A construção histórica das ações afirmativas para afrodescendentes no Brasil / The historical building of affirmative actions for afrodescendants in Brazil

Narciso Leandro Xavier Baez

Resumo


RESUMO

Este artigo tem por objetivo estudar o nível de efetividade das ações afirmativas historicamente construídas para a população afrodescendente no Brasil. Para tanto, estudam-se os contornos e as controvérsias que norteiam a definição das ações afirmativas, bem como as principais teorias que buscam fundamentá-las. Além disso, analisa-se a evolução que a temática recebeu na história constitucional brasileira, buscando-se entender as raízes da discriminação sofrida pelos afro-brasileiros e a forma como o Estado tem buscado reverter essa situação. Por fim, discute-se a recente dicotomia entre o uso das ações afirmativas como mecanismo de efetividade do direito fundamental à igualdade real versus o questionamento sobre a abusividade e desproporcionalidade de algumas medidas por elas implementadas. A metodologia utilizada neste texto foi a pesquisa bibliográfica, bem como a análise comparativa das estatísticas sobre direitos humanos e discriminação, elaboradas pela Organização das Nações Unidas (ONU), pela Organização dos Estados Americanos (OEA) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Palavras-Chave: dignidade humana, direitos humanos, teorias da justiça, ações afirmativas, afro-brasileiros

 

ABSTRACT

This article aims to study the affirmative actions' effectiveness, historically built for the Afrodescendant population in Brazil. Therefore, it begins studing the contours and controversies that guide the definition of affirmative actions, as well as the main theories that look to justify them. In addition, it analyzes the evolution that this thematic received in the Brazilian constitutional history, trying to understand the roots of the discrimination suffered by Afro-Brazilians and the way the State has tried to reverse this situation. Finally, it discuss the recent dichotomy between the use of affirmative action as a mechanism of effectiveness of the fundamental right to substantial equality versus the questioning of the abuse and disproportionality of some measures implemented by them. The methodology used in this text was the bibliographical research, as well as the comparative analysis of statistics on human rights and discrimination, developed by the United Nations, the Organization of American States (OAS) and the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE).

Keywords: human dignity, human rights, theories of justice, affirmative action, Afro-Brazilians


Palavras-chave


dignidade humana, direitos humanos, teorias da justiça, ações afirmativas, afro-brasileiros

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALVAREZ, Sonia. A globalização dos feminismos latino-americanos. In: ALVAREZ; DAGNINO; ESCOBAR (Orgs.). Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR. (2011) Pesquisa do perfil socioeconômico e cultural dos estudantes de graduação das IFES. Disponível em: http://www.andifes.org.br/wp-content/files_flutter/1377182836Relatorio_do_perfi_dos_estudantes_nas_universidades_federais.pdf. Acesso em: 20 set. 2017.

AZEVEDO, Mário Luiz Neves de. Igualdade e equidade: qual é a medida da justiça social? Revista Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 18, n. 1, p. 129-150, Mar. 2013.

BENTHAM, Jeremy. The Principles of Morals and Legislation. New York: Prometheus Book, 1988.

BERGMANN, Barbara. In defense of affirmative actions. New York: BasicBooks. 1996.

BESTER, Gisela Maria. Principiologia constitucional e ações afirmativas: em prol da inclusão das pessoas idosas no Brasil - de Chronos a Kairos. Espaço Jurídico Journal of Law, Joaçaba, V7, n.2, p. 115-146, jul/dez, 2016.

BRASIL, Recurso Especial n. 1.132.476/PR, Julgado em: 13/10/2009, RSTJ, v. 18.

BRASIL. Constituição Federal de 1824. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm. Acesso em: 03 set. 2017.

BRASIL. Constituição Federal de 1891. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm. Acesso em: 03 set. 2017.

BRASIL. Constituição Federal de 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm. Acesso em: 03 set. 2017.

BRASIL. Constituição Federal de 1937. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao37.htm. Acesso em: 03 set. 2017.

BRASIL. Constituição Federal de 1946. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao46.htm. Acesso em: 03 set. 2017.

BRASIL. Constituição Federal de 1967. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao67.htm. Acesso em: 03 set. 2017.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 03 set. 2017.

BRASIL. Decreto 65.810, de 8 de dezembro de 1969. Artigo I, parágrafo 4. Disponível em: http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=94836. Acesso em: 04 set. 2017.

BRASIL. Decreto Federal 4.228/02. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4228.htm. Acesso em: 02 set. 2017.

BRASIL. LEI Nº 12.711, DE 29 DE AGOSTO DE 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 02 set. 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4277 e Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 132, 2011.

BREST, Paul; LEVINSON, Sanford; BALKIN, J. M.; AMAR, AKhil Reed. Processes of Constitutional decisionmaking. 4. ed., Gaithersburg: Aspen, 2000.

BROWN, José Afonso Mazzon (Org.). Projeto de Estudo sobre Ações discriminatórias no Âmbito Escolar. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relatoriofinal.pdf. Acesso em: 02 set. 2017.

BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa; MERCADO, Cristiano Miglioranza; RICOLDI, Arlene. Trabalho, Renda e Políticas Sociais: Avanços e Desafios. In: BRASTED, Leila Linhares; PITANGUY, Jacqueline (Org.). O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de Janeiro: CEPIA; Brasília: ONU Mulheres, 2011.

CALEIRO, João Pedro. O tamanho da desigualdade racial no Brasil em um gráfico. Disponível em: http:s://exame.abril.com.br/economia/o-tamanho-da-desigualdade-racial-no-brasil-em-um-grafico/. Acesso em: 02 set. 2017.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. O direito à diferença. Belo Horizonte: Arraes Editores, 2009.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. 2. ed. São Paulo: Global. 2007.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Aspectos jurídicos das ações afirmativas. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Porto Alegre, v. 69, n. 2, p. 74, Julho-Dezembro, 2003.

FISCUS, Ronald J. The Constitutional Logic of Affirmative Action. Durham and London: Duke University Press, 1992.

FRASER, Nancy. Social Justice in the Age of Identity Politics: Redistribution, Recognition and Participation. In: PETERSON, Grethe B. (ed). The Tanner Lectures on Human Values. v. 1. Salt Lake City: Stanford University, 1996. p. 3.

FRY, Peter; MAGGIE, Yvonne. Cotas raciais: construindo um país dividido?. Econômica: Revista da Pós-Graduação em Economia da UFF, Niterói, v. 6, n. 1, p. 153-161, jun. 2004.

GOMES, Joaquim B. Barbosa. Ações Afirmativas e Princípio Constitucional da Igualdade: o direito como instrumento de transformação social - A experiência dos EUA. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

GOMES, Joaquim Benedito Barbosa. O debate constitucional sobre as ações afirmativas. In: SANTOS, Renato Emerson dos; LOBATO, Fátima (Orgs.). Ações afirmativas: políticas públicas contra as desigualdades raciais. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

GREENE, Kathanne W. Affirmative Action and Principles of Justice. London: Greenwood Press, 1989.

HÄBERLE, Peter. Libertad, igualdad, fraternidad: 1789 como historia, actualidad y futuro del Estado constitucional. Madrid: Trotta, 1998.

HELLER, Agnes. Além da justiça. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

ISHAY, Micheline. The history of human rights: from ancient times to the globalization era. California: University of California Press, 2004.

KAUFMANN, Roberta Fragoso Menezes. Ações Afirmativas à brasileira: necessidade ou mito? uma análise histórico-jurídico-comparativa do negro nos Estados Unidos da América e no Brasil. Porto Alegre: Livraria do advogado, 2007.

LOBO, Bárbara Natália Lages. O Direito à Igualdade na Constituição Brasileira: comentários ao Estatuto da Igualdade Racial e a Constitucionalidade das Ações Afirmativas na Educação. Belo Horizonte: Forum, 2013.

MÈLIN-SOUCRAMANIEN, Ferdinand. Le Principle d’égalité dans la Jurisprudence du Conseil Constitucionnel. Paris: Economica, 1997.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. O conteúdo jurídico do princípio da igualdade. 3. ed., 4. tir. São Paulo: Malheiros, 1998.

MELLO, Marco Aurélio Mendes de Farias. Ótica Constitucional - a Igualdade e as Ações Afirmativas In: Discriminação e Sistema Legal Brasileiro - Seminário Nacional em comemoração do Dia do Zumbi dos Palmares. Anais Tribunal Superior do Trabalho: Brasília, 2001.

MILL, John Stuart. Utilitarianism. Corby: Oxford University Press, 1998.

MOEHLECKE, Sabrina. AÇÃO AFIRMATIVA: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 117, nov. 2002.

Negros representam 54% da população do país, mas são só 17% dos mais ricos. UOL Economia. São Paulo, 04 de dezembro de 2015. Disponível em: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/12/04/negros-representam-54-da-populacao-do-pais-mas-sao-so-17-dos-mais-ricos.htm. Acesso em: 02 set. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. Ações afirmativas e avanços sociais. Disponível em: https://nacoesunidas.org/acoes-afirmativas-e-avancos-sociais/. Acesso em: 20 set. 2017.

PIOVESAN, Flávia. Ações Afirmativas da Perspectiva dos Direitos Humanos. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 124, p. 43-55, jan./abr. 2005.

PIOVESAN, Flávia. Ações afirmativas no Brasil: desafios e perspectivas. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 887-896, Dec. 2008.

PISCITELLI, Rui Magalhães. O Estado como promotor de ações afirmativas e a política de quotas para o acesso dos negros à universidade. Curitiba: Juruá, 2009.

RIBEIRO, Matilde; PIOVESAN, Flávia. Dossiê 120 anos de abolição. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 879-885, dez. 2008.

RIBEIRO. Rafael de Freitas Schultz. Estudo Sobre as Ações Afirmativas. Revista SJRS, Rio de Janeiro, v.18, n. 3, p. 165-290, ago. 2011.

RIOS, Roger Raupp. Direito da Antidiscriminação: discriminação direta, indireta e ações afirmativas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

SANTOS, Hélio. Políticas públicas para a população negra no Brasil. Observatório da cidadania, Rio de Janeiro: Ibase, 1999.

SARLET, Ingo Wolfgang. Affirmative Action and The Fight Against Inequalities in Brazil: The case of race and equal access to higer education. In: DUPPER, Ockert; KAMALA, Sankaran (ed.). Affirmative Action: A View from the Global South. CIDADE: Sun Press, 2014.

SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. Em 3 anos, 150 mil negros ingressaram em universidades por meio de cotas. (2016). Disponível em: http://www.seppir.gov.br/central-de-conteudos/noticias/2016/03-marco/em-3-anos-150-mil-negros-ingressaram-em-universidades-por-meio-de-cotas/. Acesso em: 20 set. 2017.

SILVA, Nelson do Valle. Morenidade: Modo de Usar. In: HASENBALG, Carlos A; SILVA, Nelson do Valle; LIMA, Márcia. Cor e Estratificação Social. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria Ltda, 1992.

SILVA, Paulo Vinicius Baptista da; ROSEMBERG, Fúlvia. Brasil: lugares de negros e brancos na mídia. In: VAN DIJK, Teun A. van. Racismo e discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008.

SOWELL, Thomas. Civil Rights: Reality or Rheatoric. New York: Morrow, 1984.

WASSERSTROM, Richard. Philosophy and social issues: five studies. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1980.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604.2017.v13i3.2219

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo