Balizas da ética ambiental: modelos axiológicos possíveis / Landmarks of environmental ethics: possible axiological models

Heron José de Santana Gordilho, Paulo Roberto Lyrio Pimenta, Raissa Pimentel Silva

Resumo


RESUMO: O presente artigo faz uma revisão de literatura para apresentar as noções basilares e os principais modelos de ética ambiental (esta compreendida em sentido lato, englobando as vertentes da ética animal inclusiva), possibilitando ao estudo do tema a detecção dos elementos axiológicos presentes em cada discurso. Para instaurar a exposição,  o artigo registra as considerações preliminares acerca do antropocentrismo, considerado por diversos autores o paradigma ético-social dominante, consignando sucinta explanação acerca da sua versão mais branda, o antropocentrismo mitigado.  Em seguida, analisa o ecocentrismo ou, adotando-se o termo cunhado por Arne Naess, deep ecology, assentando as premissas que fundamentam tal modelo ético,  apresentando ainda as críticas de Van Ressenlaer Potter ao princípio do desenvolvimento sustentável. Maior atenção é destinada à análise das teorias da ética animal, através da explanação do tema em sub-tópicos específicos:  as características principais das doutrinas do:  abolicionismo (animal rights), bem-estarismo (animal welfare), utilitarismo consequencialista, de Peter Singer e, por fim, a teoria que Gary Francione denomina neo bem-estarismo, enuqnato Carlos Naconecy  rotula de abolicionismo pragmático.

Palavras-chave:  Abolicionismo animal; Ecologia profunda;  Antropocentrismo.

ABSTRACT: This law review article present the basic notions and the main models of environmental ethics (understood in a broad sense, encompassing the aspects of inclusive animal ethics), allowing the study of the theme to detect the axiological elements present in each discourse . In order to establish this exposition, the article records the preliminary considerations about anthropocentrism, considered by several authors the dominant environmental paradigm, providing succinct explanation about its milder version, the mitigated anthropocentrism. Then It analyzes ecocentrism or, adopting the term coined by Arne Naess, deep ecology, laying the groundwork for such an ethical model, and presents Van Ressenlaer Potter's criticisms of the principle of sustainable development. More attention is devoted to analyzing the theories of animal ethics by explaining the theme in specific sub-topics: the main features of the doctrines:  animal rights view, animal welfare, consequentialist utilitarianism by Peter Singer , and, finally, the theory that Gary Francione calls neo-welfareism, which Carlos Naconecy labels as pragmatic abolitionism. 

Keywords: Animal abolitionism; Deep ecology; Antropocentrism.


Palavras-chave


Ética ambiental. Abolicionismo animal. Bem-estarismo. Neo bem-estarismo. Ecocentrismo. Antropocentrismo

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BENJAMIN, Antônio Herman. A Natureza no Direito Brasileiro: coisa, sujeito ou nada disso. Caderno Jurídico da Escola Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo: Bioética e biodireito. São Paulo, Ano 1, vol. 01, n. 2. 2001. Disponível em: < http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/Escola_Superior/Biblioteca/Cadernos_Tematicos/bioetica_e_biodireito.pdf >. Acesso em: 01 jul 2015.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Trad. Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2006.

COIMBRA, José de Ávila Aguiar. MILARÉ, Edis; Antropocentrismo x ecocentrismo na ciência jurídica. Revista de direito ambiental, São Paulo: Revista dos Tribunais, ano 9, n. 36, p. 9-41 out./dez. 2004.

DESCARTES, René. Discurso do método. Trad. Maria E. Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

FRANCIONE, Gary. Rain without Thunder.The ideology of the Animal Rights Movement. Philadelphia: Temple University Press,1996.

GORDILHO, Heron José de Santana. Direito Ambiental Pós-Moderno. Curitiba: Juruá, 2011.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Introdução à história da filosofia. São Paulo: Saraiva, 2011.

JUNGES SJ, Jose Roque. Ética ecológica: antropocentrismo ou biocentrismo? Perspectiva Teológica. Vol. 33, n. 89, 2001. Disponível em: < http://faje.edu.br/periodicos2/index.php/perspectiva/article/view/801 >. Acesso em: 02 jul. 2015.

KUHNEN. Tânia A. Um caso triangular na ética: limites da abordagem holista de J. Baird Callicott. Revista Brasileira de Direito Animal. Vol. 9, n. 17, 2014. Disponível: < http://www.portalseer.ufba.br/index.php/RBDA/article/viewFile/12984/9281 > Acesso em: 02 jul. 2015.

NAESS, Arne. The shallow and the deep, long-range ecology movement. Interdisciplinary Journal of Philosophy, A summary’, Inquiry, 16: 1, 95 - 100. Disponível em: < http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00201747308601682 > Acesso em: 13 mar. 2015.

POTTER, Van Rensselaer. Global Bioethics: building on the Leopold legacy. East Lansing: Michigan State University Press, 1988.

POTTER, Van Rensselaer; POTTER, Lisa. Global Bioethics: converting Sustainable Development to Global Survival. Medicine and Global Survival, vol. 2, no. 3, 1995.Disponível em: < http://www.ippnw.org/pdf/mgs/2-3-potter.pdf .>. Acesso em 07 mai. 2015.

RYDER, Richard. All beings that feel pain deserve human rights. The Guardian, 6 August 2005. Disponível em: < http://www.guardian.co.uk/uk/2005/aug/06/animalwelfare >. Acesso em: 05 jul. 2015.

SILVA, Tagore Trajano de Almeida. Direito animal e os paradigmas de Thomas Kuhn. Reforma ou revolução científica na teoria do direito? Revista Brasileira de Direito Animal. Vol. 2, n. 03, 2007. Disponível em: < http://www.portalseer.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/10365 > Acesso em 03 jul. 2015.

SINGER, Peter. Ética prática. Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

UNGER, Nancy Mangabeira. O encantamento do humano. São Paulo: Loyola, 1991.

UNGER, Nancy Mangabeira. Crise ecológica: a deserção do espaço comum. Revista Educação e Realidade. Vol. 34, n. 03, 2009. Disponível em: < http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/9542 >. Acesso em: 04 jul 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2238-0604/revistadedireito.v13n1p86-105

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo