A alteridade ecológica como princípio ético-jurídico necessário à construção de uma ética adequada ao Século XXI

Laurício Alves Carvalho Pedrosa

Resumo


O presente artigo visa identificar a noção de alteridade como um dos principais valores do atual sistema ético global e reconhecer sua consagração dentre as normas fundamentais da Constituição Federal brasileira. Em seguida, são formuladas propostas de transformações interpretativas para o referido termo, de modo a nortear a construção de uma ética adequada ao século XXI.


Palavras-chave


Alteridade; Ética; Responsabilidade; Solidariedade

Texto completo:

PDF HTML

Referências


APEL, Karl-Otto. Ética e responsabilidade: o problema da passagem para a moral pós-convencional. Tradução de Jorge Telles Menezes. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

ANDERSON, Elisabeth. Value in ethics and economics. Cambrige, Mass: Harward University Press, 1993.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 14 dez. 2015.

BYINGTON, Carlos Amadeu Botelho. Psicologia simbólica junguiana. São Paulo: Editora Linear B, 2008.

CÂMARA, Emmanoel Fenelon Saraiva. Dom Pedro II e a psicologia da identidade brasileira. Brasília: Editora Centro-Hinterlândia, 2013.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 2006.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. Tradução de Ephraim Ferreira Alves; Jaime A. Clasen; Lúcia M. E. Orth. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

DUVIGNAUD, Jean. A solidariedade: Laços de sangue, laços de razão. Tradução de Vasco Cassimiro. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

FRANCISCO. Carta Encíclica Laudato Si’: Sobre o cuidado da casa comum. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

HABERMAS, Jürgen. A crise de legitimação no capitalismo tardio. Tradução de Vamireh Chacon. 2. ed. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva; Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Parte I, Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schubak, 14 ed., Rio de Janeiro/São Paulo: Vozes / Universidade São Francisco, 2005.

HINKELAMMERT, Franz. Solidaridad o suicídio colectivo. Granada: Editorial Universidad de Granada, 2005.

HOBBES, Thomas. Leviatã, ou A matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. 3. ed. Tradução de Rosina D’Angina. São Paulo: Ícone, 2014.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. Tradução de Luiz Repa. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: Ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Tradução de Marijane Lisboa e Luiz Barros Montez. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Tradução de Maria Luíza Appy; Dora Mariana R. Ferreira da Silva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes e outros escritos. Tradução de Leopoldo Holzbach. São Paulo: Martin Claret, 2003.

KANT, Immanuel. Metafísica dos costumes. Tradução de Edson Bini. 2. ed. rev. Bauru, SP: EDIPRO, 2008.

KROHLING, Aloisio. A ética da alteridade e da responsabilidade. Curitiba: Juruá, 2011.

LACAN, Jaques. Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

LARENZ, Karl. Derecho justo: Fundamentos de etica jurídica. Traducción y presentación de Luiz Díez-Picazo. Madrid: Civitas Ediciones, 2001.

LIPOVETSKY, Gilles. A sociedade pós-moralista: o crepúsculo do dever e a ética indolor dos novos tempos democráticos. Tradução de Armando Braio Ara. Barueri, SP: Manole, 2005.

LÉVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre alteridade. Tradução de Pergentino Pivatto [et al.], (coord.). 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

PAREKH, Bhikhu. Rethinking Multiculturalism: Cultural diversity and political theory. Second edition. Chippenham and Eastbourne: Palgrave Macmilian, 2006.

PATRÃO NEVES, Maria do Céu. O que é bioética? Cadernos de Bioética, 1996.

PLATÃO. A República. Tradução de Leonel Vallandro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

RICKEN, Friedo. Sozialethik. Stuttgart: Verlag W. Kohlhammer, 2014.

SANTOS, Boaventura de Souza. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência: Para um novo senso comum: A ciência, a política e o direito na transição paradigmática. vol. 1, 6 ed., São Paulo: Cortez Editora, 2007.

SCHAPP, Jan. Über Freiheit und Recht. Tübingen: Mohr Siebeck, 2008.

SCHAPP, Jan. Freiheit, Moral und Recht. Tübingen: Mohr Siebeck, 2005.

SCHAPP, Jan. Liberdade, moral e direito: Elementos de uma filosofia do direito. Tradução de Mariana Ribeiro de Souza. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 2009.

SEMPRINI, Andrea. Multiculturalismo. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

SILVA, José Carlos Moreira da. Filosofia jurídica da alteridade. Curitiba: Juruá, 2006

VAZ, Henrique C. de Lima. Escritos de Filosofia IV: introdução à ética filosófica. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

WOLKMER, Antônio Carlos. Pluralismo Jurídico: Fundamentos de uma nova cultura no direito. 3 ed. São Paulo: Editora Alfa Omega, 2001.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604.2018.v14i3.2115

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo