Aspectos da Dominação Masculina no Processo Sucessório em Empresas Familiares do Setor Automotivo

Dayana Gomes Coimbra, Armando Araújo de Souza Júnior, Ana Flávia de Moraes Moraes

Resumo


Este trabalho apresenta uma avaliação sobre a interferência da dominação masculina no processo sucessório de pai para filha em cinco empresas familiares do setor automotivo. A metodologia abordada foi de caráter qualitativo com análise de conteúdo desenvolvida por meio de discursos transcritos de entrevistas com roteiros semiestruturados. Os resultados obtidos apontam que a dominação masculina é um ponto de interferência dentro do processo de sucessão, o qual depara em questões culturais e emocionais quando inserido ao ambiente organizacional familiar. Também foi observado que esta dominação não está somente imposta ao âmbito da alta gestão, mas também ao operacional. Estudar a dominação masculina como fator de interferência no processo de sucessão em empresas familiares do setor automotivo é relevante para a reflexão a respeito das representações sociais que a masculinidade impõe ao contexto organizacional e às possibilidades de mudança nos paradigmas enfrentados pelo gênero mulher à frente dos negócios.


Palavras-chave


Setor automotivo; Dominação masculina; Processo de sucessão; Empresa familiar

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, A. L., Pereira, R. D., & Oliveira, J. L. de. (2014). O impacto das questões de gênero nos processos de sucessão em empresas familiares. Revista Gestão & Planejamento, 15(2), 305-320.

Automotive Business. (2018). Presença feminina no setor automotivo. Recuperado de https://www.mulheresautomotivas.com.br/e-book-resultado-da-pesquisa.

Balestero, G. S., Gomes, R. N., & Rosa, L. C. (2016). Teorias da dominação masculina: uma análise crítica da violência de gênero para uma construção emancipatória. Libertas, 12(1), p. 11-34.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Basílio, T. G., Vieira, C. F., Souza, C. F. de, & Silva, F. M. (2014). Governança corporativa: um estudo de caso na Eletrosul Centrais Elétricas S.A. Revista de Administração IMED, 4(2), 177-191.

Beauvoir, S. (1980). O segundo sexo–fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Bourdieu, P. F. (2010). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Burckhart, T. (2017). Gênero, dominação masculina e feminismo: por uma teoria feminista do Direito. Revista Direito em Debate, 26(46), 205-224.

Caproni Neto, H. L., & Saraiva, L. A. S. (2018). Masculinidades, trabalho e reprodução de preconceitos: um estudo com trabalhadores gays, lésbicas e bissexuais. Revista de Administração IMED, 8(1), 191-215.

Carrieri, A. D. P., & Natt, E. D. M. (2016). É para menino ou para menina? Representações de masculinidade e feminilidade. Revista Latino-Americana de Geografia e Gênero, 7(1), 109-131.

Carrieri, A. D. P., Diniz, A. P. R., Souza, E. M. de, & Menezes, R. S. S. (2013). Gender and work: representations of femininities and masculinities in the view of women Brazilian executives. Brazilian Administration Review, 10(3), 281-303.

Connell, R. W, & Messerschimdt, J. W. (2013). Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, 21(1), 241-282.

Connell, R. W, & Wood, J. (2005). Globalization and business masculinities. Men and Masculinities, 7(4), 347-364.

Costa, L. S. P., Nunes, S. C., Grzybovski, D., Guimarães, L. O., & Assis, P. A. X. (2015). De pai para filho: a sucessão em pequenas e médias empresas familiares. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(1), 61-82.

Creswell, J. W. (2014). Investigação qualitativa & projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre: Penso.

Devreux, A. M. (2005). A teoria das relações sociais de sexo: um quadro de análise sobre a dominação masculina. Revista Sociedade e Estado, 20(3), 561-584.

Duarte, F. D., & Oliveira, L. R. (2010). Análise da maturidade em processos sucessórios em empresas familiares. Revista de Gestão, 17(2), 135-150.

Dutra, J. S., & Dutra, T. A. (2016). Gestão do processo sucessório: preservando o negócio e a estratégia. São Paulo: Atlas.

Eccel, C. S. (2009). Subjetividades contemporâneas, trabalho e masculinidades. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Eccel, C. S., & Grisci, C. L. I. (2011). Trabalho e gênero: a produção de masculinidades na perspectiva de homens e mulheres. Cadernos EBAPE.BR, 9(1), 57-78.

Estol, K. M. F., & Ferreira, M. C. (2006). O processo sucessório e a cultura organizacional em uma empresa familiar brasileira. Revista de Administração Contemporânea, 10(4), 33-110.

Focault, M. (2005). História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Gaj, L. (1990). Tornando a administração estratégica possível. São Paulo: McGraw-Hill.

Gersick, K. E, Davis, J. A., Hampton, M. M., & Lansberg, I. (2017). De geração para geração: ciclos de vida das empresas familiares. Rio de Janeiro: Alta Books.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Guedes, D. R., & Sousa, L. P. (2016). A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, 30(87), 123-139.

Jimenez, R. M. (2009). Research on women in family firms: current status and future directions. Family Business Review, 22(1), 53-64.

Lambrecht, J. (2005). Multigenerational transition in family business: a new explanatory model. Family Business Review, 18(4), 267-282.

Lerner, M., & Malach-Pines, A. (2011). Gender and culture in family business: a ten-nation study. International Journal of Cross-cultural Management, 11(2), 113-131.

Lins, R. F., & Bruno-Faria, M. F. (2018). Governança corporativa nas empresas brasileiras de edificações e construção pesada. Revista de Administração IMED, 8(1), 237-258.

Matesco, K. (2014). A problemática da sucessão em empresas familiares e a instrumentalização da governança corporativa: um estudo de caso. (Dissertação de Mestrado). Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Nascimento, A. M., & Petry, L. I. (2009). Um estudo de modelo de gestão e processo sucessório em empresas familiares. Revista Contabilidade e Finanças, 20(49), 109-125.

Oliveira, D. de P. R. O. (2006). Empresa familiar: como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo sucessório. São Paulo: Atlas.

Oliveira, J. L. de, & Pereira, R. D. (2010). A estruturação do processo sucessório e a influência dos valores familiares em uma empresa têxtil mineira. Anais do EnANPAD, Rio de Janeiro, Brasil, 34, 1-17.

Perreault, M. A. (1996). Diferenciação sexual no trabalho: condições de trabalho diferentes ou uma questão de sexo? In Chanlat, J. F. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas. p. 233-251.

Rosa, T. B. (2017). O poder em Bourdieu e Foucault: considerações sobre o poder simbólico e o poder disciplinar. Revista Sem Aspas, 5(1), 3-12.

Saint Martin, M. (2005). Uma inflexível dominação? In Encrevé, P; Lagrave, R. (Orgs.). Trabalhar com Pierre Bourdieu. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. 327-35.

Sherman, G. M. (2006). The family business borrower: how to gain critical insights. Commercial Lending Review, 21(2).

Silva, A. H., & Fossá, M. I. T. (2015). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualit@s Revista Eletrônica, 1(1), 01-14.

Smithson, J., & Stokoe, E. H. (2005). Discourses of work-life balance: negotiating ‘gender blind’ terms in organizations. Gender, Work and Organization, 12(2), 147-168.

Vries, M. F. K. (1993). The dynamics of family controlled firms: the good and the bad news. Organizations Dynamics, 21(3), 59-71.

Wright, T. (2016). Women’s experience of workplace interactions in male-dominated work: the intersections of gender, sexuality and occupational group. Gender, Work & Organization, 23(3), p. 348-362.

Wu, R., & Cheng, X. (2016). Gender equality in the work place: the effect of gender equality on productivity growth among the Chile manufacturers. The Journal of Developing Areas, 50(1), 257-274.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Yin, R. K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2020.v10i2.3969

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Dayana Gomes Coimbra, Armando Araújo de Souza Júnior, Ana Flávia de Moraes Moraes

Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED Business School – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Vila Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo/RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.