Entrincheiramento organizacional: percepção de empregados de uma agência bancária

Pablo Marlon Medeiros da Silva, Alefe Narondy Cabral Lima, Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Leone

Resumo


A internacionalização e a crescente competitividade de mercado exigem novas habilidades das organizações, dos líderes e dos empregados. Diante das dificuldades associadas à empregabilidade e à instabilidade do mercado, é possível que a permanência numa carreira seja mais determinada pela insegurança associada à construção de novas alternativas, do que propriamente, uma forte identificação e vínculo afetivo com a carreira já construída. A noção de entrincheiramento veio a preencher esta lacuna no campo de estudos sobre os vínculos do trabalhador com o seu trabalho, ocupação, profissão ou carreira. Este estudo visa compreender o entrincheiramento organizacional na percepção de profissionais de uma agência bancária na cidade de Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil. Foi realizada uma pesquisa descritiva e de campo com abordagem qualitativa aplicada a cinco empregados que ocupam cargo de gerente de relacionamento. Os dados das entrevistas foram submetidos à análise de conteúdo. Os resultados mostraram que as bases do entrincheiramento com maior influência nos pesquisados foram as de “arranjos burocráticos impessoais” e a de “limitações de alternativas”. A pesquisa apontou para maiores investigações sobre os fatores que influenciam o desenvolvimento do entrincheiramento em profissionais de carreira em outros cargos e funções nas organizações.


Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2004). Análise de Conteúdo. 3. ed. rev. e atual. Lisboa: Ed. 70.

Baiocchi, A.C.E., & Magalhães, M. (2004). Relações entre Processos de Comprometimento, Entrincheiramento e Motivação Vital em Carreiras Profissionais. Revista Brasileira de Orientação Profissional, n. 9, p. 67-80.

Blau, G. (2001). On assessing the construct validity of two multidimensional constructs: Occupational commitment and Occupational entrenchment. Human Resource Management Review, 11, 279-298.

Borges, R. S. G., & Marques, A. L. (2006). Investigando as relações entre políticas de RH, comprometimento organizacional e satisfação no trabalho. Revista administração Brasil, v. 2, p. 59-72.

Câmara, Hoffman Rosana (2013). Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Revista Interinstitucional de Psicologia, v. 6, n. 2, pp. 179 -191.

Carson, K. D., & Carson, P.P. (1997). Career Entrenchment: A quiet march toward occupational death? Academy of management executive, Fev. 62-75.

Carson, K.D., Carson, P.P., & Bedeian, A G. (1995) Development of a construct and validation of a career entrenchment measure. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 68, 301-320.

Evans, P. (1996). Carreira, sucesso e qualidade de vida. Revista de Administração de empresas, v. 36, n. 3, p. 14-22.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6. ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4. ed.). São Paulo: Atlas.

Freeney, Y., & Fellenz, M. R. (2013). Work engagement, job design and the role of the social context at work: exploring antecedents from a relational perspective. Human Relations, v. 66, n. 11, p. 1427-1445.

Isolfi, V.R.N. et al. (2014). Análise dos vínculos organizacionais dos docentes em Universidades Públicas: comprometimento, entrincheiramento e engajamento. II Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais. Uberlândia, 19 a 21 de novembro de 2014.

Magalhães, M. O., & Gomes, W. B. (2005). Personalidades vocacionais, generatividade e carreira na vida adulta. Revista Brasileira de Orientação Profissional, n. 6, p. 71-79.

Magalhães, M. O., & Gomes, W. B. (2007). Personalidades vocacionais e processos de carreira na vida adulta. Psicologia em Estudo, 12(1), p. 95-103.

Magalhães, M. O. (2008). Generatividade e vínculos com a carreira e com a organização: problematizando as bases do comprometimento organizacional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, n. 9, p. 67-80.

Medeiros, C. A. F., & Enders, W. T. (1998). Validação do modelo de conceitualização de três componentes do comprometimento organizacional (Meyer e Allen, 1991). Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, v. 2, n. 3, dez. Disponível em: . Acessos em: 27 ago. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65551998000300005.

Meyer, J. P., & Allen, N. J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, Ontário, Canadá. v. 1, n. 1, p. 61-89.

Meyer, J.P., Stanley, D.J., Herscovitch, L., & Topolnytsky, L. (2002). Affective, continuance, and normative commitment to the organization: A meta-analysis of antecedents, correlates, and consequences. Journal of vocational behavior, v. 61, n. 1, pp. 20–52.

Paiva, K.C.M., Dutra, M.R.S., Luz, T.R. (2013). Comprometimento Organizacional: um estudo com trabalhadores de um call center. In: IV Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho da ANPAD. Brasília. Anais... Brasília.

Passos, E.O. (2012) Entrincheiramento e comprometimento com a carreira profissional entre empregados públicos: o caso de um órgão do poder judiciário federal brasileiro. Dissertação de Mestrado da Universidade Católica de Brasília, Pós-Graduação em Psicologia, Brasília.

Pinho, A.P.M., Bastos, A.V.B., Rowe, D.E.O. (2010). Comprometimento, Entrincheiramento e Consentimento Organizacionais: o conceito desses vínculos entre gestores que atuam em diferentes organizações. In: VI Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. Florianópolis. Anais... Florianópolis.

Rodrigues, A. C. A. (2009) Do Comprometimento de Continuação ao Entrincheiramento Organizacional: o percurso de construção e avaliação psicométrica da escala. Dissertação de mestrado. Universidade Federal da Bahia. Instituto de Psicologia.

Rodrigues, A.C.A., & Bastos, A.V.B. (2010). Problemas conceituais e empíricos na pesquisa sobre comprometimento organizacional: uma análise crítica do modelo tridimensional de J. Meyer e N. Allen. Revista de Psicologia Organizacional e do Trabalho, v. 10, n. 2, p. 129-144,

Rodrigues, A. C. A., & Bastos, A. V. B. (2012). Entrincheiramento organizacional: construção e validação da escala. Psicologia, Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 25, n. 4. Disponível em: . Acesso em: 23 Set. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722012000400008.

Rowe, D. E. O., Bastos, A. V. B., & Pinho, A. P. M (2011). Comprometimento e entrincheiramento na carreira: um estudo de suas influências no esforço instrucional do docente do ensino superior. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, v. 15, n. 6, Dec. Disponível em: . Acesso em: 15 Set. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1415 65552011000600002.

Santos, J., Leone, N., Barreto, L., & El Aouar, W.A. (2015); Entrincheiramento Organizacional em empresa familiar do comércio varejista. Revista Cereus, v. 7, n. 2, p. 117-132.

Scheible, A. C. F., & Bastos, A. V. B. (2013) An examination of human resource management practices’ influence on Organizational Commitment and Entrenchment. BAR, Brazilian Administration Review. Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, mar. Disponível em . Acesso em: 15 set. 2014. Epub 27-Nov 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S1807-76922012005000011.

Scheible,A.C.F., Bastos, A.V.B., & Rodrigues, A.C.A. (2013) Comprometimento e entrincheiramento na carreira: integrar ou reconstruir os construtos? Uma exploração das relações à luz do desempenho Revista de Administração, São Paulo, v. 48, n. 3, p. 530-543, jul./ago./set.

Scheible, A. C.F., & Bastos, A. V. B. (2006). Comprometimento com a Carreira: Explorando o Conceito de Entrincheiramento, ENANPAD 2006, Salvador- BA. Anais... do 30 encontro.Salvador- BA

Vergara, S. C. (2008). Métodos de Pesquisa em Administração. 3ª ed. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v5n2p111-120

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.