As Relações de Gênero, os Estereótipos e a Violência Simbólica no Mercado de Trabalho

Flaviani Souto Bolzan Medeiros, Simone Alves Pacheco de Campos

Resumo


Mesmo com a evolução que a humanidade presenciou desde os tempos mais remotos, alguns entendimentos e concepções não seguiram o mesmo ritmo. Pode-se dizer que é o caso do que é ‘ser homem’ e do que é ‘ser mulher’ em termos conceituais, sociais e culturais pré-concebidos que continuam sendo os mesmos ao longo dos anos. Tratar de questões que versam sobre sexo, gênero e relações de gênero está no rol de assuntos em pauta na atualidade. Assim sendo, o objetivo deste ensaio é trazer uma discussão teórica acerca das relações de gênero, os estereótipos e a violência simbólica. Para isso, realizou-se uma revisão de literatura para expor tais temas a partir da percepção de diferentes autores, em especial, das contribuições de Pierre Bourdieu. A principal contribuição deste trabalho reside na extrapolação da distinção entre os conceitos a respeito de sexo e gênero ao descrever a manifestação destas relações no mercado de trabalho, da simplificação almejada com os estereótipos e da violência simbólica, que reforça as relações de poder e de dominação (in)visível presentes na sociedade até os dias atuais.


Palavras-chave


Relações de Gênero; Estereótipos; Mercado de Trabalho; Habitus; Violência Simbólica

Texto completo:

PDF

Referências


Albino, J. C. de A., Cattabriga, C. L., Rezende, O., & Neiva, R. C. S. (2011). Sujeitos estrategistas, suas escolhas, decisões e estratégias. Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Almeida, L. R. da S. (2005). Pierre Bourdieu: a transformação social no contexto de “a reprodução”. Revista Inter-Ação, 30(1), 139-155.

Araújo, F. M. de B., Alves, E. M., & Cruz, M. P. (2009). Algumas reflexões em torno dos conceitos de campo e de habitus na obra de Pierre Bourdieu. Revista Perspectivas da Ciência e Tecnologia, 1(1), 31-40.

Bellin, G. (2008). Estereótipos de gênero no livro didático de língua estrangeira. Revista X, 2, 81-89.

Bodart, C. das N., Borba, C. P., Fernandes, A. de A., Torres, K. R., & Frigulha, S. (2017). Discutindo relações de gênero entre discentes e docentes a partir das colaborações de Simone de Beauvoir e Pierre Bourdieu. Revista Foco, 10(1), 24-43.

Borges, C. de C. (2013). Mudanças nas trajetórias de vida e identidades de mulheres na contemporaneidade. Psicologia em Estudo, 18(1), 71-81.

Bourdieu, P. (1983). Sociologia. São Paulo: Ática.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (1992). Reponses – pour une anthropologie réflexive. Paris: Seuil.

Bourdieu, P. (1995). A dominação masculina. Educação & Realidade, 20(2), 133-184.

Bourdieu, P. (2001). Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2005). Habitus. In: Hillier, J., & Rooksby, E. (Orgs.). Habitus: a sense of place. Londres: Ashgate Publishing Co.

Bourdieu, P. (2007). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.

Brandão, Z. (2010). Operando com conceitos: com e para além de Bourdieu. Educação e Pesquisa, 36(1), 227-241.

Brito, D. L., & Bona, F. D. (2014). Sobre a noção de estereótipo e as imagens do Brasil no exterior. Revista Graphos, 16(2), 15-28.

Burckhart, T. (2017). Gênero, dominação masculina e feminismo: por uma teoria feminista do Direito. Revista Direito em Debate, 26(47), 205-224.

Calás, M. B., & Smircich, L. (1999). Do ponto de vista da mulher: abordagens feministas nos estudos organizacionais. In: Clegg, S., Hardy, C., & Nord, D. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas. p. 275-329.

Caminha, T., & Ferreira, D. M. M. (2015). Estereótipo de gênero e multidimensionalidade: da exclusão à resistência. Revista Desempenho, 1(24), 1-18.

Carlo, J. de, & Bulgacov, Y. L. M. (2007). Noções de “trabalho feminino” no chão de fábrica de uma empresa líder no setor de eletrodomésticos. Revista Psicologia: 7(1), 107-130.

Carvalho, M. E. P. de. (2004). Pierre Bourdieu sobre gênero e educação. Revista Ártemis, 1(1), 1-14.

Chies, P. V. (2010). Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas, 18(2), 507-52.

Colcerniani, C. B., D’ávila Neto, M. I., & Cavas, C. de S. T. (2015). A participação das mulheres no mercado de trabalho sob a perspectiva da teoria da justiça social de Nancy Fraser e dos conceitos relativos ao trabalho decente. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 18(2), 169-180.

D’amorim, M. A. (1997). Estereótipos de gênero e atitudes acerca da sexualidade em estudos sobre jovens brasileiros. Temas em Psicologia, 5(3), 121-134.

Fagundes, G. de A. (2017). Algumas reflexões em torno dos conceitos de habitus, campo e capital cultural. Revista Café com Sociologia, 6(2), 103-123.

Ferreira Júnior, A. P. (2018). Gênero e violência simbólica: um estudo introdutório sobre o ser da mulher e os papéis construídos em sociedade. Sapere Aude, 9(17), 309-318.

Figueiredo, M. de O., Zambulim, M. C., Emmel, M. L. G., Fornereto, A. de P. N., Lourenço, G. F., Joaquim, R. H. V. T., & Barba, P. D. (2018). Terapia ocupacional: uma profissão relacionada ao feminino. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 25(1), 115-126.

Gomes, R. N., Balestero, G. S., & Rosa, L. C. de F. (2016). Teorias da dominação masculina: uma análise crítica da violência de gênero para uma construção emancipatória. Libertas, 2(1), 11-34.

Janowski, D. A., & Medeiros, C. C. C. de. (2018). Corpo social e capital corporal: considerações a partir da teoria sociológica de Pierre Bourdieu. Problemata, 9(2), 283-293.

Leal, E. A., Miranda, G. J., Araújo, T. S., & Borges, L. F. M. (2012). Estereótipos na profissão contábil. Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Lima, F. I. A. de, Voig, A. E. G. T., Feijó, M. R., Camargo, M. L., & Cardoso, H. F. (2017). A influência da construção de papeis sociais de gênero na escolha profissional. Revista Brasileira de Psicologia e Educação, 19(1), 33-50.

Lucas, E. R. de O., & Silveira, M. A. A. da. (2017). A ciência da informação encontra Pierre Bourdieu. Recife: Editora Universitária da UFPE.

Medeiros, C. C. C. de. (2013). Pierre Bourdieu, dez anos depois. Educar em Revista, 47, 315-328.

Medeiros, C. R. de O., & Valadão Júnior, V. M. (2009). Masculinidade e feminilidade na AMEAS: holograma, ilhas de claridade ou uma selva desconhecida?. Anais do Encontro da Anpad, São Paulo, SP, Brasil.

Mereidos, C. C. C. de. (2011). Habitus e corpo social: reflexões sobre o corpo na teoria sociológica de Pierre Bourdieu. Movimento, 17(1), 281-300.

Mesquita Filho, M., Eufrásio, C., & Batista, M. A. (2011). Estereótipos de gênero e sexismo ambivalente em adolescentes masculinos de 12 a 16 anos. Saúde e Sociedade, 20(3), 554-567.

Oliveira, K. de, Silva, E. S. da, & Salva, S. (2011). Relações de gênero e educação. Sociais e Humanas, 24(2), 101-110.

Oliveira, L. L. de, Jesus, D. C. A. de, Arruda, M. A. de L., Cunha, M. C. da, & Araújo, R. M. (2010). Estereótipos de gênero em adolescentes: uma análise da influência escolar sobre a formação, manutenção e mudanças dos estereótipos. Interação em Psicologia, 14(2), 205-219.

Pereira, M. E. (2008). Cognição, categorização, estereótipos e vida urbana. Ciências & Cognição, 13(3), p. 280-287.

Peters, G. (2013). Habitus, reflexividade e neo-objetivismo na teoria da prática de Pierre Bourdieu. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(83), 47-71.

Praun, A. G. (2011). Sexualidade, gênero e suas relações de poder. Revista Húmus, 1(1), 55-65.

Recuero, R., & Soares, P. (2013). Violência simbólica e redes sociais no Facebook: o caso da fanpage “Diva Depressão”. Galáxia, 26, 239-254.

Reina, F. T. (2015). A eternização da dominação masculina na trajetória de vida de bailarinos e jogadoras de futebol e a prática pedagógica no interior da escola. Revista Educação e Cultura Contemporânea, 12(27), 199-211.

Risso, C. de A. (2008). Gosto é discutível: uma reflexão sobre o acúmulo de bens simbólicos. Matrizes, 2(1), 252-256.

Safiotti, H. I. B. (2013). A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular.

Sales-Oliveira, C., Villas-Boas, S., & Las-Heras, S. (2016). Estereótipos de género e sexismo em docentes do ensino superior. Revista Iberoamericana de Educación Superior, 7(19), 22-41.

Salvini, L., Souza, J. de, & Marchi Junior, W. (2012). A violência simbólica e a dominação masculina no campo esportivo: algumas notas e digressões teóricas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 26(3), 401-10.

Santos, G. F. de L. (2015). Jogo e civilização: história, cultura e educação. Londrina: Eduel.

Santos, M. H., & Amâncio, L. (2014). Sobreminorias em profissões marcadas pelo género: consequências e reações. Análise Social, 3(212), 700-726.

Santos, P. S. M. B. dos. (2007). A aplicabilidade dos conceitos bourdieunianos de habitus e campo em uma pesquisa na área da história da educação. Dialogia, 6, 49-54.

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Serrano-Barquín, C., Serrano-Barquín, H., Zarza-Delgado, P., & Velez-Bautista, G. (2018). Estereótipos de gênero que fomentam a violência simbólica: nudez e cabelos. Revista Estudos Feministas, 26(3), 1-14.

Setton, M. da G. J. (2002). A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, 20, 60-70.

Silva, A. D., & Taveira, M. do C. (2012). Educação e desenvolvimento de carreira das mulheres. Ex aequo, 25, 165-178.

Silva, D. J. M. (2017). Mulheres na contabilidade: os estereótipos socialmente construídos sobre a contadora. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG.

Silva, D. J. M., Silva, M. A. da, & Santos, G. C. dos. (2017). Estereótipos de gênero na contabilidade: afinal como a mulher contadora é vista? Anais do Congresso da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Silva, L. F. da, & Oliveira, L. de. (2017). O papel da violência simbólica na sociedade por Pierre Bourdieu. Revista FSA, 14(3), 160-174.

Silveira, I. T. (2006). Sociedade, educação e família. Revista Histedbr On-line, 22, 180-193.

Silveira, N. S. P. da. (2010). Mulheres gerentes: construindo as identidades de gênero no trabalho. Tese de doutorado, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP.

Sousa, L. P. de, & Guedes, D. R. (2016). A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, 30(87), 123-140.

Thiry-Cherques, H. R. (2006). Pierre Bourdieu: a teoria na prática. Revista de Administração Pública, 40(1), 27-55.

Tiradentes, A. R. (2015). Violência simbólica no contexto escolar: discriminação, inclusão e o direito à educação. Revista Eletrônica do Curso de Direito – PUC Minas Serro, 12, 33-48.

Trigo, M. H. B. (1998). Habitus, campo, estratégia: uma leitura de Bourdieu. Cadernos Ceru, 9, 45-55.

Valle, I. R. (2007). A obra do sociólogo Pierre Bourdieu: uma irradiação incontestável. Educação e Pesquisa, 33(1), 117-134.

Wacquant, L. J. D. (2002). O legado sociológico de Pierre Bourdieu: duas dimensões e uma nota pessoal. Revista de Sociologia e Política, 19, 95-110.

Yannoulas, S. C. (2002). Dossiê: políticas públicas e relações de gênero no mercado de trabalho. Brasília: CFEMEA, FIG/CIDA.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2020.v10i1.3496

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.