Estratégia empresarial, competências e aprendizagem organizacional: um estudo de caso da reestruturação do grupo Nova Energia

Tatiane Pellin Cislaghi, Anelise D’Arisbo, Jairo Moran Carvalho Ribeiro, Paulo Fernando Pinto Barcellos

Resumo


A transformação das organizações dá-se pela transformação dos indivíduos que nelas atuam (HANASHIRO; TEIXEIRA; ZACCARELLI, 2008). Ainda, a estratégia organizacional é uma ferramenta necessária para definição das competências que orientam as empresas ao seu sucesso. Entretanto, existe uma lacuna entre a competência organizacional e a individual que precisa ser superada. Assim, o objetivo do estudo foi demonstrar como pode dar-se o alinhamento entre as competências organizacionais e as competências individuais, bem como a importância da aprendizagem organizacional nesse processo, utilizando-se o modelo de Fleury e Fleury (2004). Para elucidação, efetuou-se um estudo de caso no grupo Nova Energia, ao tomar por base seu modelo de avaliação de desempenho. Utilizou-se neste artigo um modelo de pesquisa exploratória e descritiva, de natureza qualitativa. Como resultado, verificou-se que apesar de o grupo possuir um modelo estruturado e planejar o desenvolvimento de suas competências, a interrelação dinâmica sugerida por Fleury e Fleury (2004) não é completa.


Texto completo:

PDF

Referências


Andrews, K. R. O conceito de estratégia empresarial. In: Mintzberg, H.; Quinn, J. B. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001, p. 58-64.

Antonello, C. S. Aprendizagem nas organizações: refletindo sobre suas abordagens [Mimeo]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2008.

Antonello, C. S. Contextos do saber: a aprendizagem informal. In: Antonello, C. S. et al. Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, p. 139-159, 2011.

Antonacopoulou, Elena P. The Relationship between Individual and Organizational Learning: New Evidence from Managerial Learning Practices, Management Learning, v. 37, n. 4, p. 455-473, 2006.

Argote, L., Miron-Spektor, E. Organizational learning: from experience to knowledge. Organization Science, v. 22, n. 5, p. 1123-1137, sept-oct. 2011.

Argyris, C., Schön, D. A. Organizational learning: a theory of action perspective. Reading, MA: Addison-Weslwy, 1978.

Bardin, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2000.

Bastos, A. V. B., Gondim, S. M. G., Loiola, E. Aprendizagem organizacional versus organizações que aprendem: características e desafios que cercam essas duas abordagens de pesquisa. R.Adm., São Paulo, v. 39, n. 3, p. 220-230, jul./ago./set., 2004.

Berry, L. L. Descobrindo a essência do serviço: os novos geradores de sucesso sustentável nos negócios. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

Crawford, E. Na era do capital humano: o talento, a inteligência e o conhecimento como forças econômicas, seu impacto nas empresas e nas decisões de investimento. São Paulo: Atlas, 1994.

D’Arisbo, A., Ribeiro, J. M. C., Barcellos, P. F. P., Cislaghi, T. P. Análise da gestão de desempenho de uma empresa do setor de energia: estudo de caso sobre estratégia por desenvolvimento de competências. Revista Redige, v. 3, n. 02, ago. 2012.

Dutra, J. S. Competências: conceitos, métodos e experiências. São Paulo: Atlas, 2004.

Dutra, J. S. Gestão de pessoas com base em competências. In: Dutra, Joel Souza et al. (org.). Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Editora Gente, p. 25-43, 2001.

Eboli, M. Um novo olhar sobre a educação corporativa – desenvolvimento de talentos no século XXI. In: Dutra, Joel Souza et al. (org.). Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Editora Gente, p. 110-128, 2001.

Fiol, C. M., Lyles, M. A. Organizational Learning. The Academy of Management Review, v. 10, n. 4, p. 803-813, Oct.,1985.

FIRE and forget? The Economist, p. 51, 20 Apr. 1996.

Fleury, M. T. L.; Fleury, A. C. C. Alinhando estratégias e competências. RAE, v. 44, n. 1, p. 44-57, jan./mar., 2004.

Flyvbjerg, B. Five misunderstandings about case-study research. In: Seale, C. et al. Qualitative Research Practice. London: Sage, 2004.

Godoy, A. S. Estudo de caso qualitativo. In: Godoy, C. K.; Bandeira-de-Mello, R.; Silva, A. B. (org). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

Hanashiro, D. M. M., Teixeira, M. L. M., Zaccarelli, L. M. Gestão do fator humano: uma visão baseada em Stakeholders. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

Kaplan, R. S., Norton, D. P. Mapas estratégicos – Balanced Scorecard: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

Kim, D. O elo entre a aprendizagem individual e a aprendizagem organizacional. In: Klein, David A. A gestão estratégica do capital intelectual: recursos para uma economia baseada em conhecimento. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. 61-92, 1998.

Lankshear, C., Knobel, M. Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Levitt, B., March, J. G. Organizacional learning. Annual Review of Sociology, v.14, p. 319-340, 1988.

Malhotra, N. K. Pesquisa de marketing: foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

Merrian, S. B. Qualitative research and case study applications in education. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

Mintzberg, H. et al. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. Porto Alegre: Bookman, 2006.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., Lampel, J. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

Moura, M. C. C., Bitencourt, C. C. A articulação entre estratégia e o desenvolvimento de competências gerenciais. RAE- eletrônica, v. 5, n. 1, Art. 3, jan./jun. 2006.

Parry, S. B. The quest for competencies. Training, Minneapolis, Minn, v. 33, n. 7, p. 48-54, July, 1996.

Patton, M. Q. How to use qualitative methods in evaluation. California: Sage Publications, 1987.

Porter, M. E. Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

Porter, M. E., Krammer, M. Strategy & society: the link between competitive advantage and corporate social responsibility. Harvard Business Review, Boston, dez. 2006.

Ruas, R. L., Antonello, C. S., Boff, L. H. Os novos horizontes da gestão: aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Rumelt, R. P. Estratégia boa, estratégia ruim: descubra suas diferenças e importância. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

SEBRAE. Critérios de classificação de empresas: EI–ME–EPP. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2015.

Senge, P. O novo trabalho do líder: construindo organizações que aprendem. In: Starkey, Ken (editor). Como as organizações aprendem: relato de sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, p. 342-375, 1997.

Treacy, M., Wiersema, F. The discipline of market leaders: Choose your customers, narrow your focus, dominate your market. Reading: Addison - Wesley, 1995.

Ulrich, D. Recursos humanos estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura, 2000.

Yin, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Weick, K. E., Westley, F. Aprendizagem organizacional: confirmando um oximoro. In: Clegg, S. R., Hardy, C., Nord, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais. v. 3. São Paulo: Atlas, p.361-388, 2004.

Wegner, D. Aprendizagem interorganizacional: um estudo das redes horizontais de pequenas empresas. In: ANTONELLO, C. S. et al. Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, p. 537-564, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v4n3p261-273

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.