Hermenêutica, Jurisdição e discricionariedade judicial desafios trazidos pela crise nos métodos de interpretação jurídica no Brasil/ Hermeneutics, jurisdiction and judicial discritionarity: challenges brought by the crisis in legal interpretation methods in Brazil

Bianca Kremer, Mônica Paraguassu

Resumo


Resumo

O presente trabalho propõe uma análise acerca da correlação entre a hermenêutica jurídica e o fenômeno do decisionismo judicial como um desafio do Direito no Século XXI. Acredita-se que o Brasil está diante de uma crise dos métodos de interpretação jurídica em face do Estado Democrático de Direito. Busca-se averiguar o problema da inefetividade do direito e seus reflexos na sociedade e, para tanto, serão apresentados questionamentos às práticas hermenêutico-interpretativas dominantes no cenário jurídico brasileiro atual, em especial as teorias que investem no protagonismo judicial com a pretensão de superar as posturas objetivistas no direito. Deseja-se propor uma reflexão acerca do papel da hermenêutica filosófica na compreensão da insuficiência de tais teorias até então vigentes.

 

Palavras-chave: Hermenêutica. Jurisdição. Discricionariedade. Decisionismo judicial.


Abstract

 

This paper proposes an analysis of the relation between legal interpretation and the phenomenon of judicial decisionism as a challenge of the Law in the twenty-first century. It is believed that Brazil is facing a crisis of the methods of legal interpretation during the Democratic State of Law. The aim is to investigate the problem of the ineffectiveness of the law and its effects on society and, therefore, to present questions about the dominant hermeneutic-interpretative practices under the Brazilian legal scenario, especially those theories that invest in the judicial protoganism with the intention of overcoming objectivist positions on the Law. We wish to propose a reflection on the role of philosophical hermeneutics in understanding the failure of such hodiernal theories.

Keywords: Hermeneutics. Jurisdiction. Discritionarity. Judicial decisionism.




 

Resumo

O presente trabalho propõe uma análise acerca da correlação entre a hermenêutica jurídica e o fenômeno do decisionismo judicial como um desafio do Direito no Século XXI. Acredita-se que o Brasil está diante de uma crise dos métodos de interpretação jurídica em face do Estado Democrático de Direito. Busca-se averiguar o problema da inefetividade do direito e seus reflexos na sociedade e, para tanto, serão apresentados questionamentos às práticas hermenêutico-interpretativas dominantes no cenário jurídico brasileiro atual, em especial as teorias que investem no protagonismo judicial com a pretensão de superar as posturas objetivistas no direito. Deseja-se propor uma reflexão acerca do papel da hermenêutica filosófica na compreensão da insuficiência de tais teorias até então vigentes.

Palavras-chave: Hermenêutica. Jurisdição. Discricionariedade. Decisionismo judicial.

 

 

 

Abstract

This paper proposes an analysis of the relation between legal interpretation and the phenomenon of judicial decisionism as a challenge of the Law in the twenty-first century. It is believed that Brazil is facing a crisis of the methods of legal interpretation during the Democratic State of Law. The aim is to investigate the problem of the ineffectiveness of the law and its effects on society and, therefore, to present questions about the dominant hermeneutic-interpretative practices under the Brazilian legal scenario, especially those theories that invest in the judicial protoganism with the intention of overcoming objectivist positions on the Law. We wish to propose a reflection on the role of philosophical hermeneutics in understanding the failure of such hodiernal theories.

Keywords: Hermeneutics. Jurisdiction. Discritionarity. Judicial decisionism.


Palavras-chave


Hermenêutica; Jurisdição; Discricionariedade; Decisionismo judicial

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ACCIOLI, Wilson. Teoria Geral do Estado. Rio de Janeiro. Ed. Forense.

ARISTÓTELES. Metafísica. Livro I e II. Net. Disponível em: < https://sumateologica.files.wordpress.com/2009/07/aristoteles__metafisica_etica_a_nicomaco_politica .pdf>. Acesso em 09 fev. 2016.

BARROSO, Luis Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. Rio de Janeiro. Ed. Forense. 2010.

BARROSO, Luis Roberto. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do direito: o triunfo tardio do Direito Constitucional no Brasil. Net, Rio de Janeiro, nov. 2005. Jus Navigandi. Disponível em: < http://jus.com.br/artigos/7547/neoconstitucionalismo-e-constitucionalizacao-do-direito>. Acesso em: 10 jul. 2015.

BINENBOJM, Gustavo. Uma teoria do direito administrativo: direitos fundamentais, democracia e constitucionalização. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

BITTAR, Eduardo C. B. et al. Curso de Filosofia do Direito. 10ª Ed. São Paulo. Ed. Atlas. 2012.

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasilia. Ed. Universidade de Brasilia. 1989, p. 28.

BOBBIO, Norberto. Da Estrutura à função. Novos estudos de teoria do direito. Trad. Daniela Beccaccia Versiani. São Paulo. Ed. Manole. 2007.

BUBER, Martin. Eu e Tu. 10ª Ed. p. XLI. 2001.

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de Direito Processual Civil. 25ª Ed. São Paulo. Ed. Atlas. 2014.

COMTE, Auguste. Discurso sobre o espírito positivo. Porto Alegre. Ed. Globo/Edusp. 1976.

DESCARTES, René. Discurso do método. 1596-1650. Ed. L&PM Pocket. 2015.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. São Paulo. Ed. Martins Fontes. 2002.

FARIA, Maria do Carmo Bettencourt de. O realismo Aristotélico.In: Curso de Filosofia. REZENDE, Antonio. (Org) 12ª Ed. Rio de Janeiro. Ed. Jorge Zahar. 2004.

FERRAJOLI, Luigi. Constitucionalismo principialista y constitucionalismo garantista. DOXA. Cadernos de Filosofia del Derecho. V. 34. 2011.

FERRAJOLI, Luigi et al. Garantismo, hermenêutica e (neo)constitucionalismo: um debate com Luigi Ferrajoli. 1ª Ed. Porto Alegre. Ed. Livraria do Advogado. 2012.

FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. A ciência do direito. São Paulo. Ed. Atlas. 1980.

FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 2ª Ed. São Paulo. Ed. Atlas. 1994.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método. Petrópolis. Ed. Vozes. 1999.

GRAU, Eros Roberto. Ensaio e discurso sobre a interpretação: aplicação do direito. 4. ed. São Paulo. Malheiros, 2006.

HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das ciências filosóficas. V. 1 – A ciência da lógica. Ed. Loyola. Curitiba. 1995.

HESSE, Konrad. A força normativa da constituição. Trad. Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre. Ed. Fabris, 1991.

IGLÉSIAS, Maura. Pré-socráticos: físicos e sofistas. In: Curso de Filosofia. REZENDE, Antonio. (Org) 12ª Ed. Rio de Janeiro. Ed. Jorge Zahar. 2004.

KELSEN, Hans. O que é justiça? A justiça, o direito e a política do espelho da ciência. Trad. João Baptista Machado. 3ª Ed. São Paulo. Ed. Companhia das Letras. 1995.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Trad. João Baptista Machado. 4ª Ed. Coimbra. Ed. Armênio Amado. 1976.

LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do direito. Trad. José Lamego. Lisboa. Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

MARCONDES, Danilo. O empirismo inglês. In: Curso de Filosofia. REZENDE, Antonio. (Org) 12ª Ed. Rio de Janeiro. Ed. Jorge Zahar. 2004.

MATTEUCCI, Nicola. Organización del poder y liberdad. Historia del constitucionalismo moderno. Madrid. Ed. Trotta. 1998.

PLATÃO, Cratylus. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=16011>. Acesso em 20 de Dezembro de 2015.

PLATÃO, Dialogues, V. 1 – Protágoras. Disponível em: . Acesso em 20 de Dezembro de 2015.

RICOEUR, Paul. Do texto à ação. Ensaios sobre Hermenêutica II. Porto. Ed. Rés-Editora. 1989.

SARMENTO, Daniel. O neoconstitucionalismo no Brasil: riscos e possibilidades. In: SARMENTO: Daniel (coord.). Filosofia e teoria constitucional e contemporânea. Rio de Janeiro. Ed. Lumen Juris, 2009.

SIMON, Maria Celia. O positivismo de Comte. In: Curso de Filosofia. REZENDE, Antonio. (Org) 12ª Ed. Rio de Janeiro. Ed. Jorge Zahar. 2004.

STEIN, Ernildo. A caminho de uma fundamentação pós-metafísica. Porto Alegre. Ed. Edipucrs. 1997.

STEIN, Ernildo. Racionalidade e Existência. Porto Alegre. Ed. L&PM. 1988.

STRECK, Lênio. A relação “texto e norma” e a alografia do direito. Revista Novos Estudos Jurídicos. V. 19. N. 1. Santa Catarina. 2014c, p. 2-20.

STRECK, Lênio. E o professor me disse: “é assim mesmo!”. Net, Porto Alegre. ago. 2012. Disponível em: < http://www.conjur.com.br/2012-ago-30/senso-incomum-professor-me-disse-isso-assim-mesmo>. Acesso em 15 jul. 2015.

STRECK, Lênio. Hermenêutica e constituição: as consequências da (indevida) cisão entre easy cases e hard cases no direito. Direitos Fundamentais. Revista Justiça. n. 2. Jan/Mar. 2008. p. 195

STRECK, Lênio. Hermenêutica Jurídica (em) Crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. Porto Alegre. Ed. Livraria do Advogado. 2014a.

STRECK, Lênio. O que é isto – decido conforme a consciência? 4ª Ed. Porto Alegre. Ed. Livraria do Advogado. 2013.

STRECK, Lênio. Verdade e Consenso. Constituição, hermenêutica e teorias discursivas. 5ª Ed. São Paulo. Ed. Saraiva. 2014b.

WARAT, Luis Alberto. Saber crítico e senso comum teórico dos juristas. Revista Sequencia. Santa Catarina. v. 03. n. 5. 1982. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/17121/15692>. Acesso em 15 jul. 2015.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tratado lógico-filosófico. Trad. LOURENÇO, M.S. 5ª Ed. Ed. Calouste Gulbenkian. Portugal. 2008




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2238-0604/revistadedireito.v13n1p131-160

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2238-0604

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Direito está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores

    
Periódicos CAPES  googlelogo_scholar.png
DOAJ.jpg
  
Diadorim.jpg
 
 dialnet.png
latindex.jpg
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png

 
circ.png
 
 miar.png

logo_base.gif
 
 
 logos_DOI_CrossRef_CrossChek.png
 
CiteFactor2.png
  
Scilit logo