fonte bibliográfica.

Palavras-chave


Direitos da Criança e do Adolescente – Federalismo Assimétrico - Município 

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 18ª ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 49ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2014, p. 21.

BRASIL. Estado de Santa Catarina. Constituição do Estado de Santa Catarina. Art. 110. O Município é parte integrante do Estado, com autonomia política, administrativa e financeira, nos termos da Constituição Federal e desta Constituição. http://www.alesc.sc.gov.br/portal/legislacao/constituicaoestadual.php. Acesso em: 27 janeiro 2018.

BRASIL. Estado do Rio Grande do Sul. Constituição do Estado do Rio Grande do Sul. Art. 8º O Município, dotado de autonomia política, administrativa e financeira, reger-se-á por lei orgânica e pela legislação que adotar, observados os princípios estabelecidos na Constituição Federal e nesta Constituição. http://www2.al.rs.gov.br. Acesso em: 10 maio 2018.

CADEMARTORI, Luiz Henrique Urquhart; NAVARRO, Gabriela Cristina Braga. A Teoria do Direito entre Neoconstitucionalismos e Garantismo e a Proteção à Democracia. p. 78. http://www.fdsm.edu.br/adm/artigos/fab049601bee4ee924a7748c78505570.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2018.

DE ASÍS ROIG, Rafael e outros in Peces-Barba Martinez, Gregorio; Fernandez García, Eusebio; De Asís Roig, Rafael (Dirección). Los Textos de la Colonias de Norteamérica y las Enmiendas a la Constituición in Historia de los Derechos Fundamentales. Tomo II:siglo XVIII, volumen III. Madrid: Dykinson, 2001.

FIORAVANTI, Maurizio. Constitucionalismo: Experiências históricas y tendências actuales. Madrid: Editorial Trota, 2014.

FIORAVANTI, Maurizio. Constituición. De la Antiguedad a Nuestros Dias. Madrid: Editorial Trotta, 2001.

FLEINER-GERSTER, Thomas in Fleiner-Gerster, Thomas; GRIMM, Dieter; Schaffer; Delpéré, Francis e Tornos, Joaquín. El Federalismo Suizo: La influencia del Federalismo Americano in El Federalismo en Europa. Barcelona: Hacer Editorial, 1993.

GIL, Antonio Arroyo. El Federalismo Alemán en la Encrucijada. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 2006.

GRAU, Luis. El Constitucionalismo Americano. Madrid: Universidad Carlos III de Madrid, 2011.

GRIMM, Dieter in Fleiner-Gerster, et al. El Federalismo Alemán: Desarrollo Histórico y Problemas Actuales in El Federalismo en Europa. Barcelona: Hacer Editorial, 1993.

JELLINEK, G. Teoría General del Estado. Trad. de Fernando de los Ríos Urruti, Peligros (Granada): Editorial Comares, 2000.

MADISON, James; HAMILTON, Alexander; JAY, John. El Federalista. Barcelona: Institut d’Estudis Autonómics Generalitat de Catalunya, 2009.

PERGOLA, Antonio La. Los Nuevos Senderos del Federalismo. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1994.

SCHWABE, Jurgen. Trad. Beatriz Hennig e outros. Cinquenta Anos de Jurisprudencia do Tribunal Constitucional Federal Alemão. Montevideo: Konrad-Adenauer-Stiftung, 2005.

SMEND, Rudolf. Constitución y Derecho Constitucional. Madrid: Centro de Estudos Constitucionales, 1985.

VALDÉS, Roberto Blanco. El Constitucionalismo de la Revolución Liberal: las dos orillas. In: PECES-BARBA MARTINEZ, Gregorio; FERNANDEZ GARCÍA, Eusebio; ANSUÁTEGUI ROIG, Francisco; URIBES, J. M. R. Historia de los Derechos Fundamentales. Tomo III: siglo XIX, volumen I, libro I. Madrid: Dykinson, 2007.

WHEARE. Kenneth Clinton. Govern Federal. Barcelona: Institut d’Estudis Autonómics Generalitat de Catalunya, 2008.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604.2019.v15i1.3354

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo