Ação Coletiva como Forma de Ampliar a Educação para a Sustentabilidade: Uma Discussão à luz da Agenda 2030

Vanessa de Campos Junges, Suelen Geíse Telocken, Simone Alves Pacheco de Campos

Resumo


O presente ensaio teórico tem como objetivo evidenciar a ação coletiva como forma de ampliar a educação para a sustentabilidade na Agenda 2030. Com base no estudo, foi possível refletir sobre a relevância de ações coletivas, as quais movem os indivíduos em vista do bem comum; bem como perceber a pertinência das práticas de aprendizagem, com base na educação para a sustentabilidade. Assim sendo, verificou-se que a Agenda 2030 apresenta itens da ação coletiva como um todo e que a educação para a sustentabilidade é reiterada pela ação coletiva, o que transforma a conexão das temáticas em uma forma de ‘bola de neve positiva’, a fim de alcançar os objetivos da agenda. Identificou-se que muitas habilidades desenvolvidas pela literatura de aprendizagem apresentam-se como pré-requisitos para o desenvolvimento dos 17 ODS, o que evidencia a necessidade de ações coletivas nessa área. Entende-se que, para o alcance no longo prazo da Agenda 2030, faz-se necessário um olhar atento sob as variáveis da ação coletiva, as quais podem impactar positivamente.


Palavras-chave


Ação coletiva; Educação a para sustentabilidade; Agenda 2030; Teorias de aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, E. G. (2014). Aprendizagem situada. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, 7(1), 177–185.

Amaral, D. G., & Brunstein, J. (2017). Aprendizagem social para sustentabilidade: a experiência de um programa empresarial de mulheres empreendedoras em situação de pobreza. Revista de Gestão Social e Ambiental, 11(3), 2–20.

Ávila, L. V., Leal Filho, W., Brandli, L., Mcgregor, C. J., Molthan-Hill, P., Özuyar, P. G., & Moreira, R. M. (2017). Barriers to innovation and sustainability at universities around the world. Journal of Cleaner Production, 164, 1268–1278.

Barnaud, C., Corbera, E., Muradian, R., Salliou, N., Sirami, C., Vialatte, A., Choisis, J-P., Dendoncker, N., Mathevet, R., Moreau, C., Reyes-García, V., Boada, M., Deconchat, M., Cibien, C., Garnier, S., Maneja, R., & Antona, M. (2018). Ecosystem services, social interdependencies, and collective action: a conceptual framework. Ecology and Society, 23(1), 1–14.

Barth, M., & Rieckmann, M. (2012). Academic staff development as a catalyst for curriculum change towards education for sustainable development: an output perspective. Journal of Cleaner Production, 26, 28–36.

Caiado, R. G. G., Leal Filho, W., Quelhas, O. L. G., Nascimento, D. L., & Ávila, L. V. (2018). A literature-based review on potentials and constraints in the implementation of the sustainable development goals. Journal of Cleaner Production, 198, 1276–1288.

Demajorovic, J., & Da Silva, H. C. O. (2012). Formação interdisciplinar e sustentabilidade em cursos de administração: desafios e perspectivas. Revista de Administração Mackenzie, 13(5), 39–64.

Duque, G., Mello, A. C. P., & Araújo, M. G. P. (2012). Ação coletiva e desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 25, 109–116.

Dyllick, T., & Muff, K. (2015). Clarifying the meaning of sustainable business: introducing a typology from business-as-usual to true business sustainability. Organization & Environment, 29(2), 156–174.

Fayetteville State University. (2017). Definition of service learning. Recuperado em 14 julho, 2019, de http://www.uncfsu.edu/civic-engagement/service-learning/definition-of-service-learning.

Ferreira, F. R., Carvalho, M. A. G., & Senem, C. J. (2016). Desenvolvendo habilidades sociais na escola: um relato de experiência. Construção Psicopedagógica, 24(25), 84–98.

Figueiró, P. S. (2015). Educação para a sustentabilidade em cursos de graduação em administração: proposta de uma estrutura analítica. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração, Porto Alegre, RS, Brasil.

Figueiró, P. S., & Raufflet, E. (2015). Sustainability in higher education: a systematic review with focus on management education. Journal of Cleaner Production, 106, 22–33.

Flach, L., & Antonello, C. S. (2010). A teoria sobre aprendizagem informal e suas implicações nas organizações. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 8(2), 193–208.

Freitas, C. L. (2013). Avaliação de sustentabilidade em instituições públicas federais de ensino superior (IFES): proposição de um modelo baseado em sistemas gerenciais de avaliação e evidenciação socioambiental. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Contabilidade, Florianópolis, SC, Brasil.

Graham, A. (2010). Como escrever e usar estudos de caso para ensino e aprendizagem no setor público. Brasília: ENAP.

Hansmann R. A., Harald A. M. B., & Peter F. (2012). Principal sustainability components: empirical analysis of synergies between the three pillars of sustainability. International Journal of Sustainable Development & World Ecology, 19(5), 451–459.

Hesselink, F., Kempen, P. P. V., & Wals, A. E. J. (2000). ESDebate: International debate on education for sustainable development. Gland: IUCN.

Jacobi, P. R. (2005). Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação Pesquisa, 31(2), 233–250.

Jelsma, I., Slingerland, M., Giller, K. E., & Bijman, J. (2017). Collective action in a smallholder oil palm production system in Indonesia: the key to sustainable and inclusive smallholder palm oil? Journal of Rural Studies, 54, 198–210.

Kolb, D. (1984). Experiential learning. New Jersey: Prentice Hall.

Lauder, H., Brown, P., Dillabough, J. A., & Halsey, A. H. (2006). Education, globalization, and social change. Oxford: Oxford University Press.

Law, K. M. Y., & Chuah, K. B. (2019). The story of project-based action learning (PAL) a 15-year organizational learning journey of a high-tech firm in China. International Journal of Organizational Analysis, 27(5), 1442–1464.

Leal Filho, W., Azeiteiro, U., Alves, F., Pace, P., Mifsud, M., Brandli, L., Caeiro, S. S., & Disterheft, A. (2018). Reinvigorating the sustainable development research agenda: the role of the sustainable development goals (SDG). International Journal of Sustainable Development & World Ecology, 25(2), 131–142.

Leal Filho, W., Manolas, E., & Pace, P. (2015). The future we want: key issues on sustainable development in higher education after Rio and the UN decade of education for sustainable development. International Journal of Sustainability in Higher Education, 16(1), 112–129.

Mabuza, M., Ortmann, G., & Wale, E. (2015). Collective action in small-scale mushroom production in Swaziland: does organisational form matter? Development in Practice, 25(7), 1025–1042.

Muff, K., Kapalka, A., & Dyllick, T. (2017). The gap frame-translating the SDGs into relevant national grand challenges for strategic business opportunities. The International Journal of Management Education, 15(2), 363–383.

Nobre, F. S., Menezes, G. G., & Frega, J. R. (2012). The social constructionist perspective for management education in sustainable business. The Academy of Business in Society, 01–05.

Olson, M. (1965). The logic of collective action: public goods and the theory of groups. Cambridge: Harvard University Press.

ONU. (2016). Transformando nosso mundo: a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Recuperado em 14 julho, 2020, de https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

Ostrom, E. (2000). Collective action and the evolution of social norms. Journal of Economic Perspectives, 14(3), 137–158.

Ostrom, E. (2007). Collective action and local development processes. Sociologica, 1(3), 1–32.

Ostrom, E. (2009). A general framework for analyzing sustainability of social-ecological systems. Science, 325(5939), 419–422.

Palma L. C., Alves, N. B., & Silva, T. N. (2013). Educação para a sustentabilidade: a construção de caminhos no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS). Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 83–118.

Rodrigues, A. (2015). Metodologias ativas: o que é aprendizagem baseada em projeto. Recuperado em 14 de julho, 2019, de http://www.hoper.com.br/single-post/2015/06/22/metodologias-ativas-o-que-%c3%89-aprendizagem-baseada-em-projeto

Schmitz, H., Mota, D. M., & Sousa, G. M. (2017). Reciprocidade e ação coletiva entre agricultores familiares no Pará. Ciências Humanas, 12(1), 201–220.

Schmitz, L. C., Alperstedt, G. D., Bellen, H. M. V., & Schmitz, J. L. (2013). A aprendizagem experiencial e o desenvolvimento de competências para o gerenciamento de projetos. IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, Brasília, Brasil.

Sibbel, A. (2009). Pathways towards sustainability through higher education. International Journal of Sustainability in Higher Education, 10(1), 68–82.

Silva, M. E., Czykiel, R., Figueiró, P. S., Santos, W. S. F. D., & Galvão, U. P. (2013). Um espelho, um reflexo! A educação para a sustentabilidade como subsídio para uma tomada de decisão consciente do administrador. Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 154–182.

Souza, S., & Dourado, L. (2015). Aprendizagem baseada em problemas (ABP): um método de aprendizagem inovador para o ensino educativo. Holos, 5, 182–200.

Suni, T., Juhola, S., Korhonen-Kurki, K., Käyhkö, J., Soini, K., & Kulmala, M. (2016). National future earth platforms as boundary organizations contributing to solutions-oriented global change research. Current Opinion in Environmental Sustainability, 23, 63–68.

Tauchen, J., & Brandli, L.L. (2006). A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, 13(3), 503–515.

Tavares, P. A. (2018). Metodologias ativas: entenda como elas favorecem a aprendizagem. Recuperado em 14 de julho, 2019, de https://novaescola.org.br/conteudo/12170/metodologias-ativas-entenda-como-elas-favorecem-a-aprendizagem

Venzke, C. S., & Nascimento, L. F. M. (2013). Caminhos e desafios para a inserção da sustentabilidade socioambiental na formação do administrador brasileiro. Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 2–54.

Wenningkamp, K. R., & Schmidt, C. M. (2016). Teorias da ação coletiva no campo do agronegócio: uma análise a partir de teses e dissertações (1998-2012). Desenvolvimento em Questão, 14(35), 307–343.

Wenningkamp, K. R., Schmidt, C. M., Cielo, I. D., & Sanches, F. C. (2017). A associação brasileira de pesquisa em secretariado (ABPSEC) à luz da teoria da ação coletiva. Revista Capital Científico, 15(2), 79–98.

Wimmer, G. F., & Figueiredo, G. O. (2006). Ação coletiva para qualidade de vida: autonomia, transdisciplinaridade e intersetorialidade. Ciência & Saúde Coletiva, 11, 145–154.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2020.v10i1.3512

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.