Docente em universidade pública ou privada? Desafios, oportunidades e diferenças.

Karen Luciana Ferreira do Carmo, Carolina Freddo Fleck, Jorge Ubirajara da Luz dos Santos

Resumo


Diante do crescimento do número de universidades no Brasil, tanto na esfera pública quanto privada, e da relevância que o Governo Federal tem demonstrado para o projeto de expansão do ensino superior no país, o presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de analisar as relações do docente com o ambiente de trabalho, levando em consideração a natureza administrativa (pública ou privada) da instituição onde atuam e a influência desta natureza para o desenvolvimento de suas atividades. Para atender aos objetivos da pesquisa o método escolhido foi o Estudo de Caso, de abordagem qualitativa e caráter exploratório. Para a coleta de dados, fez-se o uso de entrevistas e um grupo focal, dos quais participaram cinco professores de uma universidade pública e quatro professores de uma universidade privada. Como resultados da pesquisa foi possível identificar uma relação da docência ao ato de transformação do aluno/profissional, dando indicativos de uma escolha da profissão por vocação, independente da natureza administrativa da instituição. Destaca-se que entre os professores da universidade pública há uma visão da necessidade de formação contínua de si mesmo como profissional docente como ponto fundamental de desenvolvimento profissional e capacidade de atuação nessa transformação do aluno em profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


A educação superior no Brasil. (2002). Porto Alegre: UNESCO. Recuperado em outubro de 2012. Disponível em: .

Barichello, E. M. da R. (2001). Comunicação e comunidade do saber. Santa Maria: Editora Palotti.

Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de Maio de 1943 (1943). Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Câmara dos Deputados: Centro de Documentação e Informação. Rio de Janeiro, RJ. Recuperado em 22 de dezembro de 2011, Disponível em: .

Decreto-lei nº 5.539, de 27 de Novembro de 1968 (1968). Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Superior, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF.. Recuperado em 20 de novembro de 2011. Disponível em: .

Lei nº 8.112 de 11 de Dezembro de 1990 (1990). Dispõe sobre o regime jurídicos dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Recuperado em: 22 de novembro de 2011 Disponível em: .

Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasil DF. Recuperado em 20 de novembro de 2011. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>.

Cavedon, N. R.; & Fachin, R. C. (2002, Set/Dez). Homogeneidade Versus Heterogeneidade Cultural: um estudo em Universidade Pública. Revista O&S, Vol: 9 - n.25.

Cerqueira, A. G. C.; Cerqueir, A. C.; Souza, T. C.; Mendes, P. A. (2009).A trajetória da LBD: um olhar crítico frente à realidade brasileira. Ciclo de Estudos Históricos da Universidade Estadual de Santa Cruz. UESC. Ilhéus – Bahia.

Chauí. M. A universidade pública sob nova perspectiva. (2003, set/dez). Revista Brasileira De Educação. Universidade de São Paulo, N. 24, pp.5 – 15.

Cunha, M. I. (2000). Ensino como mediação da formação do professor universitário. In: Marília Costa Morosini (Org.). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. pp.45-51.

Educação Nacional. (2010). Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. Brasília, DF. Recuperado em 22 de novembro de 2011. Disponível online em .

Favero, M. L. A. (2006) A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitaria de 1968. Educar, Editora UFPR, Curitiba, n. 28, pp. 17-36.

Filho, J. C. S. (2005) Profissão Acadêmica e Scholarship da Docência Universitaria. In: VIII Congresso Estadual Paulista Sobre Formação De Educadores, 2005. São Paulo. Formação docente para o Ensino Superior. pp.22-30.

Kohlrausch, A. (2005). A evolução das Relações de Trabalho. In: IEE. Cultura do Trabalho/Instituto de Estudos Empresariais. Porto Alegre, 310 p.- Pensamentos Liberais, v IX.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa em Marketing: Uma orientação aplicada. Porto Alegre. Bookman. 4ª Edição.

Mancebo, D; Maués, O; CHAVES, V. L. J. Crise e reforma do Estado e da Universidade Brasileira: implicações para o trabalho docente. Educar. Curitiba, Editora UFPR n. 28, pp. 37-53.

Martins, A. C. P. (2002). Ensino superior no Brasil: da descoberta aos dias atuais. São Paulo: Acta Cir. Bras. vol.17, supl. 3.

Martins, C. B. A reforma universitária de 1968 e a abertura para o ensino superior privado no brasil. (2009, jan/ab). Revista de Educação Social, Campinas, vol. 30, n. 106, pp. 15-35.

Mendonça, A. W. P. C. (2000, mai/ago). A Universidade no Brasil. Revista Brasileira de Educação, nº 14.pp. 131-150.

Minayo, M. C. S. (1993). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis. 29ª edição. Ed. Vozes.

Morosini, M. C. (2000). Docência universitária e os desafios da realidade nacional. In: Professor Do Ensino Superior: Identidade, Docência e Formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, pp.11-20.

Oliveira, T. (2007, Jan/Jun). Origem e memória das universidades medievais. Varia Historia Belo Horizonte, vol. 23, nº 37: pp.113-129.

Oliveira, S. R; & Piccinini, V. C. (2011, set/out). Mercado de trabalho: múltiplos (des)entendimentos. RAP — Rio de Janeiro 45(5):1517-538.

Oliven, Arabela Campos. (2002). Histórico da educação superior no Brasil. In: SOARES, Maria Susana Arrosa (Org.). A Educação Superior no Brasil. Porto Alegre: UNESCO, Recuperado em: 09 de outubro de 2012. Disponível em: .

Pachane, G. G. & Pereira, E. M. A. (2004). A importância da formação didático-pedagógica e a Construção de um novo perfil para docentes. Revista Iberoamericana de Educación. (33)4.

Resumo técnico: censo da educação superior de 2009 (2009). Brasília, Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Roldão, M. C. (2007, jan/ab). Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, vol. 12, número 34, pp. 94-103.

Rowe, D. E. O. & Bastos, A. V. B. (2010, nov/dez). Vínculos com a Carreira e Produção Acadêmica: Comparando Docentes de IES Públicas e Privadas. Revista De Administração Contemporânea. Curitiba, v. 14, n. 6, art. 2, pp. 1011-1030.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa. 3ª ed. São Paulo: Mc Graw-Hill.

Silva, M. E. P. (2009). A Metamorfose Do Trabalho Docente No Ensino Superior: Entre o Público e o Mercantil . (tese) Doutorado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro.

Silveira, P. I. (2006, set/dez). A precarização do trabalho docente e a subordinação da educação ao mercado: um estudo sobre as relações de trabalho no ensino Superior no período de 1994 a 2004. Soc. estado. vol.21 n.3 Brasília.

Siqueira, T. C. A. (2006) O trabalho docente nas Instituições de Ensino Superior Privado em Brasília. (tese) Doutorado. Universidade de Brasília: Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Sociologia.

Tardif, M. (2000, jan/abr) Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: Elementos para uma epistemologia da pratica profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, nº 13, pp.5-24.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v5n2p166-180

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.