Mulheres na Política: Desafios e Perspectivas

Marcella Barbosa Miranda Teixeira, Carolina Maria Mota Santos

Resumo


O caso de ensino apresenta a trajetória de vida e de atuação política da única vereadora mulher na cidade de Ouro Preto, Minas Gerais, Maria Regina Braga. Neste caso, Regina relembra as dificuldades enfrentadas para se manter na política por cinco mandatos consecutivos e fala das suas aspirações futuras. Os dados foram coletados por meio de duas entrevistas, no Facebook da vereadora e no site da Câmara Municipal de Ouro Preto. O caso propõe que os/as alunos/as analisem a situação das mulheres na política, ao mesmo tempo em que traz uma reflexão a respeito dos desafios enfrentados e as perspectivas futuras.


Palavras-chave


Caso de ensino; Mulheres na Política; Desafios

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J. T. D. (2018). A proteção jurídica da participação política da mulher: fundamentos teóricos, aspectos jurídicos e propostas normativas para o fortalecimento do modelo brasileiro. (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Araújo, C. (2016). Valores e desigualdade de gênero: mediações entre participação política e representação democrática. Civitas-Revista de Ciências Sociais, 16(2), 36-61.

Barbieri, C. C. H. C., Ramos, L. D. O., & Moraes, F. (2019). Democracia e representação nas eleições de 2018: campanhas eleitorais, financiamento e diversidade de gênero: relatório final (2018-2019). São Paulo: FGV.

Brasil. (1932). Decreto nº 21.076, de 24 de fevereiro de 1932. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-21076-24-fevereiro-1932-507583-publicacaooriginal-1-pe.html.

Brasil. (1997). Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997. Estabelece normas para as eleições. Recuperado de http://planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9504.htm.

Butler, J. (2015). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Câmara de Vereadores de Ouro Preto. (2019). Vereadores. Recuperado de http://www.cmop.mg.gov.br/index.php?option=com_wrapper&view=wrapper&Itemid=9.

Carniel, F., Ruggi, L., & Ruggi, J. O. (2018). Gênero e humor nas redes sociais: a campanha contra Dilma Rousseff no Brasil. Opinião Pública, 24(3), 523-546.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609.

Hirata, H., Laborie, F., Le Doaré, H., & Senotier, D. (2009). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Estatística de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e Pesquisas, Informação Demográfica e Socioeconômica, 38.

Instituto Pesquisas de Opinião. (2018). O lugar da mulher também é na política. Recuperado de https://www.ipo.inf.br/o-lugar-da-mulher-tambem-e-na-politica/.

Inter-Parliamentary Union. (2019). Women in national parliaments. Recuperado de https://data.ipu.org/women-ranking?month=1&year=2020.

Krook, M. L. (2017). Violence against women in politics. Journal of Democracy, 28(1), 74-88.

Krook, M. L., & Norris, P. (2014). Beyond quotas: strategies to promote gender equality in elected office. Political Studies, 62(1), 2-20.

Martins, R. M., Lopes, V. R., Oliveira, I. S., & Oliveira Medeiros, C. R. (2017). Celebridade, empreendedora e estética: representações das feminidades na revista Exame. Revista de Administração IMED, 7(1), 70-92.

Matos, M. (2010). Paradoxos da incompletude da cidadania política das mulheres: novos horizontes para 2010. Debate: Opinião Pública e Conjuntura Política, 2, 31-59.

Navas, A. P., & Costa, I. G. (2017). Da casa ao congresso - a inserção das mulheres na política partidária: ações afirmativas para inclusão feminina nos parlamentos. Revista Quaestio Iuris, 10(4), 2904-2925.

Nicholson, L. (2000). Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, 8(2), 09-41.

Oliveira, K. P. (2013). A trajetória da mulher na política brasileira: as conquistas e a persistência de barreiras. Belo Horizonte: Fapemig.

Pinto, C. R. J. (2014). Uma mulher “recatada”: a deputada Suely de Oliveira (1950-1974). Topoi (Rio J.), 15(29), 565-587.

Raseam - Relatório Anual Socioeconômico da Mulher. (2015). Relatório anual socioeconômico da mulher. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres.

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Souza, M. R. (2018). Mulheres na política: histórias de protagonismo feminino na Amazônia e a luta contra o preconceito de gênero nas instâncias de poder político. Revista Relações Sociais, 1(1), 25-36.

Sow, M. M. (2010). A participação feminina na construção de um parlamento democrático. E-Legis, 3(5), 79-94.

Tribunal Superior Eleitoral. Estatísticas eleitorais 2016. Recuperado de http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/estatisticas-eleitorais.

Vaz, G. A. (2008). A participação da mulher na política brasileira: a Lei de Cotas. Monografia (Especialização), Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento da Câmara dos Deputados, Curso de Especialização em Processo Legislativo, Brasília, DF, Brasil.

Referências Complementares

Acosta, L. E. R., & Mayorga, D. A. C. (2018). Estilos de liderazgo político de las presidentas elegidas democráticamente en Latinoamérica: un estudio usando modelos probabilísticos. Encuentros, 16(1), 91-106.

Amâncio, K. C. B. (2013). “Lobby do batom”: uma mobilização por direitos das mulheres. Revista Trilhas da História, 3(5), 72-85.

Amaral, G. A. (2012). Os desafios da inserção da mulher no mercado de trabalho. Itinerarius Reflectionis, 2(13), 1-20.

Araújo, R. C. B. (2003). O voto de saias: a Constituinte de 1934 e a participação das mulheres na política. Estudos Avançados, 17(49), 133-150.

Bruschini, M. C. A. (2007). Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 537-572.

Carreira, D., Ajamil, M., & Moreira, T. (2001). A liderança feminina no século 21. São Paulo: Cortez.

Ceribeli, H. B., & Silva, E. R. (2017) Interrupção voluntária da carreira em prol da maternidade. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(5), 116-139.

Dias, J., & Sampaio, V. G. (2011). A inserção política da mulher no Brasil: uma retrospectiva histórica. Estudos Eleitorais, 6(3), 55-92.

Grossi, M. P., & Miguel, S. M. (2000). Transformando a diferença: as mulheres na política. Revista Estudos Feministas, 9(2), 167-206.

Pinto, C. R. J., & Silveira, A. (2018). Mulheres com carreiras políticas longevas no legislativo brasileiro (1950-2014). Opinião Pública, 24(1), 178-208.

Vale, M. S. (2018). A presença da mulher na política: o protagonismo de Eunice Michiles no Senado Federal. Revista Relações Sociais, 1(3), 0539-0544.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2020.v10i2.3817

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Marcella Barbosa Miranda Teixeira, Carolina Maria Mota Santos

Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo/RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.