Um estudo comparativo entre o comércio exterior da região da AMOSC e o estado de Santa Catarina

Fernando Sergio Mazon, Suélen Fernanda Pansera

Resumo


O comércio exterior representa uma forma das empresas, regiões e países crescerem, alcançando melhores níveis de desenvolvimento. Com base nisso, este estudo busca descrever como está caracterizado o comércio exterior da região da AMOSC (estado de Santa Catarina) em termos de empresas atuantes, como evoluiu e qual a sua contribuição no comércio exterior estadual. Para a concretização do trabalho, utilizou-se pesquisa bibliográfica e exploratória, por meio de estatística descritiva, contemplando gráficos e tabelas, juntamente com dados secundários referentes às exportações e importações da região e do estado no período de 2001 a 2014. Constatou-se que, ao longo do período estudado, a região da AMOSC apresentou desempenho similar ao estado de Santa Catarina quanto ao número de empresas atuantes, porém, com crescimento significativamente inferior nos valores exportados e importados. Além disso, as operações estão concentradas em poucos municípios e, aproximadamente metade deles não possui nenhuma empresa importadora ou exportadora.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação dos Municípios do Oeste de Santa Catarina – AMOSC (2015). Disponível em: . Acesso em: 12 de mar. de 2015.

Barretto, A., & Rocha, A. (2003). A expansão das fronteiras: brasileiros no exterior. In: A. ROCHA (Orgs.). As novas fronteiras: a multinacionalização das empresas brasileiras. Rio de Janeiro: Mauad.

Bizelli, J. S. (2011). Importação: sistemáticas administrativa, cambial e fiscal. São Paulo: Aduaneiras.

Bortoto, A. C., Rebono, M., Cassar, M., & Ramos, R. S. (2012). Comércio exterior: teoria e gestão (3a ed). São Paulo: Atlas.

Castro, J. A. (2013). Exportação: aspectos práticos e operacionais (8a ed). São Paulo: Aduaneiras.

Cateora, P., & Graham, J. (2001). Marketing internacional. Rio de Janeiro: LTC.

Czinkota, M. R., & Ronkainen, I. A. (2004). International Marketing (7a ed). Estados Unidos: Thompson.

Federação Catarinense de Municípios – FECAM (2015). Disponível em: . Acesso em: 11 de mar. de 2015.

Ganitsky, J. (1989). Strategies for innate and adoptive exporters: lessons from Israel’s case. International Marketing Review, 6(5), 50-65.

Gil, A. (2006). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed). São Paulo: Atlas.

Guidolin, B. (1991). Economia e comércio internacional ao alcance de todos. São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2015). Disponível em: . Acesso em: 10 de mar. de 2015.

International Trade Centre – ITC (2015). Disponível em: . Acesso em: 16 de fev. de 2015.

Johanson, J., & Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm – a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, 8(1), 23-32.

Johanson, J., & Vahlne, J. E. (2009). The Uppsala internationalization process model revisited: From liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, 40(9), 1411-1431.

Johanson, J., & Wiedersheim-Paul, F. (1975). The internationalization of the firm: four Swedish cases. Journal of Management Studies, 12(3), 305-322.

Keedi, S. (2004). ABC do comércio exterior: abrindo as primeiras páginas (2a ed). São Paulo: Aduaneiras.

Knight, G., & Cavusgil, S. (1995). The Born global firm: a challenge to traditional internationalization theory. In: Proceedings of the third symposium of the consortium for international marketing research. Odense, Denmark, Odense University.

Kotabe, M., & Helsen, K. (2000). Administração de marketing global. São Paulo: Atlas.

Ludovico, N. (2009). Como preparar uma empresa para o comércio exterior. São Paulo: Saraiva.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada (6a ed). Porto Alegre: Bookman.

Malhotra, N. K., Rocha, I., Laudisio, M. C., Altheman, É., & Borges, F. M. (2005). Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Prentice Hall.

Maluf, S. (2000). Administrando o comércio exterior do Brasil. São Paulo: Aduaneiras.

Mariotto, F. (2007). Estratégia internacional da empresa. Thompson.

McDougall, P. (1989). International versus domestic entrepreneurship: new venture strategic behavior and industry structure. Journal of Business Venturing, 4(6), 387-400.

Minervini, N. (2013). O exportador: ferramentas para atuar com sucesso nos mercados internacionais (6a ed). São Paulo: Pearson Education.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC (2015). Estatísticas de comércio exterior. Disponível em: . Acesso em: 21 de fev. de 2015.

Rocha, A. (2001). Por que as empresas brasileiras não se internacionalizam? Rio de Janeiro: NUPIN/COPPEAD/UFRJ.

Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina – SEF (2015). Disponível em: . Acesso em: 15 de mar. de 2015.

Segre, G. (2007). Manual prático de comércio exterior (2a ed). São Paulo: Atlas.

Vergara, S. (2009). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (11a ed). São Paulo: Atlas.

Welch, L., & Luostarinen, R. (1988). Internationalization: Evolution of a Concept. Journal of General Management, 14(2), 34-55.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v5n2p181-192

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.