A Influência da nova Economia Institucional na Cadeia Produtiva da Pedra Preciosa na Região do Médio Alto Uruguai

Carine Dalla Valle, Andrea Cristina Dorr

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo analisar a influência da Nova Economia Institucional na cadeia produtiva da pedra preciosa na região do Médio Alto Uruguai. Nesse sentido, o Brasil é um dos destaques na produção mineral, possuindo em seu território quantidade e variedade de pedras preciosas. Contudo, são nos garimpos e nos locais de lapidação que apresentam informalidade e encontram entraves para o desenvolvimento. Trata-se de um estudo de caso qualitativo, desenvolvido através de uma abordagem descritiva, na qual a coleta de dados ocorreu por meio de um roteiro semiestruturado, contemplando entrevistas. Os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo, sendo as categorias definidas a priori. Os resultados mostram que a cadeia produtiva de pedras preciosas possui importância para a economia regional, entretanto, revelam que há informalidade ao longo do processo e uso inadequado dos recursos. A atividade desenvolve-se sob condições irregulares no que diz respeito a processos burocráticos, carga tributária e fiscal. Foram observadas a ocorrência de incertezas e racionalidade limitada nas transações existentes, bem como comportamento oportunista entre os agentes e instituições, o que enfraquece a cadeia produtiva de pedras preciosas. Porém, os aspectos sinalizados não são exauríveis.


Palavras-chave


Cadeia Produtiva; Pedras Preciosas; Nova Economia Institucional

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, M. M. de. (2010). Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas.

Azevedo, P. F. (2000). Nova economia institucional: referências gerais e aplicação para a agricultura. Agricultura em São Paulo, 47(1), 33-52.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 70.

Brasil. Lei n. 11.685, de 2 de junho de 2008. Institui o Estatuto do Garimpeiro e dá outras providências. Recuperado em 2 de março, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11685.htm.

Brasil. Lei n. 7.805, de 18 de julho de 1989. Cria o regime de permissão de lavra garimpeira, extingue o regime de matrícula, e dá outras providências. Recuperado em 12 de fevereiro, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7805.htm

Carvalho Júnior, L. C., & Ozon, R. T. (2004). Análise das transações e das estruturas de governança na cadeia do feijão da região de União da Vitória/PR. Anais do Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural.

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, 4(16), 386-405.

Coase, R. H. (1960). The problem of social cost. Journal of Law and Economics, 3, 1-44.

Coogamai - Cooperativa de Garimpeiros do Médio Alto Uruguai. (2018). Recuperado em 14 de abril, 2018, em http://www.coogamai.com.br/.

Cunha, C. F., Saes, M. S. M., & Mainville, D. Y. (2013). Análise da complexidade nas estruturas de governança entre supermercados e produtores agrícolas convencionais e orgânicos no Brasil e nos Estados Unidos: a influência do custo de transação e de mensuração. Revista de Administração, 48(2), 341-358.

Farina, E. M. M. Q. (1999). Competitividade e coordenação dos sistemas agroindustriais: um ensaio conceitual. Revista Gestão e Produção, 6(3), 147-161.

Farina, E. M. M. Q, Azevedo, P. F. de, & Saes, M. S. M. (1997). Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Singular.

Farina, E., & Zylbersztajn, D. (1998). A competitividade do agribusiness brasileiro. IPEA/PENSA/USP.

Ménard, C. (2004). The economics of hybrid organizations. Journal of Institutional and Theoretical Economics, 160, 345-376.

Ministério de Minas e Energia. (2017). Recuperado em 10 de janeiro, 2018, de http://www.mme.gov.br/web/guest/secretarias/geologia-mineracao-e-transformacao-mineral/publicacoes/sinopse-mineracao-e-transformacao-mineral.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Revista Ciência e Educação, 9(2), 191-211.

North, D. C. (1991). Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press.

North, D. C. (1999). Understanding the process of economic change. London: Institute of Economic Affairs.

Santos, S. R. S. (2007). A Nova Economia Institucional. Anais de Seminário Temático Do Núcleo de Estudos em Sociologia Econômica e das Finanças, São Paulo, Brasil.

Schmitz, H., & Mccormick, D. (2002). Manual for value chain research on homeworkers in the garment industry. Sussex: Institute of Development Studies.

Stake, R.E. (2011). Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso.

Théret, B. (2003). As instituições entre as estruturas e as ações. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 58, 225-254.

Vilpoux, O. (1997). Coordinations verticals entre enterprises transformatrices de manioc et producteurs agricoles au sud du Bresil. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção, Institut National Polytechnique de Lorraine, Cergy-Pontoise, França.

Williamson, O. E. (1975). Market and hierarchies: analysis and antitrust implications. New York: The Free Press.

Williamson, O. E. (1981). The modern corporation: origins, evolution, attributes. Journal of Economic Literature, 19, 1537-1568.

Williamson, O. E. (1985). The economic institution of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: The Free Press.

Williamson, O. E. (1991). Comparative economic organization: the analysis of discrete structural alternatives. Administrative Science Quarterly, 36(2), 269-296.

Williamson, O. E. (2000). The new institutional economics: taking stock, looking ahead. Journal of Economic Literature, 38(3), 595-613.

Zylbersztajn, D. (1995). Estruturas de governança e coordenação do “agribusiness”: uma aplicação da Nova Economia das Instituições. Tese de Mestrado em Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Zylbersztajn, D., Souza, J. P, & Prado, I. N. (Orgs.) (2009). Papel dos contratos na coordenação agroindustrial: um olhar além dos mercados. In Cadeias produtivas: estudos sobre competitividade e coordenação. Maringá: Eduem.




DOI: https://doi.org/10.18256/2237-7956.2020.v10i1.3437

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Revista de Administração IMED (RAIMED)               ISSN: 2237-7956                Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/IMED)

Faculdade Meridional – IMED – www.imed.edu.br – Rua Senador Pinheiro, 304 – Bairro Rodrigues – 99070-220 – Passo Fundo – RS – Brasil Tel.: +55 54 3045 6100

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.