Ética jurídica crítica da alteridade: seus fundamentos no pensamento da libertação de Enrique Dussel

Lucas Machado Fagundes, Antonio Carlos Wolkmer

Resumo


O pensamento jurídico crítico é um tema com várias fontes de fundamentação, muitas delas inseridas no contexto da racionalidade moderna ou na racionalidade pós-moderna. Assim, delimitando a questão da fundamentação do pensamento jurídico crítico, cabe referir que este é arquitetado desde a relação interdisciplinar que lhe caracteriza como criticidade; por essa razão, a filosofia e a ética ocupam um papel fundamental para consolidação destas vertentes de pensamento. No entanto, as variadas perspectivas éticas acompanham um desenvolvimento centrado na realidade histórica em que são construídas. Logo, algumas éticas são forjadas no projeto da modernidade como universais, mesmo que partindo de contextos particulares, os quais se tornam cânones para verificação da validade e são impingidos como verdades a todas as partes do mundo ocidental. Isso pode ser exemplificado na centralidade e na potência auferida ao indivíduo e a sociedade egoísta fruto da modernidade norte-eurocêntrica. Assim, o problema central que ocupa a presente reflexão se dá no sentido de que as éticas fundamentadoras do projeto da modernidade encontraram esgotamento e, juntamente a isso ocorre a emergência de outras perspectivas éticas desestabilizadoras criticamente, que se apresentam como alternativas. Diante disso, a ética da libertação latino-americana, elaborada por Enrique Dussel é uma destas hipóteses que emergem como possibilidade de crítica ao pensamento moderno, com isto o objetivo do texto é verificar as potencialidades da ética da libertação como crítica jurídica, especificamente analisando os materiais e categorias que auxiliam na reflexão e na consolidação de uma proposta ética fundamentadora. Tais objetivos serão buscados por meio de uma pesquisa bibliográfica e Analética, que irá privilegiar uma metodologia interdisciplinar. Portanto, o presente estudo revela desde a crise da modernidade em sua perspectiva ética, um fundamento alternativo e crítico, que contribui com materiais para refletir uma ética jurídica da libertação latino-americana.

Palavras-chave


Modernidade; Racionalidade; Ética da libertação; Ética da alteridade; Crítica Jurídica.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


APEL, Karl-Otto. Estudios Éticos. Barcelona: Editorial Alfa, 1986.

APEL, Karl-Otto. La Transformación de la Filosofía. Madrid: Taurus, 1985.

CERRUTTI GULDBERG, Horacio. Filosofía de la Liberación Latino-Americana. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

DUSSEL, Enrique. Filosofía de la Liberación y Comunidad de Comunicación de Vida. S/d.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da Libertação. São Paulo: Loyola, 1982.

DUSSEL, Enrique. Para uma Ética da Libertação Latino-Americana. Vol. 4. São Paulo: Loyola, 1977.

DUSSEL, Enrique. 1492, O encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

DUSSEL, Enrique. Ética del discurso y ética de la liberación: debate 1989-1997. Madrid: Editorial Trotta, 2005.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. Tradução Ephraim Ferreira Alves, Jaime A. Clasen, Lúcia M. E. Orth. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. Petrópolis: Vozes, 1983.

GOMEZ DE SOUZA, Luiz Alberto. Elementos Éticos Emergentes nas Práticas dos Movimentos Sociais. Revista Síntese - Nova Fase, São Paulo/Belo Horizonte, Loyola, Nº 48, jan./mar. 1990.

GUERREIRO, Mario A.L. Ética e Ciência de Hilary Putnam. In: CARVALHO, Maria Cecília M. de (comp.). Paradigmas Filosóficos da Atualidade. Campinas - SP: Papirus, 1989.

GUTIERREZ, Gustavo. Teologia da Libertação. Petrópolis: Vozes, 1976.

HABERMAS, Jürgen. Consciência Moral e Agir Comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HELLER, Agnes; FEHÉR, Ferenc. Políticas de la PostModernidad. Barcelona: Ediciones Península, 1989.

HELLER, Agnes; FEHÉR, Ferenc. Más allá de la Justicia. Barcelona: Editorial Crítica, 1990.

HELLER, Agnes; FEHÉR, Ferenc. Sociologia de la Vida Cotidiana. Barcelona: Península, 1991.

HELLER, Agnes; FEHÉR, Ferenc. A Herança da Ética Marxista. In: HOBSBAWN, Eric J. (comps.). História do Marxismo. O Marxismo Hoje (Segunda parte). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

JACOB, André (Dir.). Encyclopédie Philosophique Universelle. Vol. I. L’Univers Philosophique. Paris: P.U.F, 1989.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e Infinito. Lisboa: Edições 70, 1988a.

LEVINAS, Emmanuel. Ética e Infinito. Lisboa: Edições 70, 1988b.

LUDWIG, Celso Luiz. A transformação jurídica na ótica da filosofia da libertação: a legitimidade dos novos direitos. Revista Libertação-Liberación. Revista de filosofia, Nova Fase, Curitiba, Nº 5, 2006.

LUDWIG, Celso Luiz. A transformação jurídica na ótica da filosofia da libertação: a legitimidade dos novos direitos. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Nº 41, 2004.

LUDWIG, Celso Luiz. Filosofia e pluralismo: uma justificação filosófica transmoderna ou descolonial. In: WOLKMER, Antonio Carlos (comps.). Pluralismo Jurídico: os novos caminhos da contemporaneidade. São Paulo: Saraiva, 2010.

LUDWIG, Celso Luiz. Para uma Filosofia Jurídica da Libertação: Paradigmas da filosofia da libertação e direito alternativo. São Paulo: Conceito Editorial, 2011.

MARIATEGUI, José Carlos. Sete Ensaios de Interpretação da Realidade Peruana. São Paulo: Alfa-Omega, 1975.

MOSER, A.; DUSSEL, E.; STEIN, D.; MIETH, D. Libertação: Um Desafio para a Ética Cristã. Petrópolis: Vozes, 1984.

SIEBENEICHLER, Flavio Beno. Jürgen Habermas: razão comunicativa e emancipação. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

PUTNAM, Hilary. Racionalidad en la Teoria de la Decision y en la Ética. In: OLIVÉ, León (Compilador). Racionalidad. México: Siglo Veintiuno, 1988.

RABUSKE, Edvino. Epistemologia das Ciências Humanas. Caxias do Sul: EDUCS, 1987.

RORTY, Richard. Solidariedade ou Objetividade. Crítica. Revista do Pensamento Contemporâneo, Lisboa, Editorial Teorema, Nº 03, abr. 1988.

SALAZAR BONDY, Augusto. Existe una Filosofía de Nuestra América. México: Siglo Veintiuno, 1982.

SCANNONE, Juan Carlos. Filosofía Primera e Intersubjetividad. El a priori de la Comunidad de Comunicación y el Nosotros Ético-Histórico. Revista Stromata, San Miguel – Argentina, Nº 42, 1986.

SCANNONE, Juan Carlos. Racionalidad. Ética, Comunidad de Comunicación y Alteridad. Revista Stromata, San Miguel – Argentina, Nº 43/44, 1987.

SERRANO CALDEIRA, Alejandro. Filosofia e Crise. Pela Filosofia Latino-Americana. Petrópolis: Vozes, 1984.

WALLERSTEIN, Immanuel. Análisis de sistemas-mundo: una introducción. México: Siglo XXI, 2005.

VALLESPINONÃ, Fernando; AGUILA TEJERINA, Rafael del. Será necessário um Ponto Arquimédico? Teoria Crítica e Práxis Política. Crítica. Revista do Pensamento Contemporâneo, Lisboa, Editorial Teorema, Nº 03, 1988.

VATTIMO, Gianni. Metafísica, Violência, Secularização. Filosofia e Pós-Modernidade. Crítica. Revista do Pensamento Contemporâneo, Lisboa, Editorial Teorema, Nº 02, nov. 1987.

ZEA, Leopoldo. La Filosofía. Americana como Filosofía sin Más. México: Siglo Veintiuno, 1975.

ZIMMERMANN, Roque. América Latina - O Não Ser: uma abordagem filosófica a partir de Enrique Dussel (1962-1976). Petrópolis: Vozes, 1987.




DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604.2018.v14i1.1745

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo