Influência do foco Regulatório Crônico e Consciência Ecológica no Consumo Consciente de água

Ana Clara Lira do Nascimento, Patrícia de Oliveira Campos, Marconi Freitas da Costa

Resumo


O aumento do consumo da água aliado à sua escassez tem provocado reflexões acerca de sua manutenção para as próximas gerações. Nesse sentido, atenta-se para a necessidade da adoção de um consumo consciente deste recurso. Sabe-se que diferentes fatores, como as metas, a disposição para alcançá-las e a consciência ecológica, podem atuar como preditores a esse comportamento responsável. Assim, o presente estudo buscou analisar a influência da consciência ecológica e do foco regulatório crônico dos indivíduos no consumo consciente de água no Agreste de Pernambuco - região com problemas de disponibilidade hídrica. Para tanto, utilizou-se uma abordagem quantitativa, com dados obtidos mediante survey online, resultando em uma amostra de 179 respondentes válidos. O tratamento dos dados foi realizado por meio dos softwares SPSS e AMOS, sendo o teste das hipóteses baseado na modelagem de equações estruturais. Os resultados encontrados apontam que os consumidores da região apresentam forte inclinação ao consumo consciente da água e revela-se a influência positiva da consciência ecológica neste consumo. Além disso, sinaliza-se uma relação positiva entre o foco em promoção e o consumo consciente de água. No entanto, não foi identificada relação entre esse comportamento e o foco regulatório crônico para prevenção. Esses achados podem ser explicados pelo fato de aspectos externos, como a quantidade e qualidade da água, atuarem no processo de decisão de forma mais contundente. Conclui-se que a disposição ao comportamento consciente possivelmente está relacionada à obtenção de ganhos imediatos. Portanto, evidencia-se que políticas públicas conservadoras poderão não ter eficácia para conscientização holística quanto ao uso desse recurso.


Palavras-chave


Foco regulatório crônico; Consciência ecológica; Consumo consciente de água

Texto completo:

PDF

Referências


Aaker, D. A., Kumar, V., & Day, G. S. (2009). Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas.

Aaker, J. L., & Lee, A. Y. (2001). “I” seek pleasure and “we” avoid pains: the role of self regulatory goals in information processing and persuasion. Journal of Consumer Research, 28, 33-49.

Acevedo, C. R., Santos, L. B., Catão, B. A., & Silva, T. T. U. (2020). Foco regulatório: uma análise sobre campanhas de economia de água. Perspectivas em Políticas Públicas, 13(25), 35-55.

Anderson, J. C., & Gerbing, D. W. (1988). Structural equation modeling in practice: A review and recommended two-step approach. Psychological Bulletin, 103(3), 411-423.

Andersson, D., & Nässen, J. (2016). Should environmentalists be concerned about materialism? An analysis of attitudes, behaviours and greenhouse gas emissions. Journal of Environmental Psychology, 48, 1-11.

Bagozzi, R. P. (1981). Attitudes, intentions, and behavior: a test of some key hypotheses. Journal of Personality and Social Psychology, 41(4), 607-627.

Campos, J. N. B. (2014). Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, 28(82), 65-88.

Carmo, R. L., Dagnino, R. S., & Johansen, I. C. (2014). Transição demográfica e transição do consumo urbano de água no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, 31(1), 169-190.

Casagranda, Y. G., Azevedo, D. B., Rosa, R. O., & Lucci, P. A. A. B. S. (2019). Sustentabilidade: uma visão a partir da economia dos custos de transação e da teoria dos custos de mensuração. Revista de Administração IMED, 9(2), 94-107.

Cervi, C., Baggio, D. K., & Sausen, J. F. C. L. (2020). O papel do marketing no bem-estar do consumidor: analisando dicotomias. Revista de Administração IMED, 10(1), 44-62.

Chan, K. C., Hsu, Y. T., Hsu, C. L., & Sung, Y. K. (2019). Effect of tangibilization cues on consumer purchase intention in the social media context: regulatory focus perspective and the moderating role of perceived trust. Telematics and Informatics, 44, 1-14.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman.

Costa, F. S., & Alvares, I. J. (2018). Comportamento de consumo ecologicamente consciente: uma análise da consciência ecológica do servidor público federal. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 7(4), 261-288.

Costa, M. F., Santos, L. L., & Angelo, C. F. (2020). Corporate social and environmental responsibility: do consumers perceive it as being an organizational value? Gestão & Produção, 27, e4688.

Costa, M. F.; Farias, S. A., & Angelo, C. F. (2018). Chronic regulatory focus: resist impulse consumption or let it happen? Review of Business Management, 20(4), 619-637.

Dolnicar, S., Hurlimann, A., & Grün, B. (2012). Water conservation behavior in Australia. Journal of Environmental Management, 105, 44-52.

Dong, X., Liu, S., Li, H., Yang, Z., Liang, S., & Deng, N. (2020). Love of nature as a mediator between connectedness to nature and sustainable consumption behavior. Journal of Cleaner Production, 242, 118451.

Fan, L., Wang, F., Liu, G., Yang, X., & Qin, W. (2014). Public perception of water consumption and its effects on water conservation behavior. Water, 6(6), 1771-1784.

Finkler, N. R., Mendes, L. A., Bortolin, T. A., & Schneider, V. E. (2015). Cobrança pelo uso da água no Brasil: uma revisão metodológica. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 33, 33-49.

Golob, U., & Kronegger, L. (2019). Environmental consciousness of European consumers: a segmentation-based study. Journal of Cleaner Production, 221, 1-9, 2019.

Gómez-Llanos, E., Durán-Barros, P., & Robina-Ramírez, R. (2020). Analysis of consumer awareness of sustainable water consumptions by the water footprint concept. Science of the Total Environment, 721, 1-11.

Hair Junior, J. F. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Hamza, K., & Dalmarco, D. (2012). As certificações sustentáveis e sua relevância para o consumo consciente e os negócios. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 2(2), 1-20.

Higgins, E. T. (1997). Beyond pleasure and pain. American Psychologist, 52(12), 1280-1300.

Higgins, E. T., Friedman, R. S., Harlow, R. E., Idson, L. C., Ayduk, O. N., & Taylor, A. (2001). Achievement orientations from subjective histories of success: promotion pride versus prevention pride. European Journal of Social Psychology, 31, 3-23.

Kline, R. B. (2011). Principles and practice of structural equation modeling. New York: Guilford.

Kock, N. (2015). One-tailed or two-tailed P values in PLS-SEM? International Journal of e-Collaboration, 11(2), 1-7.

Kroth, G. L., & Löbler, M. L. (2019). Teoria do foco regulatório: um estudo bibliométrico do estado atual da produção brasileira e da relação com a teoria dos prospectos. Id On Line Revista de Psicologia, 13(44), 508-524.

Lages, N. D. S., & Vargas Neto, A. (2002). Mensurando a consciência ecológica do consumidor: um estudo realizado na cidade de Porto Alegre. Anais do 26º Enanpad, Salvador.

Li, J., Ren, L., & Sun, M. (2020). Is there a spatial heterogeneous effect of willingness to pay for ecological consumptions? An environmental cognitive perspective. Journal of Cleaner Production, 245, 1-10.

Lillemo, C. (2014). Measuring the effect of procrastination and environmental awareness on households’ energy-saving behaviour: an empirical approach. Energy Policy, 66, 249-259.

Lira, F. T. (2018). Fatores que influenciam a valorização de produtos ecológicos por consumidores ecologicamente conscientes. Revista de Gestão Social e Ambiental, 12(2), 90-107.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. São Paulo: Editora Bookman.

Mantovani, D., & Tazima, D. I. (2016). Visual art and regulatory fit messages on consumer evaluations. Revista de Administração de Empresas, 56(2), 152-165.

Mantovani, D., Barboza, M. M., Viacava, J. J. C., & Prado, P. H. M. (2015). Quando forças opostas aumentam a intenção de compra? Foco motivacional e mensagens de comunicação. Revista de Administração Contemporânea, 19(4), 178-196.

Margetts, E. A., & Kashima, Y. Spillover between pro-environmental behaviours: the role of resources and perceived similarity. Journal of Environmental Psychology, 49, 30-42.

Marôco, J. (2010). Análise de equações estruturais: fundamentos teóricos, softwares & aplicações. Pêra Pinheiro: ReportNumber.

Menezes, U. G. (2018). Consumo colaborativo: um caminho para o desenvolvimento sustentável? Consumer Behavior Review, 2, 56-68.

Nascimento, T. M. (2019). Examinando o domínio do comportamento pró-ambiental na promoção do bem-estar individual e coletivo. Consumer Behavior Review, 3(1), 27-41.

Peng, A. C., Dunn, J., & Conlon, D. E. (2015). When vigilance prevails: the effect of regulatory focus and accountability on integrative negotiation outcomes. Organizational Behavior and Human Decision Process, 126, 77-87.

Pham, M. T., & Chang, H. (2010). Regulatory focus, regulatory fit, and the search and consideration of choice alternatives. Journal of Consumer Research, 37(4), 626-640.

Podsakoff, P. M., MacKenzie, S. B., Lee, J.-Y., & Podsakoff, N. P. (2003). Common method biases in behavioral research: a critical review of the literature and recommended remedies. Journal of Applied Psychology, 88(5), 879-903.

Ringle, C. M., Silva, D., & Bido, D. S. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 56-73.

Roberts, J. A. (1996). Green consumers in the 1990s: profile and implications for advertising. Journal of Business Research, 36(3), 217-231.

Roberts, J. A. (1996). Will the real socially responsible consumer please step forward? Business Horizons, 39(1), 79-83.

Roberts, J. A., & Bacon, D. R. (1997). Exploring the subtle relationships between environmental concern and ecologically conscious consumer behavior. Journal of Business Research, 40(1), 79-89.

Schlegelmilch, B. B., Bohlen, G. M., & Diamantopoulos, A. (1996). The link between green purchasing decisions and measures of environmental consciousness. European Journal of Marketing, 30(5), 35-55.

Silva, M. E., Oliveira, A. P. M., & Gómez, C. R. P. (2013). Indicadores de consumo consciente: uma avaliação do recifense sob a ótica do consumo sustentável. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 12(2), 173-190.

Straus, J., Chang, H., & Hong, C. Y. (2016). An exploratory path analysis of attitudes, behaviors and summer water consumption in the Portland Metropolitan Area. Sustainable Cities and Society, 23, 68-77.

Valor, C., Antonetti, P., & Merino, A. (2020). The relationship between moral competences and sustainable consumption among higher education students. Journal of Cleaner Production, 248, 119161.

Veriato, M. K. L., Barros, H. M. M., Souza, L. P., Chicó, L. R., & Barosi, K. X. L. (2015). Água: escassez, crise e perspectivas para 2050. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 10(2), 17-22.

Wang, D. et al. (2019). Making decisions for oneself and others: how regulatory focus influences the ‘decision maker role effect’ for intertemporal choices. Personality and Individual Differences, 149, 223-230.

Werth, L., & Foerster, J. (2007). How regulatory focus influences consumer behavior. European Journal of Social Psychology, 37(1), 33-51.

Westjohn, S. A., Arnold, M. J., Magnusson, P., & Reynolds, K. (2016). The Influence of regulatory focus on global consumption orientation and preference for global versus local consumer culture positioning. Journal of International Marketing, 24(2), 22-39.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2021.v11i1.4333

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Ana Clara Lira do Nascimento, Patrícia de Oliveira Campos, Marconi Freitas da Costa

Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED Business School – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Vila Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo/RS – Brasil Tel.: +55 51 4004-4818

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.