Entre a doutrina da situação irregular e a da proteção integral: o conceito de vulnerabilidade e a aplicação de medidas socioeducativas a partir da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça

Ana Paula Motta Costa, Sofia de Souza Lima Safi, Roberta Silveira Pamplona

Resumo


A partir da problematização da noção de vulnerabilidade social enquanto possível herança da doutrina da situação irregular, o presente trabalho estuda a utilização desse termo nos processos de ato infracional, buscando verificar em quais situações ele é utilizado. Tal trabalho justifica-se diante da mudança de paradigma que ocorreu no olhar sobre a juventude a partir do Estatuto da Criança e do Adolescente. Para tanto, foi realizada uma pesquisa nas decisões do Superior Tribunal de Justiça que tratavam do tema. Primeiramente, foi realizada uma classificação inicial em que se percebeu que o aspecto do jovem mais utilizado nas decisões que definiram uma situação de vulnerabilidade era o envolvimento com outros atos infracionais ou o “envolvimento tidos como moralmente escusos”. Constatou-se, ainda, a utilização do termo como forma de abarcar situações abstratas da vida dos jovens. Por fim, verificou-se que a situação de vulnerabilidade pode servir de fundamento para a aplicação de uma medida socioeducativa mais gravosa.

Palavras-chave


Adolescentes; Vulnerabilidade; ECA; Controle social

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABRAMOVAY, Miriam. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas / Miriam Abramovay et alii. – Brasília: UNESCO, BID, 2002. 192 p.

ALVAREZ, Marcos César. A emergência do Código de Menores de 1927. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1989.

ALVAREZ, Marcos César. Punição, Discurso e Poder: Textos reunidos. Tese (livre-docência). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

ARANTES, Esther. Rostos de Crianças no Brasil. In: RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco. (orgs.). A arte de governar crianças - a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

BARATTA, Alessandro. Criminología crítica y crítica del derecho penal: introducción a la sociología jurídico penal. 1 Ed. Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2004.

BRASIL. Serviço Nacional de Assistência a Menores. Lei 3.799 de 5 de novembro de 1941.

BRASIL. Código de Menores. DECRETO nº 17.943 de 12 de outubro 1927.

BRASIL. Código de Menores. Lei nº 6.697 de 10 de outubro de 1979.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990.

BRASIL. Orientações Técnicas sobre o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Diário Oficial da União, 2012.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos (SDH). Levantamento Anual dos/as Adolescentes em Conflito com a Lei – 2012. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, 2013.

COIMBRA, Cecília; BOCCO, Fernanda; NASCIMENTO, Maria Lívia. Subvertendo o conceito de adolescência. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 57, n. 1, p. 2-11, 2005.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ. Panorama nacional: a execução das medidas socioeducativas de internação. Brasília, Conselho Nacional de Justiça. 2012.

COSTA, Ana Paula Motta. Os direitos dos adolescentes no Sistema Constitucional Brasileiro. Revista Diké - Mestrado em Direito, v. 4, p. 137-156, 2015.

CRUZ, Lilian; GUARESCHI, Neuza. A constituição da Assistência Social como Política Pública: interrogações à psicologia. In: CRUZ, L; GUARESCHI, N. (orgs.). Políticas Públicas e a Assistência Social. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

CRUZ, Lílian; HILLESHEIM, Betina. Vulnerabilidade Social. In: FERNANDES, Rosa; HELLMANN, Aline (orgs.). Dicionário crítico: política de assistência social no Brasil. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2016.

FALEIROS, Vicente. Infância e Processo Político no Brasil. In: RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco (orgs.). A arte de governar crianças - a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

FERREIRA, A. B. de H. (1999). Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa (3a ed. rev. e ampl.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

FREZZA, Marcia; MARASCHIN, Cleci; SANTOS, Nair Silveira. Juventude como Problema de Políticas Públicas. Psicologia & Sociedade, 21(3): p. 313-323, 2009.

GONZÁLES, Zuleika; GUARESCHI, Neuza. Concepções sobre a categoria da Juventude. In: CRUZ, Lilian; GUARESCHI, Neuza (orgs.). Políticas Públicas e a Assistência Social. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

MARINGONI, Gilberto. A longa jornada dos direitos trabalhistas. Revista Desafios do Desenvolvimento – IPEA, ano 10, Ed. 76, 2013.

MÉNDEZ, Emílio Garcia. Infância e Cidadania na América Latina. São Paulo: Ed. HUCITEC, 1996.

MINAHIM, Maria Auxiliadora; SPOSATO, Karyna Batista. A internação de adolescentes pela lente dos tribunais. Rev. direito GV, v.7, n.1, p. 277-298, Jan./June 2011.

MISSE, Michel. CRIME E POBREZA: Velhos enfoque, novos problemas. Trabalho apresentado no Seminário: Brasil em Perspectiva: Anos 90, promovido pelo Laboratório de Pesquisa Social do Departamento de Ciências Sociais do IFCS - UFRJ, em 26-8-1993.

PAULA, Liana de. Da “questão do menor” à garantia de direitos. Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 27-43, jan.-mar. 2015

REIS, Carolina; GUARESCHI, Neuza; HÜNING, Simone; AZAMBUJA, Marcos. A produção do conhecimento sobre risco e vulnerabilidade social como sustentação das práticas em políticas públicas. Estudos de Psicologia, v. 31, 4, Campinas, out-dez 2014.

RIZZINI, Irene. O século perdido - raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. São Paulo: Cortes, 2011(b).

SARAIVA, João Batista Costa. Adolescente em conflito com a lei. Da indiferença à proteção integral. Porto Alegre: Livraria do advogado, 2003.

SCHUCH, Patrice. Práticas de justiça: uma etnografia do “Campo de Atenção ao Adolescente Infrator” no Rio Grande do Sul, depois do Estatuto da Criança e do Adolescente. Porto Alegre, tese de doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2005.

SPOSITO, Marília; CARRANO, Paulo César. Juventude e políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Educação, n. 24, p. 16-39, Set /Out /Nov /Dez 2003.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604.2018.v14i3.1947

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo